companhia das letras

Resenha: Dom Casmurro, de Machado de Assis

domingo, 8 de agosto de 2021

/ by Vitor Zindacta

ISBN-13: 9788508040810
ISBN-10: 8508040814
Ano: 1997 / Páginas: 223
Idioma: português
Editora: Ática

Machado de Assis (1839-1908), escrevendo Dom Casmurro, produziu um dos maiores livros da literatura universal. Mas criando Capitu, a espantosa menina de "olhos oblíquos e dissimulados", de "olhos de ressaca", Machado nos legou um incrível mistério, um mistério até hoje indecifrado. Há quase cem anos os estudiosos e especialistas o esmiuçam, o analisam sob todos os aspectos. Em vão. Embora o autor se tenha dado ao trabalho de distribuir pelo caminho todas as pistas para quem quisesse decifrar o enigma, ninguém ainda o desvendou. A alma de Capitu é, na verdade, um labirinto sem saída, um labirinto que Machado também já explorara em personagens como Virgília (Memórias Póstumas de Brás Cubas) e Sofia (Quincas Borba), personagens construídas a partir da ambigüidade psicológica, como Jorge Luis Borges gostaria de ter inventado.


RESENHA

A obra de Machado de Assis cujo nome é Dom Casmurro fala sobre um homem, Bento, que faz um livro contando sobre a sua vida, especificamente amorosa, onde fala de forma psicológica fazendo uma retrospectiva ao passado desde a infância até cerca de seus 54 anos de idade.

A história de Bento de Albuquerque santiago ou como é mais conhecido como Bentinho, mora na rua de matacavalos no Rio de Janeiro toda a sua infância, seu pai faleceu quando ainda era muito jovem e vive com sua mãe Dona Maria da Glória Fernandes Santiago, seu tio Cosme e sua tia Justina e o agregado José Dias, todos os irmãos eram viúvos, tanto sua mãe, como seu tio, como sua tia.

Bentinho sempre teve uma amizade muito forte com Capitolina, mais conhecida como Capitu e mora com seus pais o senhor pádua e sua mãe Fortunata; Bentinho e Capitu são amigos de infância e quando o livro se inicia eles possuem 15 e 14 anos respectivamente e começa a florescer entre essa amizade muito forte um romance, porém esse romance era impossível aos olhos da família de Bentinho, pois ao nascer sua mãe havia feito uma promessa que se o seu filho nascesse com saúde ele iria servir à Deus, como padre, pois a mãe de Bentinho já havia perdido seu primeiro filho na gravidez.

Todos sabiam da impossibilidade de Bentinho se relacionar com alguma garota e ao ver seu filho se aproximar de Capitu D. Maria se apressa para leva-lo ao seminário. Bentinho e Capitu começam a se apaixonar até que um certo dia enquanto Bentinho observava os olhos de ressaca e oblíquos de Capitu acabam se beijando e logo depois a mãe de Capitu enta no quarto em que estavam, porém Capitu tinha uma grande habilidade de desfarçar o que estava ocorrendo e agiu naturalmente a frente de sua mãe sendo que enquanto isso Bentinho não conseguia nem se mover de tão nervoso diante daquela situação.

Após o primeiro beijo entre os dois o amor entre eles floresceu e Bentinho se decidiu, mais do que nunca que definitivamente não seria padre, primeirou procurou ajuda de Capitu e depois de José Dias dizendo que gostaria de ser um advogado e que estudaria na Europa, o que era o ponto fraco de José Dias, pois amava as leis e também a Europa, através desse pedido José Dias concorda em tentar ajuda Bentinho, após José Dias, Bentinho procura sua tia Justina que também concorda em lhe ajudar. Porém Bentinho não escuta os adultos que recorre e acaba falando pra sua mãe que não deseja ir para o seminário e ela logo começa a discutir com ele e fala que ele vai sim e ponto final.

