[#LeiaNacional] Entrevista com Eliane Quintella, autora de ❝Pacto Secreto❞


Primeiramente, fale-nos um pouco  sobre você.

Meu nome é Eliane. Escrevo desde que conheci os livros, fiquei fascinada e já comecei a criar meus livrinhos com folha de papel sulfite e publicar poemas no jornal do bairro em que morava na adolescência. Sou fascinada por histórias que sejam boas e que te envolvam de verdade. Fico impressionada de quanto as histórias enriquecem nossas vidas, aprendemos com as experiências de outros, com seus erros e acertos, com seus sentimentos e vivências. Conseguimos uma sabedoria que vai além. Acho que boas histórias falam com a nossa alma, com aquilo que há de menos evidente nos nossos corações ou nas nossas sombras.

Ops, era para falar de mim e já estou falando de histórias... Sou paulistana, vivo em São Paulo com meu marido, meus filhos Ale e Zizi e meus cachorros Lucke e Rocky. Adoro brigadeiro e doces em geral. Nada melhor que uma xícara de café com um brigadeiro do lado. Gosto do ar livre e de tudo aquilo que me faz sonhar acordada.

 

  1. Há quanto tempo você escreve, como começou?

Eu escrevo desde que descobri os livros e o prazer em que há em se contar uma boa história. Gosto de escrever histórias que tenham alguma mensagem escondida no meio de uma trama muito louca e cheia de reviravoltas. Acredito que podemos aprender muito com filosofia e adoro

que meus personagens tenham seus dilemas filosóficos. A vida é um prato cheio para gente explorar nas histórias. Meu primeiro livro publicado foi Pacto Secreto em 2011. Depois disso escrevi a continuação do Pacto Secreto: Prazer Secreto e História Secreta, que no final, juntei em um livro só e dei a esse livro o nome de Pacto Secreto que acabei de publicar e que vai te pegar pelo pé.

Além disso escrevi nesse ínterim outros livros: Café Forte que é um suspense policial. Morra por mim que é um thriller psicológico. #Acredite que é uma fantasia fofa. Menino Laranja que é uma distopia. E coração voador que é um livro infantil com uma mensagem linda sobre como olhar a vida.

 

  1. Você teria algum segredo de escrita? Algo que faça com que você se sinta inspirada/o antes de iniciar um novo livro?

Eu preciso me apaixonar pela ideia e pela mensagem que eu quero que os personagens explorem. Por exemplo: no Pacto Secreto eu quis explorar a ideia de que somos muito mais fortes do que entendemos, somos divinos, quis meu livro mergulhado em humanismo. Mas como mostrar isso? Senão mostrar uma heroína que desafia o diabo no seu próprio jogo?

No livro Morra por Mim eu quis que meu protagonista, André Vasques, fosse anjo, mas fosse também um monstro. E nessa mistura vemos André lutando para ajudar aqueles que ele chama de corações puros a irem embora para junto de Deus quando a existência se torna insuportável e, ao mesmo tempo, vemos um monstro que tem a frieza necessária para se afeiçoar a suas vítimas e depois a incentivá-las a ir embora daqui. No livro, vemos a luta do anjo e do monstro que todos temos dentro de nós mesmos e acompanhamos a escolha de André.

 

  1. Quais foram suas principais referências na literatura, arte e/ou cinema?

Clarice Lispector e Nelson Rodrigues me inspiraram muito. O jeito que Clarice ingressa na alma humana é apaixonante. Mas amo suspense e a rainha do crime: Agatha Christie me fascinou com suas tramas bem boladas.

 

  1. Qual foi seu trabalho mais desafiador até hoje em relação à escrita?

O maior desafio foi transformar Pacto Secreto, Prazer Secreto e História Secreta em um único livro. Sempre é difícil ao escritor ver as folhas que escreveu irem embora para dar lugar a um livro mais enxuto e fluído.

 

  1. Qual a parte mais difícil de se escrever um livro?

Para mim é tempo. A vida é tão corrida hoje em dia que nos falta tempo para refletir, para pensar e para criar boas histórias.

 

  1. Qual foi seu primeiro livro, o que pensou ao iniciar sua escrita? o que te incentivou?

Meu primeiro livro foi Pacto Secreto. Meu pai faleceu em 2009. Em 2010 quebrei o punho, fiquei de molho e Pacto Secreto veio para mim de presente. Pacto Secreto é toda a influência do meu pai que me colocava com 7 anos para ver filmes com a Profecia, o Retrato de Dorian Gray e o bebê de Rosemary, tem um quê de terror, mas é muito mais um suspense que vai te pegar pelo pé.

 

  1. Tem algum personagem que você tenha criado ao qual foi difícil desapegar?

André Vasques do Morra por Mim. Entrei tanto dentro de sua mente que quase parece que ele existe e está andando por aí.

