[RESENHA #797] Grande sertão: Veredas, de Guimarães Rosa

Grande sertão: veredas é um romance publicado em 1956 pelo escritor mineiro João Guimarães Rosa (1908-1967), considerado um dos mais importantes da literatura brasileira e universal. A obra faz parte da terceira fase do modernismo, caracterizada pela experimentação linguística e pela abordagem de temas existenciais.

O livro narra a vida de Riobaldo, um ex-jagunço que conta suas aventuras, seus conflitos, seus amores e suas angústias ao longo de uma extensa conversa com um interlocutor desconhecido. Riobaldo vive no sertão, um espaço geográfico e simbólico que representa o cenário das lutas entre os bandos de jagunços, mas também o palco das reflexões sobre o bem e o mal, o destino e a liberdade, Deus e o diabo.

A obra se destaca pelo estilo inovador de Guimarães Rosa, que cria uma linguagem própria, baseada na oralidade, na inventividade, no uso de arcaísmos, neologismos, regionalismos e estrangeirismos. O autor também explora os recursos sonoros, rítmicos e imagéticos da língua, criando uma prosa poética de grande beleza e expressividade.

Os principais personagens do romance são Riobaldo, o protagonista e narrador; Diadorim, seu amigo de infância e grande amor, que esconde um segredo; Joca Ramiro, o chefe dos jagunços que representa a honra e a justiça; Hermógenes, o inimigo de Riobaldo e Joca Ramiro, que encarna o mal; Medeiro Vaz, o sucessor de Joca Ramiro e mentor de Riobaldo; e Zé Bebelo, o fazendeiro que se rebela contra os jagunços e depois se alia a eles.

O romance é repleto de ensinamentos, que podem ser extraídos das falas de Riobaldo, das histórias que ele conta, das citações que ele faz de autores clássicos e populares, e das metáforas que ele usa para ilustrar suas ideias. Alguns exemplos de citações marcantes são:

- "Viver é muito perigoso..."

- "O diabo na rua, no meio do redemunho..."

- "O senhor sabe o que o silêncio é? É a gente mesmo, demais."

- "O sertão é do tamanho do mundo."

- "Amigo, para mim, é só isto: é a pessoa com quem a gente gosta de conversar, do igual o igual, desarmado. O de que um tira prazer de estar próximo."

O romance também é rico em simbologia, que pode ser percebida nos nomes dos personagens, nos animais, nas plantas, nas cores, nos números, nos gestos, nos objetos, nos rituais, nos mitos e nas lendas que compõem o universo sertanejo. Por exemplo, o nome Riobaldo remete ao rio e ao fogo, elementos que representam a vida e a morte, a purificação e a destruição, a fluidez e a paixão. O nome Diadorim significa "o que atravessa o rio", o que sugere uma travessia, uma transformação, uma passagem de um estado a outro.

O romance também tem uma importância e uma relevância cultural imensas, pois retrata a realidade e a cultura do sertão brasileiro, valorizando a sua diversidade, a sua riqueza, a sua originalidade e a sua resistência. Além disso, o romance dialoga com outras obras da literatura nacional e universal, como Os Sertões, de Euclides da Cunha; Macunaíma, de Mário de Andrade; Dom Quixote, de Miguel de Cervantes; e Fausto, de Goethe.

Guimarães Rosa foi um escritor, médico e diplomata, que nasceu em Cordisburgo, Minas Gerais, em 1908, e morreu no Rio de Janeiro, em 1967. Foi um dos maiores renovadores da literatura brasileira, criando uma obra única e original, que mescla o regional e o universal, o erudito e o popular, o real e o fantástico. Além de Grande sertão: veredas, escreveu outras obras importantes, como Sagarana, Corpo de Baile, Primeiras Estórias e Tutaméia.

Grande sertão: veredas é, sem dúvida, uma obra-prima, que merece ser lida, relida, estudada e admirada por todos os que amam a literatura e a arte. É um livro que nos desafia, nos emociona, nos ensina e nos encanta, com sua linguagem, sua história, seus personagens, seus temas e seus mistérios. É um livro que nos revela o sertão, o Brasil e o mundo, mas também nos revela a nós mesmos, em nossa complexidade e nossa humanidade.

Postar um comentário

Comentários