O Vermelho e o Negro: Uma Obra-Prima Atemporal de Stendhal

Foto: Arte digital


APRESENTAÇÃO

O vermelho e o negro conta a história de Julien Sorel, um jovem pobre e talentoso que, nos convulsivos anos de 1830, deixa para trás sua origem provinciana para circular entre as altas esferas da sociedade parisiense.
Mas o passado é traço difícil de apagar, e tão fortes quanto a determinação de Julien são as paixões que o dominam: o jovem tenta sufocar lembranças pessoais e a admiração ardente que nutre por Napoleão, figura non grata nos salões burgueses da Restauração, mas o faz em vão.
Crônica mordaz de seu tempo e romance inaugural do gênero psicológico, não é à toa que esta obra cumpriria à risca o destino vaticinado por seu autor, vindo a ser compreendida apenas muitos anos após sua publicação.


RESENHA

Foto: Arte digital



Henri Beyle, também conhecido como Stendhal, via seus romances como bilhetes de loteria, buscando encontrar leitores no futuro. Le Rouge et le Noir, publicado em 1830, acabou por se tornar um sucesso, com destaque em retratos oficiais e inspirando ópera rock e balé. Nascido em uma família rica em Grenoble em 1783, Stendhal foi testemunha das repercussões da Revolução Francesa e participou das campanhas de Napoleão Bonaparte. Seu foco na busca pela felicidade foi evidente em sua escrita e vida, mostrando-se sensível e reservado após sua morte.

Este romance francês, escrito há quase duzentos anos por Stendhal, é um dos poucos livros que me envolveram tanto. O envelhecimento do autor tem sido realmente notável, já que a leitura deste romance é simplesmente cativante: com capítulos curtos, prosa descomplicada e um enredo que mantém o leitor constantemente intrigado. O fato de o romance não ter sido muito apreciado durante a vida de Stendhal mostra como o gosto literário mudou ao longo do tempo. É difícil dizer se essa mudança foi para melhor, mas pelo menos agora podemos apreciar a obra-prima do autor.

Para mim, a característica mais marcante de Stendhal é a interação entre o idealismo romântico e o realismo desanimador em suas obras. Assim como seu contemporâneo Balzac, Stendhal retrata o mundo de forma minuciosa. Cada personagem, cena e situação são cuidadosamente realistas. Apesar de não ser um romance político, Stendhal consegue pintar um retrato sutil e convincente da sociedade de sua época, incluindo a dinâmica entre as províncias e Paris, os conflitos políticos entre liberais e monarquistas, e as relações entre camponeses, clero e a antiga aristocracia. Seus personagens, embora únicos, também representam tipos reconhecíveis que ele usa para analisar e explorar as realidades sociais da época.

Por outro lado, a famosa agudeza psicológica de Stendhal atua como contrapeso ao detalhe excessivo, transformando o que poderia ser um estudo social datado em uma história emocionante de importância universal. Para o protagonista, Stendhal cria Julien Sorel - apaixonado, brilhante, teimoso, ingênuo, calculista, ambicioso e evidentemente inadequado para sua posição social.

Como um liberal, Stendhal poderia facilmente ter escrito uma história moral sobre o destino de um homem talentoso nascido em meios desfavorecidos, sem oportunidades para progredir. Esta é exatamente a situação de Julien Sorel. No entanto, ao invés disso, Stendhal nos apresenta um personagem imperfeito e complexo, muito mais intrigante. Ele não apenas retrata as dificuldades impostas pela sociedade, mas também como ela influencia a mente e a psique de Julien de maneira sutil.

Privado de qualquer motivação externa, a força motriz de Julien deve vir da ambição mundana e do orgulho egoísta. Como seu único caminho para o progresso é através daqueles que ele despreza - o clero e a aristocracia - Julien deve ser enganoso, hipócrita e sempre cauteloso. Suprimindo constantemente suas próprias emoções e frequentemente agindo contra suas inclinações, sempre que Julien experimenta um pouco de gentileza, amor ou felicidade, ele perde o controle e ameaça desfazer tudo o que sua sutilidade calculada havia alcançado.

Esse retrato psicológico é executado com tanta perfeição que ao mesmo tempo sentimos simpatia, torcemos e enxergamos através de Julien Sorel. Ele é extraordinário, mas dolorosamente confinado por seu entorno. Sua tragédia é que as circunstâncias privaram o mundo do que ele poderia ter sido se tivesse nascido em uma época e lugar diferentes. O fato de Stendhal ter conseguido criar, ao mesmo tempo, um conto de moralidade universal, um esboço realista da sociedade, um estudo psicológico vívido e um romance emocionante - completo com uma história de amor passional - tudo na prosa mais simples, é uma prova da habilidade do autor. Alta arte.

Em "O Vermelho e o Negro", Stendhal conseguiu criar uma obra-prima que transcende gêneros e épocas, retratando de forma brilhante a complexidade da natureza humana. Sua habilidade em combinar idealismo romântico com realismo desanimador resulta em um retrato sutil e convincente da sociedade de sua época. A agudeza psicológica com a qual ele descreve o protagonista Julien Sorel é extraordinária e nos faz sentir empatia e torcer por ele, ao mesmo tempo em que enxergamos suas limitações. Stendhal demonstra uma maestria indiscutível ao criar um conto de moralidade universal, um estudo social realista e um romance emocionante, tudo em uma prosa simples e envolvente. A capacidade do autor de nos transportar para o mundo de suas personagens é verdadeiramente impressionante, tornando "O Vermelho e o Negro" uma obra de alta arte e um verdadeiro tesouro da literatura.
© all rights reserved
made with by templateszoo