 

  1. Quais são suas principais referências literárias na hora de escrever?

Eu tento não ter referências. Acho que se nos apegarmos demais, sem querer vamos pegar alguma coisa que não é nossa e colocar no livro. Por isso eu tenho o cuidado de não ler livros enquanto estou escrevendo para não verem uma voz ali na escrita que não seja a minha.

 

  1. Você teria algum segredo de escrita? Algo que faça com que você se sinta inspirada/o antes de iniciar a escrita de um novo livro?

Estar só. É sempre só que tenho as melhores ideias.

 

  1. Você reúne notas, anotações, músicas, filmes e/ou fotografias para se inspirar durante a escrita?

Faço anotações para quando tenho a ideia. Justamente para ela não fugir de mim.

 

  1. O que você faz para driblar a ausência de criatividade que bate e trava alguns momentos da escrita? Existe algo que você faça para impedir ou driblar estes momentos?

Dou uma volta. Deixo o livro de lado. Uma hora dá aquela vontade de correr para ele e finalizar a história.

 

  1. A maioria dos autores possuem contatos e amigos de confiança para mostrar o progresso do seu trabalho durante o percurso da escrita. Você teria um time de “leitores beta”, para analisar seu livro antes de prosseguir com a escrita?

Eu mostrava muito ao meu irmão, mas agora o Wattpad me ajuda muito. Mas ainda mando ao meu irmão. Ele sempre foi um incentivador.

 

  1. Qual a parte mais complicada durante a escrita?

O início do livro. Sabe quando a história não engatou e ninguém tem ideia do que se trata o livro?

 


  1. Você prefere escrever diversas páginas por dia durante longas jornadas de escrita ou escrever um pouco todos os dias? O que funciona melhor para você?

Eu tenho que escrever um pouco todos os dias por pura falta de opção. Meu sonho é ficar uma semana em um café de Paris, enlouquecida, escrevendo e tomando café. Quem sabe um vinho tinto para acompanhar?

 

  1. Em relação ao mercado literário atual: o que você acha que deve melhorar?

A vida é o zue é. Me pergunto muito no que eu posso melhorar, sabe?

 

  1. A maioria das pessoas não conseguem se manter ativas em vários projetos, como funciona para você, você escreve vários rascunhos de diferentes obras ou se mantém até o final durante o processo de um único livro?

Sou mulher de um livro só. Rsss. Paro de ler, paro de pensar em outras histórias e mergulho de cabeça no meu novo projeto.

 

  1. O que motiva você a continuar escrevendo?

Eu amo escrever e sempre escreverei, nem que eu seja minha única leitora.

 

  1. Que conselho você daria para quem está começando agora?

Mergulhe no seu livro, faça dele a sua maior aventura. Divirta-se!

 

  1. Para você, qual o maior desafio para um autor/a no cenário atual? Você tem algum hábito ou rotina de escrita?

Meu principal desafio é como livros em um ambiente com tantos atrativos digitais podem continuar existindo. Como despertar essa paixão?

Sabe, antigamente quando não havia televisão, internet, os livros eram o maior barato. Hoje com tantos filmes, séries, jogos eletrônicos, podcasts e etc como levar alguém a ler? Eu acho que esse é um grande desafio. De toda maneira, fico feliz quando me lembro que as histórias podem ser contadas em diversas formas como filmes e séries!

 

  1. Como você enxerga o cenário literário atual e a recepção dos leitores da atualidade em relação aos novos autores?

Hoje o celular deu um poder a cada escritor e a cada leitor. Antigamente era a Editora quem definia quem publicaria, hoje os leitores que determinam. Isso é incrível. A dificuldade é como potencializar isso a favor do escritor que não é marqueteiro e que quer mesmo é escrever! Hahaha para mim esse é o grande desafio.

 

  1. Se pudesse indicar quatro obras literárias que te inspiraram, quais seriam?

O pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela mensagem e por alcançar a todos leitores

Caim, de José Saramago pelo humor cítrico e pela audácia

O velho e o mar, Hemingway pela força do potencial humano

O Alquimista, de Paulo Coelho pela mensagem que transcende um público

Cai o Pano, de Agatha Christie pela trama

Laços de Família, de Clarice Lispector pela escrita perfeita

Memórias de Subsolo, de Fiódor Dostoiévski pelo mergulho no ser humano

 

  1. Que conselho você daria para quem está começando a escrita do primeiro livro?

Solte a franga. Silencie o julgador que há dentro de você e deixe rolar a história que ela se escreverá sozinha.

 

  1. O que esperar para o ano de 2023 em relação à sua escrita?

Espero conseguir aprimorar meu lado marqueteira. E escrever um novo livro que está cozinhando aqui dentro de mim.

© all rights reserved
made with by templateszoo