companhia das letras

[RESENHA] Espumas flutuantes, Castro Alves

sexta-feira, 24 de setembro de 2021

/ by Vitor Zindacta



O maior poeta do romantismo brasileiro foi Castro Alves, sua obra de maior importância foi ‘’Espumas Flutuantes’’ que contém 54 poemas. Em seus poemas, destaca-se muito a presença de sentimentalismo. Tendo como exemplo o meu favorito: ‘’O laço de fita’’ que compara a sua amada a um anjo. A citação que mais me agradou foi: ‘’ Não sabes crianças? 'Stou louco de amores... Prendi meus afetos, formosa Pepita. Mas onde? No templo, no espaço, nas névoas?! Não rias, prendi-me. Num laço de fita. Meu ser, que voava nas luzes da festa, Qual pássaro bravo, que os ares agita, Eu vi de repente cativo, submisso. Rolar prisioneiro. Num laço de fita.’’
Alguns de seus poemas remetem muito ao tema de morte, que fora muito utilizada pelos poetas da segunda geração romântica. Exemplo: ‘’ Mas uma voz responde-me sombria: / Terás o sono sob a lájea fria”. A visão melancólica, a saudade e a infância também fazem parte de um dos seus 54 poemas. Em sua poesia ‘’O livro e a América’’ o poeta exaltada acultura.

Castro Alves ficou conhecido como ‘’o poeta dos escravos’’ graças aos seus poemas com temas abolicionistas. Seus textos convidam-nos a descer às senzalas. Suas escritas aparecem diversas vezes à retórica, o excesso de pontos de exclamações, o uso contínuo de três pontos e imagens grandiosas. ‘’Pertence à terceira geração da poesia romântica brasileira, correspondente ao final do ciclo romântico e às primeiras manifestações da estética realista entre nós. Sua obra se insere no romantismo combativo, de defesa das liberdades, tópico que marcou o movimento desde os seus primórdios. ’’
O que mais me chamou a atenção em seus poemas foi à capacidade que tem Castro Alves de envolver o leitor fazendo com que isso enriquecesse seus textos, o autor falava muito de amor. Ouso contínuo de pontos de exclamações, travessões, três pontos e hipérboles fizeram com que desse a impressão de que ele clamava seus versos em cima de um palco, faz a poesia se aproximar do discurso. A linguagem utilizada é bastante rebuscada, mas pelo contexto pode-se ter noção do que quer dizer.

Existiram poemas que não entendi com clareza, um deles foi: ‘’Preservando’’ por conter um tema que parece não fazer sentido com o que vem a ser escrito, principalmente a parte: ‘’ Por que espantas-te, amigo, se tua fronte. Já de raios pejada, choca a nuvem?... Se o réptil em seu ninho se debate?... É teu folgar primeiro... é tua festa!... Águias! P'ra vós cad'hora é uma tormenta, Cada festa um combate!... Radia!... É tempo!... E se a lufada erguer-se. Muda a noite feral em prisma fúlgido! De teu alto pensar completa a lei!... Irmão!—Prende esta mão de irmão na minha!. . .Toma a lira—Poeta! Águia!—esvoaça! Sobe, sobe, astro rei! . . De tua aurora a bruma vai fundir-se. Águia! faz-te mirar do sol, do raio; Arranca um nome no febril cantar. Vem! A glória, que é o alvo de vis setas, É bandeira arrogante, que o combate. Embeleza ao rasgar.’’

Em seu poema: ‘’ A Duas Flores’’ foi o que mais tive facilidade em entender seus duplos sentidos. A citação que mais me agradou foi: ‘’ Unidas, bem como os prantos, Que em parelha descem tantos. Das profundezas do olhar... Como o suspiro e o desgosto, Como as covinhas do rosto, Como as estrelas do mar.’’ Tal texto fala sobre o amor, a união e faz diversas comparações. Em meu ponto de vista, Castro Alves foi um dos maiores autores românticos existentes, seus poemas provocam efeitos que podem emocionar tanto quanto fazer sorrir. O livro foi lido em cinco dias, contendo 137 páginas e 54 poemas, em especial dois me marcaram muito: ‘’Laço de fita’’ e ‘’A duas flores’’.

Postagem mais recente
Next Story Postagem mais antiga Página inicial
siga-nos no Instagram: @postliteral
Leia[+]
© all rights reserved
made with by templateszoo