[RESENHA #482]“Moby Dick” de Herman Melville

Moby Dick de Herman Melville é um romance, no qual o narrador, Ishmael, faz amizade com Queequeg, um arpoador dos mares do sul, e juntos procuram uma tripulação baleeira. Eventualmente, eles se juntam ao capitão Ahab a bordo do Pequot. Ishmael logo descobre que Ahab havia perdido a perna e o navio para uma baleia, chamada Moby Dick. O capitão e sua tripulação navegam ao redor do mundo para caçar a baleia por vingança. O livro tem um tema muito profundo e ambicioso, pois Herman Melville aborda muitas controvérsias ao longo de sua escrita, com comentários sutis. Os personagens e o enredo se encaixam perfeitamente e tudo é bem desenvolvido com algum tipo de história de fundo que se estende por todas as suas páginas. 

Este romance de 1851 é considerado por muitos críticos como um dos maiores romances americanos. Alguns até o consideram o maior romance da língua inglesa, independentemente da nacionalidade. Mas é um trabalho intimidador. É do conhecimento geral que a grande tragédia de Melville sobre o capitão baleeiro obcecado em vingar a perna do cachalote albino que a amputou é uma história dilacerante. Mas é também, como se sabe, um livro tremendamente sério, repleto de solilóquios melodramáticos que testam ao limite o vocabulário e a compreensão do leitor.

Moby Dick é uma obra épica da literatura comparável à Ilíada de Homero, ao Rei Lear de Shakespeare e à obra bíblica. É densamente rico em linguagem e estrutura, em caráter e história.

Sua história do homem contra à baleia nunca foi contada de forma tão espetacular. Mas é paralelo a outros esforços de mestres contadores de histórias ao longo dos séculos para retratar pessoas enfrentando questões irrespondíveis da existência.

Como Jó, que luta com a questão de saber por que coisas ruins acontecem a pessoas boas - na verdade, por que há sofrimento no mundo.

Como Lear se enfurecendo contra a decadência corporal, a traição dos outros e ainda mais contra a própria traição de si mesmo.

Aquiles, invencível, luta e morre por causa de um erro fatal. Édipo mata o pai sem saber e faz sexo com a mãe por causa da cegueira com que toda pessoa nasce, a incapacidade de saber tudo, de entender as consequências de seus atos.

Levaria meses, provavelmente anos, para entender totalmente Moby Dick. E só li uma vez.

E como mais obras literárias do que você provavelmente imaginaria, é um romance muito imperfeito. Nunca vi um livro começar com um começo tão vago e nada dramático: páginas e páginas de citações sobre baleias. Em algum lugar no capítulo 3, Melville apresenta um personagem de uma forma que sugere que ele será importante mais tarde; da próxima vez que ele menciona o cara, por volta do capítulo 23, é apenas para admitir que ele não tem importância. É para ser a narrativa em primeira pessoa de um personagem chamado Ismael, mas muitas das cenas mais poderosas e partes do diálogo interior só poderiam ser conhecidas por um narrador onisciente. Na verdade, Ishmael acaba sendo um personagem tão insignificante que, quando ele não está apresentando ensaios de simpósio baseados em sua pesquisa sobre baleias, você quase esquece que ele existe.

Muitos leitores perderam-se durante a narrativa de Moby Dick devido aos muitos capítulos de informações básicas que Ishmael se sente compelido a nos passar sobre baleias e caça às baleias. Eu posso entender que algumas pessoas querem continuar com a história e não querem ter todos esses detalhes. No momento em que o  Pequod  praticamente circunvaga o globo, você sente que percorreu todo o mundo do conhecimento relacionado às baleias: sua anatomia, seus hábitos sociais e a anatomia e hábitos sociais dos navios que os caçaram.

A escrita é alternadamente irônica, séria, violenta e terna. Por um lado, há o famoso Massacre dos Tubarões (Capítulo 66), onde Melville tece uma imagem de tubarões realmente devorando uns aos outros em sua loucura - realismo incrível e extremamente violento. Mesmo os capítulos descritivos aparentemente secos costumam ter um alto grau de ironia, como a afirmação de que reis e rainhas foram todos coroados com óleo de baleia (capítulo 25). Tudo isso dá a Moby-Dick uma certa textura única e parece indispensável para a majestade geral do livro.

O que eu amei neste livro: a atmosfera, os detalhes excruciantes, a variedade de diálogos... você sente que também está no convés do Pequod quando Starbuck e Ahab conversam... A nítida paixão do narrador, Ismhael, com Queequeg é notável, as cenas que se seguem entre ambos carregam uma paixão sexualizada forte e densa. A princípio, achei que estava "viajando na maionese", até decidir pesquisar por conta própria e descobrir que Melville e Nathaniel Hawthorne, famoso por Scarlet Letter e a quem Moby-Dick é dedicado, podem ter sido amantes, inclusive, aqui, você confere uma carta escrita por Melville à Nathaniel Hawthorne.

Definitivamente, há algo universal nessa história em que Ahab claramente se sente acima da moralidade e é brutalmente esmagado por seu orgulho. O triste é que toda a tripulação paga o preço final por aderir à sua obsessão. Os dois últimos encontros descritos com outros barcos são magistrais: o contraste com o abandono selvagem do bacharel e a rejeição da desamparada Rachel foram ambos perfeitos para os atos finais desta tragédia.

