companhia das letras

O poderoso chefão (1972) ► (Resenha)

sexta-feira, 13 de agosto de 2021

/ by Vitor Zindacta


Quando Mario Puzo escreveu “The GodFather” em XX, provavelmente não imaginava que o enredo contido ali iria acabar em um filme que influenciaria todo o cinema, as artes em geral e a cultura mundial por mais de quarenta anos. Apesar de ser um Best-seller, o livro por si só jamais chegaria aonde chegou o filme. A influência e a convergência só se deram a partir da obra prima dirigida por Copolla: comerciais, desenhos animados, seriados, outros filmes, videogames, todos fazendo conexão com as cenas presentes em “The GodFather”. Diferente de outros Best-sellers que viraram campeões de bilheteria, como Harry Potter e The Lord Of The Rings, o livro alimentou o filme com contexto e enredo, mas foi o filme que espalhou a cultura presente nele para o mundo. Dessa forma, o filme é muito mais relevante.

O livro de Mario Puzo apresenta história da família Corleone e não é um livro estritamente cronológico. Cada capítulo é muito bem construído, mas entre um capítulo e outro não necessariamente haverá continuidade da história anterior. Outra grande diferença é a maior participação de personagens secundários, como Johnny Fontane e Lucy Mancini, que no filme quase não aparecem e no livro possuem capítulos inteiros dedicados a eles e à sua trajetória durante a trama. Alguns capítulos do livro, cortados do filme original, mais tarde foram anexados ao segundo filme. Esses capítulos falavam da infância e adolescência de Vito Andolini ao chegar à América, a mudança de seu nome para Vito Corleone e o desenvolvimento de seus negócios até se tornar um poderoso mafioso de Nova York. Os acontecimentos do terceiro filme são quase todos novos; cabe ressaltar que esse terceiro é considerado pela maioria das pessoas o menos impactante da trilogia de filmes.

Influenciado por livro e filmes, em 2006 foi lançado “The GodFather – the game”, um jogo para diversas plataformas que permitiu uma interação diferente, possibilitando adentrar no mundo da família Corleone, Apesar de o jogo ser baseado no filme, suas histórias são um pouco diferentes. No jogo, o personagem principal é Aldo Trapani, cujo pai foi assassinado a serviço de Don Corleone por uma família rival, os Barzini, quando Aldo era ainda um menino. Vários anos depois, a mãe de Aldo pede ao Don a proteção de seu filho e este envia Luca Brasi para recrutar Aldo como "soldado" da família Corleone. Assim o jogador controla Aldo em diversas missões pela família e contra as famílias rivais - os Barzini, os Tattaglia, os Cuneo e os Stracci -, sendo algumas baseadas no filme - como a parte em que se coloca a cabeça de cavalo na cama de Jack Woltz - e algumas criadas para o jogo. No final do jogo, quando o jogador já fez todas as missões e "destruiu" todas as famílias rivais, Aldo Trapani se torna o novo Don da família Corleone - diferente do filme, onde Michael Corleone vira o novo Don. Apesar das diferenças claras, assim como na mudança do livro para o filme, o enredo não se altera.

Um exemplo dessa semelhança é a clássica cena por Peter Clemenza em “O Poderoso Chefão” – leave the gun, take the cannoli. Ela foi usada tanto no no jogo quanto no filme de maneiras bem semelhantes. No livro, porém, a cena ocorre sem a frase de clemenza.

JOGO
www.youtube.com/watch?v=YTuxDwSqnNQ&feature=relmfu
FILME
http://www.youtube.com/watch?v=AjIxolCExyI
LIVRO

(...)Novamente na viagem de volta para Long Beach nada se conversou, Na
reta da estrada que vai dar na cidade, Clemenza disse de repente:
— Paulie, encoste o carro aí, preciso dar uma mijada.
Por trabalharem juntos há tanto tempo, Gatto sabia que o gordo
caporegime tinha uma bexiga fraca. Havia feito várias vezes esse pedido. Gatto
desviou o carro para fora da estrada conduzindo-o para a terra mole que levava
até o pântano. Clemenza saltou do carro e deu alguns passos em direção ao
mato. Ele realmente urinou. Depois, quando abriu a porta para entrar novamente
no carro, deu uma rápida olhada para a frente e para trás da rodovia. Não havia
luzes, a estrada estava completamente escura.
— Mete os peitos — disse Clemenza.
Um segundo depois, no interior do carro ecoava o disparo de um revólver.
Paulie Gatto pareceu saltar para a frente, seu corpo atirando-se sobre o volante e
depois caindo bruscamente sobre o assento. Clemenza recuou rapidamente para
evitar que fosse atingido por fragmentos de osso de crânio e sangue.
Rocco Lampone saiu arrastando-se do banco traseiro. Ainda segurava o
revólver, e o jogou no pântano. Ele e Clemenza caminharam apressadamente
para um carro estacionado nas proximidades e entraram nele. Lampone procurou
embaixo do assento e encontrou a chave que havia sido deixada para eles. Deu
partida no veículo e levou Clemenza para casa. Depois, em vez de voltar pelo
mesmo caminho, tomou a estrada de Jones Beach através da cidade de Merrick e
seguiu pela Meadowbrook Parkway até chegar à Northern State Parkway.
Atravessou a autopista de Long lsland e depois continuou até a Whitestone Bridge
e através do Bronx até a sua casa em Manhattan.(...)

