companhia das letras

Resenha ► Hamlet, de William Shakespeare

A morte do rei da Dinamarca, Hamlet, motiva o retorno de seu filho, o príncipe também chamado Hamlet, a Elsenor, cidade em que reside a Corte.

domingo, 22 de agosto de 2021

/ by Vitor Zindacta


ISBN-139788582850145
ISBN-10: 858285014X
Ano: 2015 / Páginas: 320
Idioma: português
Editora: Penguin - Companhia das Letras

Um jovem príncipe se reúne com o fantasma de seu pai, que alega que seu próprio irmão, agora casado com sua viúva, o assassinou. O príncipe cria um plano para testar a veracidade de tal acusação, forjando uma brutal loucura para traçar sua vingança. Mas sua aparente insanidade logo começa a causar estragos - para culpados e inocentes.

Esta é a sinopse da tragédia de Shakespeare, agora em nova e fluente tradução de Lawrence Flores Pereira. Mas a trama inventada pelo dramaturgo inglês vai muito além disso: Hamlet é um dos momentos mais altos da criação artística mundial, um retrato — eletrizante e sempre contemporâneo — da vida emocional de um homo sapiens adulto.

Drama / Literatura Estrangeira / Ficção / Jovem adulto


A morte do rei da Dinamarca, Hamlet, motiva o retorno de seu filho, o príncipe também chamado Hamlet, a Elsenor, cidade em que reside a Corte.

Hamlet se encontra num estado melancólico e completamente perturbado, em virtude da morte do pai. Algo que é ainda mais agravado pela sua inconformidade com o rápido casamento de seu tio Cláudio com sua mãe Gertrudes
Num plano de fundo, a Dinamarca está em disputa com a Noruega, almejando não perder para o príncipe norueguês Fortimbrás, o território que este deseja recuperar, honrado o seu pai que fora morto em confronto com o rei Hamlet.
Apesar do desejo de Hamlet em voltar para a Universidade Wittenberg, da qual saiu em decorrência do falecimento do pai, seu tio e sua mãe o impedem, insistindo para que fique.
Os oficiais Marcelo e Bernardo haviam observado, já por duas vezes, durante suas guardas, o aparecimento de um espectro que muito lembrava o rei falecido, entretanto, Horácio não acreditava no relato dos oficiais até assistir o fato pessoalmente. Então, considerou de suma importância comunicar Hamlet sobre o ocorrido. O príncipe, surpreendido pela notícia, decide acompanhar os homens em suas guardas, esperando o aparecimento do espectro, que assim, vêm novamente e conduz Hamlet a um local mais reservado, onde se identifica como seu pai contando-lhe o real motivo de sua morte, a qual ocorreu devido à aplicação de um veneno em seu ouvido pelas mãos do tio Cláudio, ao contrário da história que havia sido inventada, onde a razão de sua morte seria uma picada de serpente. Nesta aparição, o espectro clama por vingança e designa Hamlet para a realização da mesma. Horácio e Marcelo, que presenciaram a cena, foram obrigados a jurar sigilo.
Com tais revelações Hamlet passa a fingir-se de louco, no intuito de entender os acontecimentos e descobrir se realmente o tio havia assassinado o pai com a intenção de tomar o poder casando-se com a rainha.
O motivo da sua loucura é interpretado por Polônio, homem fiel ao rei, como um amor mal resolvido entre o príncipe e sua filha Ofélia, que, por ordem do pai e conselho do irmão Laertes, passa a recusar suas manifestações de afeto. No entanto, o rei não conformado com esta insanidade apresentada pelo sobrinho, manda Rosencrantz e Guildenstern, homens com quem Hamlet tinha alguma intimidade, averiguarem a situação.
Na intenção de desmascarar seu tio e certificar-se de que é o assassino, Hamlet monta uma peça, onde encena a morte do pai, conforme o relato do espectro, e procura juntamente com Horácio avaliar as atitudes de Cláudio, durante o espetáculo, para concluir se este é ou não culpado. Ao final, a expressão do tio na cena do assassinato é interpretada como a comprovação de seu ato criminoso.
Em meio a tudo isso, o príncipe Fortimbrás promete não invadir a Dinamarca, desde que o rei lhe conceda permissão para atravessar suas terras a fim de atacar a Polônia.
Após o termino da peça, Hamlet encontra Claudio rezando, e por este motivo, não teve coragem para matá-lo.
Posteriormente, no quarto da rainha, quando esta criticava seu filho pelas atitudes tomadas, Hamlet acaba, não intencionalmente, matando Polônio, já que cravara a espada em um homem atrás da cortina, o qual acreditava ser o rei. Na verdade, Polônio se encontrava neste local, sob ordem do rei, com a função de ouvir a conversa. O espectro volta a aparecer, aconselhando Hamlet a acolher sua mãe, além de fortalecer o pedido de vingança, porém desta vez, ele só é visto pelo príncipe, fato que só levou a mãe a ter certeza da loucura do filho.
A partida de Hamlet para Inglaterra foi providenciada depressa, com a morte de Polônio. E, com a morte do pai, Ofélia acaba enlouquecendo, o que só provocara ainda mais o desejo de vingança de Laertes pelo responsável pelas atrocidades. Laertes é convencido por Cláudio, de que Hamlet é o único culpado, e planejam matá-lo, já que estão conscientes de que Hamlet voltara à Dinamarca, a bordo de um navio pirata.
Ofélia acaba suicidando-se, aumentando ainda mais a sede de vingança do irmão. No enterro da moça, Hamlet e Laertes brigam diante da cova, alegando amor a falecida.
Após este episódio, o príncipe conta a Horácio que escapara da morte que lhe estava prevista. No navio havia encontrado ordens que diziam que deveria ser morto pelos ingleses, acabou substituindo estas, por uma que ordenava a morte dos espiões Rosencrantz e Guildenstern.
Hamlet foi convidado para um combate de armas, previamente planejado por Cláudio e Laertes, em que tramaram a sua morte. Nesta luta, Laertes deveria atingi-lo com uma espada envenenada, ou seria oferecida, ao príncipe, uma taça de vinho também envenenada.
Iniciado o combate, a taça é oferecida a Hamlet, que a ignora, porém a mãe acaba tomando o seu conteúdo. Laertes fere Hamlet com a arma envenenada, e então, decorre uma luta entre ambos, onde as armas são trocadas e o príncipe passa a ferir Laertes com a espada contaminada pelo veneno. Ao passo que a rainha está morrendo, Laertes revela a infâmia do rei, que é também atingido por Hamlet com a espada envenenada, e ainda, o força beber o liquido da taça, cumprindo sua vingança. Antes que Laertes morresse, ambos perdoaram-se, visto que se identificaram no mesmo papel. Horácio, fiel ao príncipe, decide morrer junto a ele, mas é impedido pelo mesmo, que não deixa que tome do líquido da taça.
Enquanto morre, Hamlet fica sabendo da morte dos espiões – Rosencrantz e Guildenstern –, e Fortimbrás chega para ocupar o trono e são disparadas uma salva de artilharia, em homenagem ao príncipe que morreu.