Bentinho vai para o seminário e lá conhece Escobar, que acaba virando o seu melhor amigo e depois de um tempo no seminário Bentinho com a ajuda do padre Carlos que diz para sua mãe que se colocar um órfão no lugar de Bentinho para se tornar padre não ocorrerá problema algum, e é o que acontece e Bentinho vai estudar direito na Europa após isso e com 22 anos volta para o Rio de Janeiro, porém, antes de ir, ele e Capitu fazem uma promessa que eles terão que se guardar um para o outro e se casarem. E a promessa é cumprida quando Bentinho volta ao Rio e seu amigo Escobar se casa com Sancha que era amiga de infância de Capitu.

Os dois casais eram muito unidos por suas amizades serem muito fortes e Escobar e Sancha têm seu primeiro filho primeiro que Capitu e Bentinho, depois de um tempo o filho de Capitu e Bentinho nasce, recebendo o primeiro nome de Escobar, cujo era Ezequiel e a amizade entre os casais só aumenta, Escobar vivia na casa de Bentinho e muitas vezes foi pego sozinho em casa com Capitu, uma vez Bentinho foi à uma peça de teatro e voltou antes do termino da peça e quando chegou em casa encontrou Escobar na porta de sua casa e Capitu não tinha ido por dizer que estava doente e ela mesmo afirmou para Bentinho não estar doente, que não queria era ir à peça.

Um tempo depois seu amigo Escobar morre se aventurando no mar forte e no velório de seu amigo Bentinho desconvia de que sua esposa estava o traíndo esse tempo todo, e começa a perceber fatores que comprovam essa traição de capitu, pois ele já havia encontrado Escobar nervoso em sua casa quando chegara e encontrara os dois a sós e Capitu estava a agir naturalmente, igual quando jovem quando algum adulto quase pegava ela aos beijos com Bentinho; Seu filho, Ezequiel era a cara de Escobar, era idêntico e também Escobar vivia na casa de Bentinho sozinho com Capitu. Dentre esses fatores Bentinho começou a acusar Capitu de estar o traíndo com o falecido Escobar, com isso ele tenta matar "seu" filho invenenando sua bebida, porém não possui tamanha coragem de fazer isto.
Bentinho, Capitu e Ezequiel vão para Suíça, para poderem se distanciar um pouco destes fatos e Bentinho se separa de Capitu e volta ao Brasil. Ele recebe diversas cartas de Capitu, carinhosas e tudo mais, porém não responde nenhuma e alguns anos depois seu filho Ezequiel vai visitá-lo e conta que Capitu morreu na Suíça e que estava indo viajar para a Ásia estudar as civilizações antigas e segue sua viagem, um tempo depois Bentinho descobre que seu filho morreu de febre tifóide em fora enterrado em Jerusalém.
Bentinho acabou sozinho, não se casou com nenhuma outra mulher, teve muitas aventuras amorosas, mas nenhuma conseguiu tomar o lugar da sua única amada, a senhorita Capitu, de olhos oblíquos, de ressaca.
O livro Dom Casmurro, conseguiu me surpreender, não espera que fosse um livro tão bom, eu tinha um certo preconceito por ser um livro antigo e tudo mais, porém quando comecei a ler não consegui mais parar, a história me comoveu muito e a minha crítica a história é que Capitu traía sim Bentinho, pois apesar de ela sem dúvida amar ele, ela conseguia se demonstrar feliz, mesmo estando muito triste por dentro, conseguia desfarçar muito bem as situações complicadas, era Bentinho quem sempre corria atrás de Capitu, ela nunca o procurava, Escobar vivia na casa de Bentinho, sendo que quase todas as vezes ele era encontrado sozinho com Capitu, o dia do teatro foi crucial para perceber que eles planejavam fazer algo antes de Bentinho chegar em casa, também o seu filho Ezequiel ser uma cópia cuspida de Escobar. Todos esses fatores influenciam para eu pensar desta maneira.

Postagem mais recente
Next Story Postagem mais antiga Página inicial
siga-nos no Instagram: @postliteral
Leia[+]
© all rights reserved
made with by templateszoo