[RESENHA #489] O general em seu labirinto, de Gabriel García Márquez

MÁRQUEZ, Gabriel García. O general em seu labirinto. Rio de Janeiro: Editora Record, 1989.

Neste trabalho, comentarei o livro de Gabriel García Márquez, seu General no Labirinto. É a história dos últimos meses da vida do herói sul-americano Simón Bolívar. O autor mostra todos os sofrimentos do general nos últimos meses de vida, problemas respiratórios, amores e problemas políticos (que se confundem com os seus problemas pessoais) e, por fim, a sua dependência do criado José Palácios. Talvez possamos dizer que este livro visa mostrar que mesmo os contos de fadas têm vidas duras e injustas.

Simón Bolívar, também conhecido como El Salvador, é um dos grandes heróis da liberdade americana: lutou pela liberdade das nações sob o antigo império Nova Granada (Colômbia, Venezuela, parte do Peru), Bolívia, homenageada do Salvador) . Seu principal objetivo é transformar este continente, ou pelo menos a região de Nova-Granada, em um único país. Não conseguiu o que queria, mas nunca deixou de lutar.

García Márquez apresenta um Bolívar contraditório, não só por suas ações, mas também pela forma como as pessoas o percebem: ora é visto como um grande herói, ora como um grande assassino. Compartilhe sua opinião sobre o plano dele para unificar a América; questões políticas envolvendo patriotismo/nacionalismo; um general amado e odiado por seus oficiais; um grande homem, com grandes objetivos, em um corpo pequeno e frágil, cada vez menor com o tempo, até sua morte.

Este personagem é considerado uma das grandes lendas americanas. Para confirmar isso, no entanto, é necessário primeiro discutir o que é um mito e, especificamente, o que é um mito político. Raoul Girardet, em Political Novels and Myths, tem uma discussão interessante sobre esse tema. O autor me disse

“A ficção política é uma conjectura, distorção ou interpretação inaceitável da realidade. Mas, sendo uma história fictícia, é verdade que também tem uma função explicativa, fornece certas chaves para compreender o presente, criando um texto secreto no qual parece ser possível controlar o caos perturbador dos acontecimentos e acontecimentos.".

O autor também notou,

"a impossibilidade, que existe em muitas circunstâncias (e independentemente dos méritos do método de estabelecer a diferença acima), de traçar uma linha precisa entre a ficção e a história da sucessão histórica."

Como essas questões aparecem na história de Simón Bolívar? O romance de García Márquez é uma boa fonte para vermos isso. O general, personagem principal de sua história, está morrendo: seus problemas respiratórios estão piorando, seu corpo está encolhendo e ele não é mais tão popular quanto antes. A história mistura o "presente", no qual a história se passa, a jornada para a morte de Bolívar e o passado, que é reimaginado pelo escritor como os dias gloriosos do Messias.

Em sua última noite na Honda, o General agiu com tanto entusiasmo juvenil e engenhosidade que dissipou os rumores de que ele estava morrendo. Mas ele estava de mau humor e teve que se acalmar durante o intervalo, absorvendo o cheiro do lenço com água de colônia. Depois da meia-noite, quando estava em casa, viu uma bela mulher e o doce perfume da primavera. Era Miranda Lyndsay, que ele conhecera quinze anos antes na Inglaterra. Com base neste livro de memórias, García Márquez relata o tempo de Bolívar na ilha, quando ele escreveu a famosa Carta da Jamaica.

Neste trecho do romance podemos ver uma imagem paradoxal do personagem principal, que não é mais forte, dançando com a habilidade da juventude enquanto ocasionalmente inala o próprio vapor, devido a que enganou aqueles que pensaram que a morte do general estava próxima. Sendo enganado até a morte, ele descobriu seu passado glorioso, quando foi para a Inglaterra para estudar e realizar um plano para libertar a América da Espanha. Um momento de nostalgia, que vem quando algo não faz mais parte do presente, um momento em que você percebe que aqueles dias acabaram e o presente não é bom.

A imagem de Simón Bolívar parece implicar isso: o sonho da glória americana, outrora acreditado por muitos, mas logo desiludido pelo presente, sua única imagem do belo sonho de um grande e único sonho. Nação. À medida que o dia avança, o general empreende uma viagem rumo à morte, como se a sua vida se preocupasse apenas com o sucesso da unificação do continente. 

