[RESENHA #942] O caçador da escuridão, de Donato Carrisi

APRESENTAÇÃOMarcus não possui identidade, memória, amor ou ódio. Ele só tem duas coisas: raiva e um talento que faz questão de esconder. Ele é o último dos penitencieiros: um padre com a capacidade de rastrear anomalias e vislumbrar os fios que tecem a trama de cada assassinato. Mas nem todas as tramas podem ser reconstruídas.

Sandra é uma mulher tentando se recompor. Ela também trabalha em cenas de crime, mas, ao contrário de Marcus, não precisa se esconder, apenas atrás das lentes de sua câmera. Sandra é fotógrafa forense, e seu talento é registrar o nada para torná-lo visível. Mas desta vez o nada ameaça engoli-la.

Uma série de mortes acontece em Roma num padrão terrível, mas sedutor. E, cada vez que Marcus e Sandra acham que entenderam parte da verdade, eles descobrem um cenário ainda mais perturbador e ameaçador.

Um novo thriller literário sensacional do autor best-seller de O aliciador e de O tribunal de almasO caçador da escuridão capta a bela atmosfera de Roma e explora seus segredos mais sombrios.

RESENHA 

Viemos ao mundo e morremos esquecidos.

A mesma coisa aconteceu com ele. Ele nasceu pela segunda vez, mas ele teve que morrer primeiro. O preço foi esquecer quem ele era. eu não Eu existo, ele repetia para si mesmo, porque era a única verdade que ele conhecia.

A bala que perfurou sua têmpora havia tirou o passado e, com ele, sua identidade. No entanto, não fez nada os centros gerais de memória e linguagem, e – estranhamente – ele falava vários línguas. Esse talento singular para línguas era a única coisa certa sobre si mesmo.

Enquanto, em Praga, esperava numa cama de hospital por para descobrir quem ele era, ele acordou uma noite e o encontrou ao lado da cama um homem de aparência suave, com cabelo preto repartido parte e o rosto de um menino. Ela sorriu para ele, proferindo apenas uma frase.

“Eu sei quem você é.”Essas palavras deveriam tê-lo libertado, mas em vez disso foram apenas o prelúdio para um novo mistério.

Marcus possui um dom singular, ou talvez seja uma maldição. Ele tem a habilidade de enxergar o mal disfarçado na aparente normalidade da vida cotidiana, captando perturbações quase imperceptíveis. Ele chama essas perturbações de "anomalias". Marcus consegue se conectar com os criminosos a ponto de interpretar sua psicologia com base nos detalhes dos locais dos crimes, revelando significados ocultos para os outros.

Marcus é membro de uma instituição prisional que está sendo investigada pela Igreja. Nessa instituição, encontra-se o maior arquivo de crimes da história humana. Entre todos os tipos de crimes, ele se concentra naquele que envolve um mal absoluto, um pecado mortal, a personificação do diabo. Há tantas maneiras de tentar expressar algo tão elusivo e assustador: o mal intrínseco à alma humana.

Mas, quem é de fato Marcus?

Existe um lugar onde o mundo da luz se encontra com aquele da escuridão. É onde tudo acontece: na terra das sombras, onde tudo é rarefeito, confuso, incerto. Você foi um guardião colocado para defender isso limitar. Porque de vez em quando alguma coisa acontece. Sua tarefa era mande-o de volta.

Há muito tempo você fez um juramento: ninguém o fará saiba da sua existência. Nunca. Você só poderá dizer quem você é a tempo ocorre entre o relâmpago e o trovão.

Você é o representante máximo de uma ordem sagrada. A penitenciária. Você esqueceu o mundo, mas o mundo também se esqueceu de você. Mas era uma vez, as pessoas chamavam vocês de caçadores das trevas.

