[RESENHA #703] Mansfield Park, de Jane Austen


Na literatura, esperamos que o herói seja vigoroso, tenha um espírito aventureiro, audácia, bravura, capacidade de superação e uma pitada de imprudência. Ele deve ser ativo, enfrentar obstáculos e afirmar a própria energia. Fanny Price, a heroína de Mansfield Park, é o oposto de tudo isso. Frágil, tímida, insegura e excessivamente vulnerável, a pequena Fanny deixa a casa dos pais pobres para morar com os tios mais afortunados em Mansfield Park. Lá, convive com diversos familiares, mas se aproxima apenas do primo Edmund, seu companheiro inseparável. A tranquilidade de casa, no entanto, é abalada com a chegada dos irmãos Mary e Henry Crawford em uma propriedade vizinha. Edmund se apaixona por ela, enquanto Henry flerta com todas as moças. Mansfield Park é o romance que marca a maturidade de Jane Austen. Apresenta um tom mais contido, sardônico, em comparação com obras idealizadas antes, como Orgulho e preconceito e Razão e sensibilidade. Aqui, mais consciente dos verdadeiros males e sofrimentos inerentes à vida em sociedade, uma das maiores autoras da língua inglesa enaltece, na figura de Fanny, a imobilidade, a solidez, a permanência e a resignação.



RESENHA



“Mansfield Park” de Jane Austen é uma obra que desafia as convenções do romance do século XIX, apresentando uma heroína atípica na figura de Fanny Price. Fanny, uma jovem de origem humilde, é enviada para viver com seus tios ricos em Mansfield Park. Ela é uma personagem complexa e muitas vezes mal compreendida, cuja quietude e modéstia contrastam fortemente com as heroínas mais vivazes de Austen.

A narrativa de Austen é meticulosa e perspicaz, explorando as dinâmicas de classe, moralidade e gênero através de uma lente crítica. A história é rica em detalhes e personagens secundários, cada um com suas próprias falhas e virtudes, contribuindo para a tapeçaria complexa da sociedade retratada.

Um dos aspectos mais controversos do livro é o relacionamento entre Fanny e seu primo Edmund. Embora possa ser desconfortável para alguns leitores modernos, é importante lembrar que o livro foi escrito em um tempo e contexto cultural diferentes.

“Mansfield Park” também se destaca por sua exploração da “economia do casamento”, um tema recorrente nas obras de Austen. Através dos olhos de Fanny, somos levados a questionar as convenções sociais e as expectativas colocadas sobre as mulheres naquela época.

Apesar de algumas falhas percebidas, como um final que parece apressado e a redenção não convincente de certos personagens, “Mansfield Park” é uma leitura fascinante. É uma adição valiosa à coleção de qualquer amante da literatura, oferecendo uma visão única do mundo de Austen.

A história é repleta de reflexões profundas sobre o tempo e as mudanças na mente humana, e como o bom senso sempre prevalece quando realmente necessário. No entanto, o que pode causar desconforto em alguns leitores é a natureza do relacionamento entre Fanny e Edmund. O romance entre primos é um tema delicado, e o fato de Fanny ser, de certa forma, irmã adotiva de Edmund, pode causar desconforto. No entanto, se você conseguir superar esse aspecto, encontrará uma história fascinante.

Fanny, a protagonista, é uma personagem complexa e aberta a várias interpretações. Seus antagonistas, Sr. e Srta. Crawford, são ainda mais interessantes. A história é contada do ponto de vista de Fanny, que julga todos os outros personagens com sua moral inabalável e conduta impecável. Apesar de às vezes cansativas, essas características são preferíveis às de Edmund.

Se você conseguir ignorar o relacionamento entre Fanny e Edmund, encontrará uma história fascinante que gira em torno do casamento e da “economia do casamento”. Austen consegue introduzir uma perspectiva única através de um protagonista silencioso e avaliativo. A história começa com a chegada de Fanny a Mansfield Park e rapidamente avança vários anos, apresentando um conjunto de personagens secundários contrastantes.

No entanto, a história tem suas falhas. A tentativa de redimir Henry Crawford na segunda metade do livro não foi bem-sucedida, e o final da história pareceu apressado. A mudança repentina de opinião de Edmund pareceu uma mudança de paradigma. Apesar dessas falhas, a história é fascinante e vale a pena ser lida.

Em suma, “Mansfield Park” pode não ser o romance mais popular de Austen, mas é certamente um que desafia o leitor a pensar e refletir, tornando-o uma leitura gratificante.

Outras resenhas de Jane Austen que talvez você queira ler:

Orgulho e Preconceito
Amor e Amizade
Sanditon
A abadia de Northanger
Razão e sensibilidade
Emma
Lady Susan
A história da Inglaterra
Os Watson
Persuasão


A AUTORA

Jane Austen nasceu em 16 de dezembro de 1775, em Steventon, na Inglaterra. Teve pouco tempo de educação formal e terminou os estudos em casa. Começou a escrever textos literários por volta dos doze anos de idade. Mas, em vida, seus livros foram publicados de forma anônima, isto é, sem a identificação de sua autoria.


A romancista, que morreu em 18 de julho de 1817, em Winchester, escreveu obras que apresentam marcas de transição entre o Romantismo e o Realismo ingleses. Assim, suas histórias de amor possuem um tom irônico e fazem crítica social. Essas características também estão presentes em um de seus livros mais conhecidos, o romance Orgulho e preconceito.


© all rights reserved
made with by templateszoo