companhia das letras

A ficção em admirável mundo novo (Aldous Huxley) e a realidade do mundo pós-moderno

sábado, 7 de agosto de 2021

/ by Vitor Zindacta

Aldous Leonard Huxley nasceu em 26 de julho de 1894, na cidade de Goldaming, na Inglaterra, e se tornou um dos maiores escritores que o mundo já viu. Famoso por seu conhecimento e erudição admiráveis, Huxley foi romancista, ensaísta filosófico e literário, poeta, teatrólogo e responsável por algumas das melhores obras da literatura de ficção.

Seu pai, Leonard Huxley, foi editor, poeta e escritor de biografias. Vindo de uma família de cientistas, seu avô Thomas Huxley era zoólogo e médico e seu irmão Julian Huxley se tornou um renomado biólogo. Aldous Huxley começou a trabalhar com pesquisa cientifica até que uma doença nos olhos o acometeu aos dezesseis anos, dois anos após a morte de sua mãe, e o deixou totalmente cego por dezoito meses.

Impedido de prosseguir na carreira de cientista, porém tendo recuperado parcialmente a visão e tendo aprendido braile, Huxley começa a se dedicar a literatura. Ele estudou no Eton College e no Balliol College, em Oxford, graduando-se em inglês em 1915. Publicou seu primeiro volume de poemas em 1916 lançando em 1920 mais duas obras. Atuou também como crítico literário e teatral e escreveu artigos para várias revistas. Em 1921 publicou seu primeiro livro crítico social, “Crome Yellow”. Na década de 1920, ele conviveu com um grupo de artistas em Bloomsbury, uma importante região artística no centro de Londres. Deste grupo faziam parte intelectuais e escritores, como Virginia Woolf, neste período, Huxley publicou mais de uma dezena de livros.


Em 1927 Huxley viaja para Índia onde se impressiona com o misticismo oriental e publicou o livro, intitulado “Point Counter Point”, traduzido para o português por Érico Veríssimo como “Contraponto” que causou grande impressão na época ao exprimir sua crença na impossibilidade do amor verdadeiro em um mundo dominado pelo materialismo.
Em 1932 Aldous publicou o livro Admirável Mundo Novo (Brave New World). Após mudar para os Estados Unidos, em 1937, resolveu abandonar a ficção e passou a escrever ensaios e roteiros para cinema. Entre seus roteiros filmados no cinemas estão “Orgulho e Preconceito”, uma adaptação do romance de Jane Austen, de 1940, “Madame Curie”, de 1943, “Jane Eyre”, de 1944, com o ator Orson Welles no elenco, e “Alice in Wonderland”, 1951. Neste segundo período Huxley publicou mais alguns livros de grande relevância como “Eminência Parda”, em 1941, “A Filosofia Perene”, em 1946. Em 1954, Huxley publicou o livro “As Portas da Percepção”, nesta obra ele procurou relatar a experiência de ampliação da convivência através do uso da mescalina, um potente alucinógeno. Ele também trata deste tema em “Céu e Inferno”, de 1956. Seu último romance publicado foi “Ilha”, em 1962.

Aldous Huxley morreu em 22 de novembro de 1963, em Los Angeles por causa de um cancro na garganta, no mesmo dia em que Jonh Kennedy foi assassinado. Huxley é considerado um dos maiores escritores do mundo. Ele deixou um grande legado cultural, graças as suas inúmeras obras proporcionadas por sua atuação como escritor em várias áreas no campo intelectual. “Admirável Mundo Novo” (Brave New World), publicado em 1932 é a sua obra mais conhecida e influente, sendo um marco na literatura de ficção. O livro é uma ficção que tem como marco histórico o empreendedor “Henry Ford”, fundador da Ford Motor Company. O contexto histórico da narrativa é datado do ano 632 D.F. (depois de Ford). O Estado que é cientifico e totalitário zela por todos. Os seres humanos nascem de proveta e são precondicionados, possuem comportamentos preestabelecidos ocupando lugares predeterminados na sociedade. Os alfas são o topo da pirâmide e os ípsilons formam a base. A droga soma é distribuída em doses convenientes para os usuários. Família, monogamia, privacidade, e pensamento criativo caracterizam-se como ato criminoso. Não existe a figura de “pai ou mãe”. Os relacionamentos emocionais intensos ou prolongados são proibidos e vistos como anormais. A promiscuidade não só é algo presente na sociedade como se torna algo obrigatório para seus membros. A higiene é vista como um princípio de enorme valor social. No mundo de Huxley não há a presença do sentimento de paixão e nem de sistemas religiosos. A personagem Bernard Marx e acometido de um desejo pela solidão, ele não sente mais ânsias pelos prazeres proporcionados pela promiscuidade compulsória. Na busca por liberdade do sistema existente, Bernard, vê nos poucos remanescentes de Reserva Selvagem, um caminho para a cura de seu vazio existencial.