Ele é conhecido como o caçador das trevas. No começo do romance, ele recebe o chamado para investigar o brutal assassinato de uma freira em uma floresta no interior do Vaticano. Marcus, também conhecido como o "penitencieiro", é identificado por figuras influentes do Vaticano como o indivíduo ideal para perseguir o mal onde quer que ele se esconda. A partir daí, desenrola-se uma história repleta de reviravoltas e segredos terríveis.

A investigação de Marcus começa nos jardins do Vaticano, onde uma freira é encontrada desmembrada. Durante suas investigações, ele se depara com outros crimes macabros, como o ataque a casais com rituais bárbaros e incompreensíveis. A tensão emocional é sempre alta, não há momentos de pausa e a cada capítulo surgem novas reviravoltas e mistérios.

Um objeto estranho é descoberto na cena do crime simbólico: uma boneca feita de sal. A emocionante história continua delineando a identidade do assassino, um louco homicida que "se não for detido, não Vai parar." Marcus, portanto, continua o suas investigações nas sombras, convencendo-se de que o assassino mata "por necessidade". Para entender e descobrir o que está por trás do massacre, precisaremos nos aprofundar mistérios obscuros. 

O leitor, lendo Carrisi, deve libertar sua mente de tudo limitação, deve aceitar pistas contínuas que mostram cada vez mais cenários perturbador e ameaçador. Você terá que, com fé, aceitar a existência do Instituto Hamelin, onde as crianças que mataram ou foram levadas eles mostraram tendências homicidas marcantes. Será uma instituição de saúde, de reeducação? Não! O objetivo do instituto é selecionar e apoiar os a criança mais “criminosa”, “mais perversa”.  

O monstro narra, através dos crimes, uma história conto. Seu impulso assassino tem um propósito, precisa de público, sim expressa através de figuras antropomórficas. Conheceremos a criança salgada, a filho da luz, filho do fogo, homem com cabeça de lobo. O que eles representam? São símbolos do Mal, estão ligados a eventos criminosos através do qual eles contam seu próprio conto de fadas pessoal, onde nem todos os homens eles apoiam os “mocinhos”, muitos estão do lado dos bandidos. Ontem como hoje, o homem sempre adorou a violência: no passado, os cidadãos do Coliseu acompanharam, com grande participação, o espetáculo dos gladiadores que eles se mataram. Hoje, com a mesma morbidade, são muitos os que seguem a eventos de notícias criminais.

Marcus tentará, e nós com ele, lutar contra o Mal, vivendo suas próprias esperanças e medos. Será impossível se desvencilhar este livro até que, num crescendo de tensão, você chega ao último linha. Mas mesmo depois de ler o final, envolvente e inesperado, há você perceberá que a palavra “fim” perde, com Carrisi, seu significado: O mal só perdeu uma batalha, não a guerra. Ao longo da história, outros personagens entram em cena, como uma jovem fotógrafa forense policial, seu namorado ingênuo e um oficial russo com um filho vítima da loucura de seu pai. Marcus se vê envolvido em um emaranhado de situações obscuras, sem saber ao certo quem está por trás das missões que lhe são atribuídas.

A última aventura do penitencieiro revela uma verdade surpreendente, tanto dentro como fora dos muros do Vaticano. Durante uma viagem à África, ele descobre revelações chocantes que colocam em xeque a existência do bem sem o mal. O autor revela em entrevista que algumas referências históricas do romance são verdadeiras e que existem arquivos secretos no Vaticano inacessíveis ao público.

Apesar de apresentar momentos fictícios e caricatos, a narrativa de Carrisi possui um ritmo envolvente e momentos de suspense bem construídos. O autor não se aprofunda nos aspectos psicológicos dos personagens, focando mais no desenvolvimento da trama e na interligação das investigações. No entanto, ele demonstra meticulosidade ao encaixar todas as peças do quebra-cabeça, utilizando recursos visuais, como listas de elementos encontrados nas cenas dos crimes.

Um livro incrível para nos acompanhar em todos os momentos.

Postar um comentário

Comentários