companhia das letras

Resenha: Outro dia, de David Levithan

terça-feira, 10 de agosto de 2021

/ by Vitor Zindacta


Um dos mais inovadores autores de livros jovem adulto e o primeiro a emplacar uma trama gay na lista do New York Times, David Levithan retoma a sua mais emblemática trama em "Outro Dia". Aqui, a já celebrada — com várias resenhas elogiosas — história de "Todo Dia" é mostrada sob o ponto de vista de Rhiannon. A jovem, presa em um relacionamento abusivo, conhece A, por quem se apaixona. Só que A, acorda todo dia em um corpo diferente. Não importa o lugar, o gênero ou a personalidade, A precisa se adaptar ao novo corpo, mesmo que só por um dia. Mas embarcar nessa paixão também traz desafios para Rhiannon. Todos eles mostrados aqui.

ISBN-13: 9788501106834
ISBN-108501106836
Ano: 2016 / Páginas: 322
Idioma: português
EditoraGalera Record

RESENHA

As sequências podem significar muito dinheiro para os autores de livros populares. Ainda mais se eles chegarem à tela grande. Mas agora, há outro gênero de continuação de romances que está se tornando popular. 

Há uma tendência nova e estranha que percebi se infiltrando no mundo literário. Não tenho certeza se existe uma palavra para isso ainda, mas tenho certeza que os editores estão vendo seu potencial financeiro. Mas, embora editoras e autores possam estar lucrando, os leitores não têm tanta sorte.

Você pode chamar esses livros de “livros complementares”. Eles não são sequências em si, mas sim um espelho do mesmo livro, contando a mesma história da perspectiva de outro personagem. E.L. James fez isso com sua série "50 Shades of Grey", recontando o primeiro romance da perspectiva de seu protagonista masculino. Stephanie Meyer quase fez isso com “Twilight”. É uma tendência que constitui uma grande parte do mundo da fan fiction, mas agora o mainstream está pegando. Recentemente, o autor jovem adulto David Levithan fez isso, mostrando-nos um lado diferente de seu maravilhoso romance para jovens adultos de 2013 "Todos os dias . "

“Every Day” é a história de um personagem chamado A. Cada manhã, A acorda com um corpo diferente, uma vida diferente. Usando apenas memórias e instintos, A tem que sobreviver durante o dia, até que adormeça e o ciclo comece novamente. Levithan pega esse conceito maravilhoso e o joga perfeitamente em "Every Day". Ele usa cada nova manhã como uma oportunidade para enfrentar os problemas dos jovens adultos, como depressão, vício e bullying. Não digo isso levianamente, mas acho que todo adolescente de 16 anos deveria receber uma cópia no dia do aniversário. É tão bom.

Bem, A e os outros personagens de Every Day estão de volta. Embora este novo livro se chame "Outro dia", é tudo menos isso. Um nome melhor pode ser "Mesmo dia". Este livro segue o enredo exato de "Every Day", mas recontado através dos olhos do interesse amoroso de A, Rhiannon. Como um fã do primeiro livro, eu estava realmente esperando por uma sequência que movesse o enredo adiante e aumentasse a história. Fiquei, infelizmente, muito desapontado.

O fato é que esses livros me parecem preguiçosos. Parece que os autores apenas copiaram e colaram o primeiro livro em um novo manuscrito. Sim, eles podem nos dar um ou dois pequenos fragmentos de novas informações, mas nós, como leitores, estamos vivenciando o mesmo diálogo e piadas, as mesmas interações e o mesmo enredo. Tudo isso foi bloqueado pelo livro anterior, então não pode ser alterado. Por exemplo, em "Every Day", tivemos que lidar com o relacionamento de Rhiannon com seu desagradável e zangado namorado Justin. Foi um momento de fraqueza em um grande livro. Não consigo imaginar nenhum leitor jovem adulto torcendo por mais tempo com Justin. Mas em "Another Day" temos a experiência de tudo de novo, na frente e no centro.

David Levithan é um escritor maravilhoso e criativo, o que torna este livro uma decepção ainda maior. É difícil dizer a alguém com tanto talento que cometeu um erro. Mas David, tenho que dizer, você é melhor do que isso. "Outro dia" parece encontrar material suplementar em um DVD de filme. Talvez pudesse ter funcionado como um pequeno conto, mas você teve que escrever um livro completo?

Então, qual é o próximo mundo literário? Contando a série Harry Potter pelos olhos de Ron? "O Cão dos Baskervilles" da perspectiva do cachorro? Que tal "O Grande Gatsby" contado por Daisy? A opinião do Sr. Darcy sobre "Orgulho e Preconceito?" Eu poderia reclamar mais, mas não tenho certeza se os editores iriam me ouvir por causa do barulho daquelas caixas registradoras.

Postagem mais recente
Next Story Postagem mais antiga Página inicial
siga-nos no Instagram: @postliteral
Leia[+]
© all rights reserved
made with by templateszoo