Apesar de a obra ser marcada por um regime totalitário, Huxley tinha a crença de que este domínio aconteceria, mas não através do uso da violência. Em Admirável Mundo Novo, além da ficção, Huxley aborda aspectos sociais presentes na sociedade real na época que o livro foi escrito. 25 anos depois da publicação da obra, Huxley fez um ensaio chamado “Regresso ao Admirável Mundo Novo”, onde faz uma análise do livro, depois dele ter vivido os anos marcados pelo Nazismo e o comando de Hitler na Alemanha e, consequentemente o conflito que levou o mundo a “Segunda Guerra Mundial”. Huxley, disse estar convencido de que o mundo estava bem mais perto da realidade presente no livro.

O CONTEXTO SOCIAL DE ADMIRAVÉL MUNDO NOVO E O MUNDO DE HOJE

Apesar de ser considerado um livro de ficção cientifica, ao lermos os dois primeiros capítulos de Admirável Mundo Novo, podemos perceber a relação que o autor faz de sua narrativa com a realidade vivida pelo mundo naquele momento histórico. Na época que o livro foi escrito o mundo viveu uma grande guerra e maior crise econômica já vista, com isso, Huxley aborda temas como o fordismo e o totalitarismo. O fordismo foi criado por Henry Ford em sua fábrica de automóveis. Neste sistema de produção cada operário passava a fazer um único tipo de tarefa dentro de uma sequência na linha de montagem. A esteira rolante trazia o objeto sobre o qual ele iria trabalhar e, ele encaixava a peça. Em, seguida, a esteira deslizava e trazia outra peça igual. A tarefa era repetida milhares de vezes por dia. A esteira prosseguia e o operário seguinte fazia a sua parte, este processo permitiu que fossem produzidos carros em série. Em 1914 iniciou-se um conflito generalizado na Europa que é chamado de I Guerra Mundial. Com o fim da guerra em 1918, grande parte da Europa estava destruída e incapaz de produzir o suficiente para atender as necessidades de suas populações. Para abastecer a Europa com seus produtos e com interesse de tornar a nação mais importante do mundo, os Estados Unidos adotou o fordismo em suas linhas de produção. Na sociedade de Huxley o fordismo é encontrado na reprodução genética, ficando explícito nas palavras do diretor do D.I.C de Londres Central: “Milhões de gêmeos idênticos. O princípio da produção em série aplicado enfim à biologia” (HUXLEY, p.3, 1932).

Outra visão crítica de Huxley em Admirável Mundo Novo é a presença de um Estado Totalitarista. Logo na abertura de seu livro Huxley demonstra as características de um governo mundial que é totalmente controlador: “Acima da entrada principal, as palavras centro de incubação e condicionamento de Londres Central e, um escudo, o lema do Estado Mundial: Comunidade, Identidade, Estabilidade (HUXLEY, p.1, 1932). As pessoas deste admirável mundo novo têm suas vidas controladas pelo Estado já ao nascerem. Os óvulos a serem fecundados determinavam a classe social que o indivíduo iria pertencer, eles eram divididos em: Alfas (detentores de conhecimento), casta alta; Betas (detentores de habilidades para realização de tarefas), casta alta; Gamas (mão-de-obra), casta baixa; Deltas (mão-de-obra), casta baixa; Ipsilons (mão-de-obra), casta baixa. O totalitarismo descrito por Huxley em sua ficção não era algo inimaginável, já que no mundo real algumas nações, principalmente na Europa, eram controladas por regimes políticos e ideológicos totalmente autoritários. A Rússia havia passado por uma revolução, que levou os bolcheviques à conquista do poder em outubro de 1917, com a tomada do palácio de inverno e demais setores de governo (SILVA, p.23, 2013). Lênin, Trotsky e Stalin eram os líderes do novo governo, foi implantado um regime socialista baseando-se nas ideias comunista que fora inspirada por Karl Max. Josef Stalin que governou a Rússia entre 1922 e 1953 implantou um governo totalitário que foi marcado pelo uso da força. A Rússia sob comando de Stalin participou de conflitos militares que lhe rendeu anexação de novos territórios, já internamente os opositores do regime eram massacrados pelo governo.