As estruturas de Moby Dick

A primeira estrutura tem a ver com as duas figuras centrais do livro, o capitão Ahab e a baleia Moby Dick:

  • Seção 1 — Introdução — 101 páginas (25%) — O primeiro quarto da história é contado sem que Ahab apareça.
  • Seção 2 — A Busca — 289 páginas (70%) — Ahab aparece nas páginas do romance pela primeira vez e lidera o Pequod em sua busca pela baleia branca.
  • Seção 3 — A Baleia — 20 páginas (5%) — Moby Dick é localizado por Ahab e a tripulação do Pequod. A perseguição dura três dias com consequências trágicas para todos, exceto um marinheiro derrubado de um barco (Ishmael) e Moby Dick.

A segunda estrutura que notei pode ser vista como uma versão mais detalhada da primeira, mas acho que representa uma organização paralela, mas separada da história.

  • Seção 1 — Introdução — 101 páginas (25%) — O primeiro quarto da história é contado sem que Ahab apareça.
  • Seção 2 — Ahab, Parte Um — 48 páginas (12%) — Esta é uma seção intensa na qual Ismael (e o leitor) vê Ahab pela primeira vez, e é fortemente focada nos pensamentos e ações do capitão.
  • Seção 3 — A Busca, Parte Um — 95 páginas (23%) — Ahab é uma presença forte aqui, mas, em mais da metade das páginas (53), ele não é mencionado. Em vez disso, muito espaço é ocupado pelo que eu chamaria de ensaios de Melville sobre vários aspectos da caça às baleias, como a representação de baleias em pinturas e desenhos.
  • Seção 4 — A Busca, Parte Dois — 92 páginas (22%) — Aqui, Ahab recuou ainda mais nas sombras, aparecendo em apenas 16 das páginas. O restante desta longa seção é retomado com outros ensaios de Melville em capítulos como “Ambergris” e “The Cassock”.
  • Seção 5 — Ahab, Parte Dois — 52 páginas (13%) — De repente, na página 339, Ahab está de volta e, no resto do romance, ele está na frente e no centro, dominando a cena, ditando a ação até seu confronto final com a baleia.
  • Seção 6 — Ahab e Moby Dick — 20 páginas (5%) — A Baleia Branca faz sua primeira aparição, enfrentando Ahab e levando o romance a uma conclusão estrondosa.
O livro também pode se dividir em uma outra categoria de estruturas, que são, em sua maioria, recursos utilizados pelo autor durante a escrita de sua obra. Nota-se então o emprego de diversos tipos de escrita, usando recursos poéticos, monólogos, ensaios, citações bíblicas, shakesperianas, dentre outros.

Enfim, saí de minha leitura de Moby Dick com o desejo de refazê-las diversas vezes, até que eu consiga entender em sua grandiosamente e plenitude. Um livro arrebatador.

-

O AUTOR

Gêneros Romance, Poesia | Nascimento: 01/08/1819 - 28/09/1891 | Local: Estados Unidos - Nova Iorque

Herman Melville foi o terceiro filho de Allan e Maria Gansevoort Melvill (que posteriormente acrescentaria a letra "e" ao sobrenome). Quando criança, Melville teve escarlatina, o que afetou permanentemente sua visão. Se mudou com a família, em 1830, para Albany, onde freqüentou a Albany Academy. Após a morte de seu pai, em 1832, teve de ajudar a manter a família (então com oito crianças). Assim, trabalhou como bancário, professor e fazendeiro. Em 1839, embarcou como ajudante no navio mercante St. Lawrence, com destino a Liverpool e, em 1841, no baleeiro Acushnet, a bordo do qual percorreu quase todo o Pacífico. Quando a embarcação chegou às ilhas Marquesas, na Polinésia francesa, Melville decidiu abandoná-la para viver junto aos nativos por algumas semanas. Suas aventuras como "visitante-cativo" da tribo de canibais Typee foram registradas no livro Typee, de 1846. Ainda em 1841, Melville embarcou no baleeiro australiano Lucy Ann e acabou se unindo a um motim organizado pelos tripulantes insatisfeitos pela falta de pagamento. O resultado foi que Melville foi preso em uma cadeia no Tahiti, da qual fugiu pouco depois. Todos esses acontecimentos, apesar de ocuparem menos de um mês, são descritos em seu segundo livro Omoo, de 1847. No final de 1841, embarcou como arpoador no Charles & Henry, em sua última viagem em baleeiros, e retornou a Boston como marinheiro, em 1844, a bordo da fragata United States. Seus dois primeiros livros lhe renderam muito sucesso de crítica e público e certo conforto financeiro.
Em 4 de agosto de 1847, Melville se casou com Elizabeth Shaw e, em 1849, lançou seu terceiro livro, Mardi. Da mesma forma que os outros livros, Mardi se inicia como uma aventura polinésia, no entanto, se desenvolve de modo mais introspectivo, o que desagradou o público já cativo. Dessa forma, Melville retomou à antiga fórmula literária, lançando duas novas aventuras: Redburn (1849) e White-Jacket (1850). Em seus novos livros já era possível reconhecer o tom visivelmente mais melancólico que adotaria a seguir. Em 1850, Melville e Elizabeth se mudaram para Arrowhead, uma fazenda em Pittsfield, Massachusetts (atualmente um museu), onde Melville conheceu Nathaniel Hawthorne, a quem dedicou Moby Dick, publicado em Londres, em 1851. O fracasso de vendas de Moby Dick e de Pierre, de 1852, fez com que seu editor recusasse seu manuscrito, hoje perdido, The Isle of the Cross.
Herman Melville morreu em 28 de setembro de 1891, aos 72 anos, em Nova York, em total obscuridade. O obituário do jornal The New York Times registrava o nome de "Henry Melville". Depois de trinta anos guardado numa lata, Billy Budd, romance inédito na época da morte de Melville foi publicado em 1924 e posteriormente adaptado para ópera, por Benjamin Britten, e para o teatro e o cinema, por Peter Ustinov.
© all rights reserved
made with by templateszoo