Outra cena clássica retratada em diversas outras situações e que está contida em livro, filme e jogo é a cena da "cabeça de cavalo", um ato de intimidação levado a cabo por ordem de Corleone, para assegurar que Fontane teria parte num filme. O produtor, que antes acusara Fontane de ter arruinado uma mulher na qual ele estava interessado, acorda com a cabeça arrancada de seu cavalo premiado em sua cama.

JOGO
http://www.youtube.com/watch?v=9OQ5bQJHE0E
FILME
http://www.youtube.com/watch?v=VC1_tdnZq1A
LIVRO

(...)Naquela terça-feira, por algum motivo, acordara cedo. A luz da manhã
tornava seu enorme quarto tão embaçado quanto uma campina enevoada. A certa
distância no pé de sua cama, estava uma coisa de forma familiar, e Woltz moveuse
com dificuldade apoiado nos cotovelos para conseguir uma visão mais clara.
Tinha a forma de uma cabeça de cavalo. Ainda tonto, Woltz estendeu a mão para
alcançar a lâmpada de cabeceira e acendeu-a.
O choque do que viu tornou-o fisicamente doente. Parecia que um grande
martelo o havia atingido no peito, o seu coração começou a bater estranhamente e
ele sentiu náuseas. O seu vômito respingou no tapete de gosto grosseiro.
Separada do corpo, a sedosa cabeça preta do grande cavalo Khartoum
estava colada num espesso coágulo de sangue. Viam-se-lhe os tendões brancos
e delgados. Espuma cobria-lhe o focinho, e seus olhos grandes como maçãs que
haviam brilhado como ouro se apresentavam manchados, lembrando uma fruta
podre, de sangue morto, em conseqüência da hemorragia. Woltz foi atacado por
um terror puramente animal, e sob o efeito desse terror, gritou pelos criados, em
seguida, telefonou para Hagen, fazendo ameaças descontroladas. Seu delírio
insano alarmou o mordomo, que telefonou para o médico particular de Woltz e
para o seu substituto eventual no estúdio. Mas Woltz recuperou os sentidos antes
de eles chegarem.(...)

A comparação do acontecimento nas três mídias é perfeita para caracterizar a transição de enredo. As três histórias são diferentes, porém, o enredo em que elas se passam é o mesmo e a cultura que se criou no livro de Puzo sofreu um processo antropofágico, por Copolla no filme e pela Eletronic Arts no jogo. Curiosamente, o diretor do filme, Francis Ford Coppola, disse em uma entrevista que não sabia do jogo até que a Paramount cedeu os direitos à Electronic Arts, e que acha o jogo um erro, no qual se desviaram muito do filme.
A influência de “O Poderoso Chefão” na cultura popular é vasta. Além das clássicas falas que viraram “memes” e foram incorporadas ao comportamento pessoal, inúmeros elementos da trama foram mercantilizados ou mesmo utilizados como fonte de inspiração direta. Mantendo-se apenas nas clássicas passagens do cavalo premiado e do cannoli, são inúmeras a referências em anúncios, camisas, almofadas, memes e campanhas publicitárias.

”Leave the Gun Take the Cannoli.” Anuncio de um grande doceria em Nova York usando a frase do fime.

Mais um anúncio de uma loja de doces com a mesma frase.

Meme criado a partir da frase.

Almofada em forma de cabeça de cavalo, à venda na internet.

Cena do seriado How I met Your Mother, uma clara referência a “O poderoso Chefão”, na cena, Lily( ) arranca a cabeça do cavalo de pelúcia de seu aluno Johnny Marley’s como forma de fazê-lo ficar quieto.
Além das cenas já discutidas, sem dúvida a cena inicial do primeiro filme, em que Don Corleone, vivido por Marlond Brando, conversa com Bonasera, um padeiro que pede a Corleone justiça contra um jovem que havia espancado sua filha, é uma das mais aclamadas da história do cinema. Dela se originam menções em estampas de camisas, seriados, memes e muitas outras coisas.

Cartaz de restaurante usando a fala de Corleone na propaganda, o nome do restaurante inclusive é inspirado diretamente na obra.

Uma das inúmeras camisas que usam o Don na cena.
Seriado “Me Wife and Kids” em uma referência direta à cena.
http://www.youtube.com/watch?v=Id_b6-7Axq0
Uma das grandes séries dos últimos 20 anos, a animação produzida pela FOX “The Simpsons” traz uma grande lista de referência ao filme “O Poderoso Chefão”: até a 22ª temporada foram doze referências claras. O cirado da animação, Matt Groening já se declarou grande fã do filme e do livro e se disse inspirado em muitas situações deles para criar os episódios de Os Simpsons.
Postagem mais recente
Next Story Postagem mais antiga Página inicial
siga-nos no Instagram: @postliteral
Leia[+]
© all rights reserved
made with by templateszoo