A Itália é mais um exemplo de governo totalitário na época da publicação da obra de Huxley. Em 1919 Benedito Mussolini fundou o partido fascista. Em 1921, os fascistas elegeram a maioria dos representantes do parlamento. Em 1922, Mussolini organizou uma marcha com cinquenta mil camisas negras até a cidade de Roma para exigir o poder. Pressionado, o rei da Itália, Vitor Emanuel III, cedeu a Mussolini o cargo de primeiro ministro. O rei Vitor Emanuel III demitiu Mussolini do cargo de primeiro ministro em 25 de julho de 1943. O maior exemplo de totalitarismo que o mundo já viu também seria contemporâneo a ficção de Huxley. Criado em 1919, o Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (partido nazista) começava a ascensão do nazismo na Alemanha. Em 1923, os nazistas liderados por Hitler tentaram tomar o poder com um golpe. Acabou não dando certo e Hitler foi preso. Em 1932, o presidente alemão Hindenburg tornou Hitler chanceler da Alemanha, no entanto, este último, assim que assumiu o poder, foi eliminando os opositores, com isso, o poder nazista aumentou demasiadamente. Hitler proclamou em 1933 o Terceiro Reich (Terceiro império). Com a morte de Hindenbug, em 1934, Hitler adotaria o título de Führer. Nos anos seguintes a Alemanha faria uma aliança com Japão e Itália, juntos eles entraram num conflito com inúmeras nações, na chamada II Guerra Mundial.

Apesar de Admirável Mundo Novo ter sido escrito antes da consolidação do nazismo no poder da Alemanha, grande parte da ficção abordada no livro, parece ter se tornado real no Estado alemão no período da ditadura de Hitler. A ideologia da superioridade genética ariana e de judeus serem a escoria da sociedade na visão dos nazistas, lembra em parte o processo de reprodução humana no mundo de Huxley, onde Alfas formam a elite e ípsilons são à base da sociedade. Além disso, a pesquisa feita com judeus em campos de concentração extrapola o campo da ética nos acordos internacionais ao longo da história. A obra de Aldous Huxley “Admirável Mundo Novo”, escrita em 1932, época que antecede a Segunda Guerra Mundial também denuncia aspectos desumanizadores do progresso cientifico e material. Os valores fictícios da obra podem ser interpretados como elementos de nossa sociedade atual. Valores como família, velhice e sentimentos são vistos como conceitos ultrapassados e até banalizados. Os indivíduos são controlados pelo sistema numa estratégia de manter a ordem social, seguida pelo condicionamento psicológico. Homens e mulheres são classificados de acordo com sua capacidade intelectual e produtiva.

A sociedade pós-moderna caracteriza-se pelo excesso e rapidez de informações, onde o indivíduo se afasta cada vez mais do mundo real e se concentra no mundo imaginário dos meios de comunicação e pela falta de limites. As pessoas são vistas como coisas, manipuladas e seduzidas com ofertas de múltiplas possibilidades que enfraquecem valores e relações pessoais. Assim como Aldous Huxley descreve em sua obra um cenário fictício, autores como Eric Hobsbawn em sua obra “A Era dos Extremos” delineia os caminhos para a sociedade contemporânea onde no século XX o mundo foi marcado por expectativas e esperanças para humanidade, mas o que se viu foi um cenário marcado por duas grandes guerras, crises econômicas e revoluções políticas.

