[RESENHA #591] Viola de bolso, de Carlos Drummond de Andrade

Viola de bolso, reunião de poemas de Carlos Drummond de Andrade lançada nos anos 1950, chega a sua terceira edição, com 25 poemas inéditos nas edições anteriores.

Uma das joias que marcam o retorno do poeta Carlos Drummond de Andrade ao catálogo da Editora José Olympio é sem dúvida a nova edição de Viola de bolso. Lançado originalmente em 1952, pelo Ministério da Educação e Saúde, o livro teve segunda edição pela Livraria José Olympio Editora, em 1955, com adição de 56 novos poemas, totalizando 91. Esta terceira edição, de 2022, reúne os poemas da segunda – acrescidos de marcas de revisão feitas à mão por Drummond em seu exemplar – e inclui novas peças, 25 poemas inéditos nas edições anteriores, recentemente encontradas pelos netos do poeta.

Esses poemas, que haviam sido organizados pelo próprio autor em uma pasta intitulada “Viola de bolso (nova)”, aparecem também em versão fac-similar. Tanto para estudiosos de Drummond quanto para leitores de poesia, é possível observar as mudanças feitas em certos poemas de uma edição para a outra. Mudanças que mostram a preocupação do poeta com seus escritos e que provam como uma criação literária é um processo contínuo, que nunca se dá por acabado.

Além de a nova edição apresentar um projeto gráfico caprichado, em capa dura, será uma experiência muito proveitosa ler os escritos que Drummond reúne em Viola de bolso. O livro é uma espécie de inventário sentimental do poeta em homenagem a lugares, afetos, pensamentos e, em sua maioria, a pessoas próximas; amigos, artistas e personalidades importantes – dentre estes, o próprio José Olympio,  que conquistaram o coração do grande escritor itabirano.  As dedicatórias compõem uma constelação que evidencia a rara destreza de Drummond para construir belas peças poéticas amarradas à própria vida.

RESENHA

"Viola de Bolso" é um livro de contos do renomado poeta brasileiro Carlos Drummond de Andrade. Publicado em 1962, o livro apresenta uma coleção de histórias curtas que exploram temas variados, como amor, solidão, cotidiano e reflexões sobre a condição humana.

Carlos Drummond de Andrade, conhecido por sua poesia marcante e reflexiva, buscou inspiração em diferentes fontes para compor "Viola de Bolso". O autor foi influenciado por sua própria experiência de vida, observação do mundo ao seu redor e pela literatura brasileira e estrangeira. Drummond de Andrade tinha um olhar atento para as nuances da existência humana, e isso se reflete nas histórias do livro.

Em relação à recepção crítica, "Viola de Bolso" foi bem recebido pela crítica literária da época. A obra foi elogiada por sua originalidade e pela maneira como o autor abordou questões universais de forma poética e sensível. Drummond de Andrade é considerado um dos maiores escritores brasileiros do século XX, e sua escrita inovadora e profunda contribuiu para a boa recepção do livro.

A construção do enredo em "Viola de Bolso" é caracterizada pela brevidade e concisão. Cada conto apresenta uma história autônoma, com personagens distintos e situações diversas. Drummond de Andrade utiliza uma linguagem precisa e poética para transmitir suas reflexões sobre a vida, o amor, a morte e a sociedade. O autor também faz uso de metáforas e simbolismos, criando uma atmosfera lírica e profunda em cada conto.

Em termos históricos, "Viola de Bolso" foi publicado em um momento de efervescência cultural e política no Brasil. A década de 1960 foi marcada por transformações sociais e pelo surgimento de movimentos artísticos e culturais importantes. Nesse contexto, a obra de Drummond de Andrade se destacou como uma voz crítica e reflexiva, trazendo à tona questões fundamentais sobre a condição humana em meio a um mundo em constante mudança.

No livro "Viola de Bolso", Drummond de Andrade apresenta uma seleção de poemas que refletem sua habilidade em abordar temas universais de maneira poética e profunda. Alguns dos principais poemas do livro incluem:

1. "Poema de Sete Faces": Neste poema, Drummond de Andrade explora a dualidade da existência humana, retratando diferentes facetas de uma mesma pessoa. O poema reflete sobre a complexidade e a multiplicidade de sentimentos e experiências que compõem a vida.

2. "No Meio do Caminho": Este é um dos poemas mais famosos de Drummond de Andrade. O poema apresenta uma situação aparentemente banal - um obstáculo no meio do caminho - e a transforma em uma reflexão profunda sobre a inevitabilidade do enfrentamento dos desafios da vida.

3. "Mãos Dadas": Neste poema, Drummond de Andrade aborda a solidão e a busca por conexão humana. O poema explora a importância do contato físico e emocional entre as pessoas, enfatizando a necessidade de compartilhar a existência e enfrentar juntos os desafios da vida.

4. "Sentimental": Este poema retrata a dualidade entre o sentimento e a razão. Drummond de Andrade explora a complexidade dos relacionamentos e a dificuldade de conciliar a emoção com a racionalidade, destacando a vulnerabilidade e a intensidade dos sentimentos humanos."Viola de Bolso" é, portanto, uma obra que reflete a genialidade de Carlos Drummond de Andrade como escritor. Com sua escrita poética e reflexiva, o autor proporciona ao leitor uma experiência literária única, repleta de significados e reflexões sobre a vida e a sociedade.

O AUTOR

Carlos Drummond de Andrade foi poeta, contista e cronista brasileiro do período do modernismo. Considerado um dos maiores escritores do Brasil, Drummond fez parte da segunda geração modernista. Foi precursor da chamada "poesia de 30" com a publicação da obra "Alguma Poesia".

© all rights reserved
made with by templateszoo