[RESENHA #695] Modernidade Liquida, de Zygmunt Bauman


APRESENTAÇÃO

No livro clássico de sua obra ― agora em novo projeto gráfico ―, o sociólogo Zygmunt Bauman examina como se deu a passagem de uma modernidade “pesada” e “sólida” para uma modernidade “leve” e “líquida”, infinitamente mais dinâmica.

Zygmunt Bauman cumpre aqui sua missão de sociólogo, esclarecendo como se deu a transição da modernidade e nos auxiliando a repensar os conceitos e esquemas cognitivos usados para descrever a experiência individual humana e sua história conjunta.
É a essa tarefa que se dedica este livro. Analisando cinco conceitos básicos que organizam a vida em sociedade ― emancipação, individualidade, tempo/espaço, trabalho e comunidade ―, Bauman traça suas sucessivas formas e mudanças de significado. Modernidade líquida complementa e conclui a análise realizada pelo autor em Globalização: As consequências humanas e Em busca da política. Juntos, esses três volumes formam uma análise brilhante das condições cambiantes da vida social e política.

RESENHA

“Modernidade liquida” se concentra em uma meta-crítica da globalização e de todos os problemas que ela apresenta, desde o desenraizamento até a onipresença do Estado de segurança. A tese central de Bauman é que as consequências da globalização prejudicaram seriamente as tentativas de justiça internacional. O objetivo da globalização - erradicar quaisquer barreiras comerciais e, portanto, criar “mercados sem fronteiras” - resulta na transição de um mundo onde as pessoas estão sujeitas às leis e proteções de seus países de origem para um mundo em que o medo radical e a falta de segurança são reificados e reina o “desvanecimento dos laços humanos e o enfraquecimento da solidariedade”. Esta falta de segurança resulta em medo e uma aparente falta de controle, o que por sua vez perpetua e reforça a mudança evidente em direção à segurança nacional que temos vivido nas democracias liberais avançadas. E assim continua o ciclo pernicioso.

Em sua comparação entre as cidades, as localizadas globalmente (que são capazes de participar na esfera totalmente integrada da globalização) e as cidades localizadas localmente (aquelas que não o são), Bauman diz que o trabalho da cidade mudou de proteger seus habitantes de estranhos para abrigar populações guetizadas de transnacionais peripatéticas e estranhos, o “lixão para problemas globalmente concebidos e gestados”.

Nossos novos tempos líquidos também trouxeram um número sem precedentes de refugiados, tanto políticos como econômicos. As guerras, que Bauman considera serem essencialmente tentativas locais de resolver problemas globais, tornam-se intratáveis. O resultado é um “excesso de humanidade” - a humanidade como produto residual - completa e totalmente despojada de propriedade, identidade pessoal, ou mesmo de um Estado que reconheça sua existência.

Bauman sugere que a democracia se tornou ironicamente um assunto elitista, onde os ricos protegem seus interesses e os pobres continuam a sofrer com a falta de redes de segurança social e de redes governamentais de apoio. Ele também não está muito otimista quanto às possibilidades de alcançar uma utopia pré-globalizada, uma palavra que Thomas More notou pela primeira vez que poderia significar, homofonicamente, “paraíso” ou “lugar nenhum”. Embora ainda seja um paraíso para alguns, nosso mundo tornou-se demasiado líquido para ser outra coisa senão o último para a maioria de nós. No final, Bauman oferece em cada análise da globalização o último paradoxo da modernidade: uma vida permanente permeada pela impermanência.

Como mencionei anteriormente, Bauman dedicou tempo para detalhar mais suas análises em outros livros, de acordo com o final do livro. No entanto, com base no que li aqui, não tenho certeza de quantos de seus argumentos são originais. Livros sobre globalização com temas de alienação e privação de direitos são bastante comuns no campo da sociologia. No entanto, o humor irônico de Bauman definitivamente despertou meu interesse em ler mais de seu trabalho, o que pretendo fazer no futuro.

Por Breno Sales.

Sobre o autor

Sobre o autor

ZYGMUNT BAUMAN (1925-2017) foi o grande pensador da modernidade. Perspicaz analista de temas contemporâneos, deixou vasta obra — com destaque para o best-seller Amor líquido. Professor emérito das universidades de Varsóvia e de Leeds, tem mais de quarenta livros publicados no Brasil, todos pela Zahar. Bauman nasceu na Polônia e morreu na Inglaterra, onde vivia desde a década de 1970.

© all rights reserved
made with by templateszoo