É no século XX que se consolida a sociedade de consumo, os impactos da guerra fria e uma revolução social marcada pela inovação tecnológica e cultural que transforma as relações familiares e traz a liberdade sexual, a mudança do mapa político do globo e formação do chamado Terceiro Mundo. Outra característica do século XX está entre o processo acelerado da globalização e a incapacidade da sociedade como um todo de se acomodar nele. Tornou-se um período de desintegração de valores, dos padrões de relacionamento, uma desvinculação entre o passado e presente quebrando os elos entre gerações, formando uma sociedade de indivíduos egocêntricos, sem conexão entre si e que buscam apenas a própria satisfação. Esta sociedade alienada que pode ser comparada à alienação condicionada na sociedade de Aldous Huxley em “Admirável Mundo Novo”. No final do século XX a sociedade gera um egoísmo anti-social onde na maioria das vezes só prevalece o interesse individual. O público perde lugar para o privado, o dinheiro das transnacionais desconhece barreiras e fronteiras e tem mais poder que qualquer organização. O Estado perde sua capacidade de cuidar do bem estar social, delegando estes cuidados na mão do mercado, gerando insegurança e desorientação desta sociedade que alimenta a violência cada vez mais crescente juntamente com a desestruturação do modelo convencional de família. Surgem novos modelos de famílias sem a distinção da figura do pai ou da mãe e os casamentos se desfazem mais livremente.

Neste mundo real os países do chamado Terceiro Mundo se afundam em dívidas, são instáveis politicamente e possuem inúmeros problemas sociais. Enquanto isso os países em desenvolvimento passam por crises econômicas e políticas, atrasando seu progresso e competitividade, comprometendo as estruturas e investimentos sociais. Após a “Guerra Fria”, muitos países abandonaram o regime comunista, milhões de pessoas tiveram que ser inseridas num cenário de uma economia capitalista. Devido às dificuldades neste processo, o abismo entre ricos e pobres se tornou mais profundo. Este quadro assemelha-se ao “mundo civilizado” e seu contraste com “Bolsões de Selvagens” de “Admirável Mundo Novo.
Todos os fatos históricos e econômicos que marcaram o século XX construíram uma sociedade com base na imagem e na crença tecnológica de uma economia produtiva. Assim, como em “Admirável Mundo Novo”, a sociedade moderna é controlada pela mídia, condicionada a consumir, em busca da felicidade eterna e perfeita. Somos seduzidos pelo que não temos ou não podemos ter e a mídia cria uma sedutora hiper-realidade fazendo com que a representação seja mais palpável que a própria realidade. Tanto em “Admirável Mundo Novo” quanto na nossa sociedade é visível uma mistura de realismo e produção que coisifica o ser humano, tornando-o tão descartável quanto qualquer produto de consumo. Os homens são seduzidos por uma aparente liberdade, não criam vínculos, lançando-se à promiscuidade e ao desapego.

A massa condicionada se mecaniza, distancia e se isola neste mundo cada vez mais individualista, assim como na obra de Huxley, é o mundo da dissolução de estruturas e valores bem como do enfraquecimento das relações pessoais.

CONSIDERAÇÕES FINAIS.

Quando Aldous Huxley publicou “Admirável Mundo Novo”, em 1932, a obra classificada como ficção, era vista por muitos como uma heresia já que abordava questões totalmente distantes dos padrões sociais de sua época. Depois de passado todo século XX e iniciado o XXI é preciso que se faça uma releitura do livro. Se fizermos um recorte histórico destas oito décadas pós Admirável Mundo Novo, veremos que alguns fatos contribuem para que a obra de Huxley seja vista como futurista. Nestes anos o mundo assistiu a consolidação de regimes totalitaristas na Europa, dentre eles o fascismo na Itália, o comunismo na Rússia e o nazismo na Alemanha. A história também registra o surgimento da “Guerra Fria” que dividiu o mundo em comunista e capitalista causando uma corrida armamentista e a aceleração da criação de novas tecnologias.

Instituições como o Estado, a família e a religião sofreram mudanças assumindo novos contextos sociais. O avanço das ciências e as pesquisas genéticas aproximam o mundo atual da ficção de Huxley. A sociedade que surge no final do século XX e início do XXI é marcada pelo consumismo, o apego ao novo que preencha o vazio existencial, satisfazendo necessidades tanto físicas quanto espirituais dos consumidores. As drogas são consumidas cada vez mais por pessoas em busca de felicidade. Vivemos imersos em um cenário de desordem e conflitos isolados, um ambiente com diferenças econômicas e sociais gritantes, muito distantes daquele visto em “Admirável Mundo Novo”, com abismos entre ricos e pobres cada vez mais reais e aceitas.

Postagem mais recente
Next Story Postagem mais antiga Página inicial
siga-nos no Instagram: @postliteral
Leia[+]
© all rights reserved
made with by templateszoo