companhia das letras

Resenha: A Arte da Guerra, de Sun Tzu.

quinta-feira, 26 de agosto de 2021

/ by Vitor Zindacta

ISBN-13: 9788594318596
ISBN-10: 8594318596
Ano: 2019 / Páginas: 160
Idioma: português
Editora: Principis

"A Arte da Guerra", de Sun Tzu, é o livro definitivo sobre estratégia militar e táticas para vencer. A sabedoria de Sun Tzu foi elogiada por Napoleão Bonaparte e Ulysses S. Grant e ainda é lida pelos generais hoje. Este livro é o guia definitivo para quem deseja ter sucesso, seja nos negócios, nos esportes ou na vida em geral.


Sun-tzu escreveu A Arte da Guerra durante o século VI aC. O livro contém 13 capítulos, cada um dedicado à faceta da guerra.

Podemos julgar a grandiosidade de A Arte da Guerra com base no fato de que ainda mantém seu valor hoje. Além de seu valor histórico para os historiadores, o livro ainda retém surpreendentemente todo o seu valor em sua capacidade de aconselhar o leitor, porque pode-se aplicar a sabedoria a mais do que militarismo arcaico. Por exemplo, em A Arte da Guerra, Sun-tzu diz: "A melhor vitória é quando o oponente se rende por conta própria antes que haja qualquer hostilidade real ... É melhor vencer sem lutar." Embora Sun-tzu quisesse dizer isso no contexto da estratégia militar, esse conselho se aplica a todos os conflitos e "lutar" pode significar mais do que apenas violência.

A maneira como a sabedoria pode ser aplicada à vida de civis comuns no mundo moderno exemplifica o livro como um todo. Sun-tzu significava os escritos para guiar a estratégia militar na China antiga, mas a sabedoria extraordinária usada para criar sua filosofia pode servir para a vida não violenta de civis modernos. Em outras palavras, os leitores podem facilmente interpretar os pontos do livro como metáforas, embora Sun-tzu os quisesse dizer literalmente.

Os homens de negócios, especialmente, podem usar os ensinamentos de A Arte da Guerra, porque a competição entre as empresas modernas no mundo corporativo reflete a competição entre os antigos militares. Eles até se consomem de maneiras análogas. Nações inimigas são sintetizadas depois que uma derrota a outra militarmente, e hoje as corporações concorrentes se fundem quando uma compra a outra.

Em suma, com A arte da guerra, Sun-tzu produziu uma ótima leitura que oferece sabedoria na forma de estratégia militar que pode ser aplicada aos obstáculos, objetivos e conflitos diários da vida.

"Um líder lidera pelo exemplo, não pela força." - Sun-tzu

"É dito que se você conhece seus inimigos e conhece a si mesmo, você não estará em perigo em uma centena de batalhas; se você não conhece seus inimigos, mas conhece a si mesmo, você ganhará um e perderá um; se você não conhecer seus inimigos nem a si mesmo, você estará em perigo em cada batalha. " -Sun-tzu

Quotes desta obra:

Portanto, quando somos capazes de atacar, devemos parecer incapazes; ao usar nossas forças, devemos parecer inativos; quando estamos perto, devemos fazer o inimigo acreditar que estamos longe; quando longe, devemos fazê-lo acreditar que estamos próximos. Se seu oponente for de temperamento colérico, procure irritá-lo. Finja ser fraco, que ele pode se tornar arrogante.

Se seu oponente for de temperamento colérico, procure irritá-lo. Finja ser fraco, para que ele se torne arrogante. Ataque-o onde ele não está preparado, apareça onde você não é esperado.

Ou seja, com rapidez. Só quem conhece os efeitos desastrosos de uma longa guerra pode perceber a suprema importância da rapidez em encerrá-la. Os soldados capturados devem ser tratados com bondade e mantidos.

A regra é não sitiar cidades muradas se isso puder ser evitado.

Pois o sábio se deleita em estabelecer seu mérito, o valente gosta de mostrar sua coragem na ação, o avarento é rápido em aproveitar as vantagens e o estúpido não tem medo da morte.

Se você conhece o inimigo e conhece a si mesmo, não precisa temer o resultado de uma centena de batalhas. Se você conhece a si mesmo, mas não o inimigo, para cada vitória conquistada você também sofrerá uma derrota.

Se você não conhece nem o inimigo nem a si mesmo, irá sucumbir em todas as batalhas.

Chang Yu disse: "Conhecer o inimigo permite que você tome a ofensiva, conhecer a si mesmo permite que você fique na defensiva." Ele acrescenta: "O ataque é o segredo da defesa; a defesa é o planejamento de um ataque." Seria difícil encontrar um epítome melhor do princípio básico da guerra.
Postagem mais recente
Next Story Postagem mais antiga Página inicial
siga-nos no Instagram: @postliteral
Leia[+]
© all rights reserved
made with by templateszoo