Salvador é hoje considerada um símbolo da esquerda sul-americana, às vezes confundida com as ideias revolucionárias de Che Guevara em outros países americanos, além de Cuba. Se isso acontecer, é do nosso interesse atual, como diz Girardet:

"Em todo caso, a experiência tem mostrado que cada uma dessas 'constelações' míticas pode emergir de posições muito opostas no horizonte político, que podem ser divididas em 'direita' e 'direita'. 'esquerda', de acordo com a ocasião do vezes.” 

Para uma comparação talvez estranha, Simón Bolívar é o equivalente dos homens "extraordinários" na visão de Raskólnikov, protagonista da obra-prima de Dostoiévski, Crime e Castigo. Durante sua doença pelo assassinato de um agiota idoso, o personagem é questionado sobre seu assunto, sua visão de que o mundo está dividido entre pessoas "comuns" e "extraordinárias". Para explicar melhor, vou dedicar uma palavra a Raskolnikov:

"Eu disse clara e simplesmente que o 'homem extraordinário' tem um direito... que não é um direito legal, mas ele mesmo tem o direito de deixar sua consciência passar... por vários obstáculos, e apenas no caso de matar sua mente (às vezes talvez salvando toda a humanidade) exige isso.”

Este general, comparado ao Napoleão de Miranda, parece se permitir cometer certos crimes, como o assassinato, por exemplo no livro de Dostoiévski, para concretizar sua visão, como fez Napoleão, um dos "homens extraordinários" da Europa. Bolívar não viu limites ou obstáculos intransponíveis para alcançar seus objetivos, mas acabou subestimando seus limites físicos, os limites de seu corpo, e morreu em 17 de dezembro de 1830, vítima de uma tuberculose que os médicos afirmavam ser incurável. amo receitas caseiras e superstições.

"Então ele se abraçou e começou a ouvir as vozes gloriosas dos escravos cantando a salve-rainha às seis horas no celeiro, e viu no céu pela janela o diamante de Vênus se foi para sempre. , neve eterna, a videira cujos sinos de ouro não florescerão no próximo sábado em uma casa fechada de luto, o último lampejo de vida que em muitos séculos se passaram, não se repetirá novamente.”.

Gêneros | Nascimento: 06/03/1927 - 17/04/2014 | Local: Colômbia - Aracataca

Gabriel García Márquez, também conhecido por Gabo, nasceu em 6 de março de 1928, na cidade de Aracataca, Colômbia, filho de Gabriel Eligio García e de Luisa Santiaga Márquez, que tiveram ao todo onze filhos. Logo depois que García Márquez nasceu, seu pai se tornou um farmacêutico. Em janeiro de 1929, seus pais se mudaram para Barranquilla, enquanto García Marquez permaneceu em Aracataca. Foi criado por seus avós maternos, Doña Tranquilina Iguarán e o coronel Nicolás Ricardo Márquez Mejía. Quando ele tinha oito anos, seu avô morreu, e ele se mudou para a casa de seus pais em Barranquilla, onde seu pai era proprietário de uma farmácia.

Seu avô materno Nicolás Márquez, que era um veterano da Guerra dos Mil Dias, cujas histórias encantavam o menino, e sua avó materna Tranquilina Iguarán, exerceram forte influência nas histórias do autor. Um exemplo são os personagens de Cem Anos de Solidão.

Gabriel estudou em Barranquilla e no Liceu Nacional de Zipaquirá. Passou a juventude ouvindo contos das Mil e Uma Noites; sua adolescência foi marcada por livros, em especial A Metamorfose, de Franz Kafka. Ao ler a primeira frase do livro, "Quando certa manhã Gregor Samsa acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se em sua cama metamorfoseado num inseto monstruoso", pensou "então eu posso fazer isso com as personagens? Criar situações impossíveis?". Em 1947 muda-se para Bogotá para estudar direito e ciências políticas na universidade nacional da Colômbia, mas abandonou antes da graduação. Em 1948 vai para Cartagena das Índias, Colômbia, e começa seu trabalho como jornalista.
© all rights reserved
made with by templateszoo