A tragédia escrita por William Shakespeare é muito rica, explorando questões como vingança, incesto e moralidade. A posição na qual se encontra o protagonista é de uma dificuldade imensa, visto que se depara com a responsabilidade de vingar a morte de seu pai e livrar o reino da Dinamarca de um imoral. Logo as incertezas justificam seu estado melancólico, assim como seu lado confuso, visto que nenhuma certeza possuía da veracidade daquilo que o espectro o confessara, por exemplo. No entanto, o caminho que segue para obter a clareza dos fatos, expôs seu lado seguro e objetivo.
Na leitura de Hamlet, observamos nas falas do príncipe com outros personagens, a exposição de idéias, que em minha opinião são muito inteligentes e verídicas, por exemplo, quando diz para Rosencrantz, a seguinte frase: "nada é bom ou mau, a não ser por força do pensamento". Certamente as pessoas sentem e percebem as mesmas coisas de forma diferente, e o que determina isso são as experiências prévias e o caráter de cada uma delas. Em Hamlet ainda entendemos, que um comportamento está sempre submetido às circunstâncias, pois são elas que desencadeiam nosso modo de agir, e ainda, que uma ação é sempre motivada pelo nosso interesse. Com esta última idéia, podemos entender que ações puramente interesseiras, como todo o planejamento do rei Cláudio para a obtenção do trono, não pertencem somente à ficção literária, pelo contrário, é algo extremamente real, uma vez que é o desejo e o interesse que nos move.
Postagem mais recente
Next Story Postagem mais antiga Página inicial
siga-nos no Instagram: @postliteral
Leia[+]
© all rights reserved
made with by templateszoo