RESENHA: Eu só existo às terças-feiras, de Rodrigo Goldacker

APRESENTAÇÃO

Viktor tem sete personalidades, uma para cada dia da semana. O tímido Terça só existe às terças-feiras. Quando uma guerra interna entre os eus de Viktor começa, a única esperança de resolução pode estar em Terça e nas estranhas habilidades que ele está prestes a desenvolver.

RESENHA


O livro 'eu so existo às terças-feiras', finalista do prêmio Kindle de literatura, do autor Rodrigo Goldacker se inicia com o personagem, Viktor,  relatando sua rotina semanal em que ele compartilha seu corpo com mais seis personalidades, cada um representando um dia da semana. Cada dia tem suas próprias características e responsabilidades, como fazer registros diários em um notebook. Domingo é o mais organizado e misterioso, enquanto Sexta é problemático devido ao uso excessivo de álcool e cigarro. Após ler os registros dos outros dias, o personagem se prepara para uma consulta com um psicólogo, o que gera ansiedade e medo. No fim do capítulo, ele chega ao consultório e é recebido pelo psicólogo, David, sendo chamado pelo nome de um dia da semana, Terça, deixando-o surpreso.

David está em casa escrevendo sobre sua consulta com o psicólogo, sentindo medo e curiosidade após ouvir que o psicólogo "sabe de tudo". Ele mantém em segredo o que foi proposto pelo psicólogo para evitar que os outros fiquem chateados. Domingo está disposto a se sacrificar pela possibilidade de cura e David sente um vínculo de afeto com ele. Ele reflete sobre a ruptura de personalidade de quando tinham onze anos e teme ser o "Viktor original". Mesmo se sentindo conflituoso, David escreve um relatório demonstrando lealdade ao manter segredos necessários. Ele anseia pelo próximo encontro com o psicólogo para iniciar o processo de cura e unificação de seus dias, reconhecendo que em breve será chamado Viktor. Já Viktor, ao acordar, percebe os estragos causados por Sexta na última sexta-feira e decide ajudar Quarta a se comunicar mais com Bia. Ele reflete sobre a necessidade de ser mais comunicativo e evitar comunicações negativas.

Terça acompanha Viktor numa consulta com David e é orientada a relaxar e lembrar de algo anterior à sua cisão. Ele se esforça, mas não consegue encontrar nenhuma memória da infância. Depois de buscar caminhos menos óbvios, Terça se vê na pele de Quinta, sentindo-se poderoso e confiante. Ele se lembra de situações em que Quinta flerta com uma garota na academia e depois na escola. Ao se concentrar mais, Terça descobre que Quinta consegue acessar as memórias de Segunda, e percebe que Segunda é o Viktor original. David pede para que ele vá com calma nas conclusões.

Bia confronta Terça, revelando que sabe que ele não é Quarta. Após uma conversa, Terça decide se comunicar diretamente com Quarta através de um e-mail, desafiando as regras estabelecidas por Domingo. Ele cria um novo endereço de e-mail e envia uma mensagem para Quarta, pedindo que ele leia e devolva o papel para Bia, que deve entregá-lo a Sexta. Terça se sente culpado, mas também excitado com a ideia de ter um canal de comunicação secreto com Quarta. No final, Terça mente em seu diário sobre o que ocorreu no dia e se sente livre e poderoso, como Quinta.

Terça acorda com uma dor de uma ferida aberta em sua coxa, causada por automutilação. Ele tenta improvisar um curativo e descobre que alguém bloqueou seu acesso ao notebook e ao celular. Ao sair de casa, encontra o Pai, que revela saber sobre a situação dos alter egos e que está ciente de que Terça está prestes a deixar de existir. O Pai explica que ele foi escolhido para ir ao psicólogo devido à recusa dos outros alter egos. Terça tenta obter informações sobre os outros, mas o Pai não sabe de nada fora do habitual e sai para o trabalho, deixando Terça sozinho e desamparado.

Durante o intervalo escolar, Viktor recebe um e-mail de Sexta avisando que Sábado está tentando controlar todos os dias, acreditando ser o original e com medo de morrer. Sábado convenceu o Pai a ajudá-lo nesse plano e está substituindo os dias que compõem Viktor. Sexta sugere uni-los em um só, alertando que somente Terça pode ajudar a impedir o plano de Sábado. Viktor decide lutar contra Sábado e buscar a união dos dias. Terça confronta seu psicólogo, David, sobre sua lealdade e colabora com ele para deter Sábado. Terça elabora um plano de comunicação entre Segunda, Quinta e ele, com a ajuda de David, e se sente motivado em sua missão. Em um retiro de férias, Terça descobre que seus pais estão tentando ajudá-lo. Através das memórias de Quinta, ele descobre mensagens de Domingo e acessa registros diários, descobrindo que Fim de Semana está escrevendo por ele. Sem conexão com a Internet, Terça se sente perdido até a chegada de Bia, trazendo esperança e companhia.

Viktor acord ao som dos gritos dos pais em uma briga. Ele se envolve na discussão, mas é repreendido pelo pai. Na escola, ele é abordado pelos colegas, mas não compartilha seus problemas. Uma nova aluna, Bia, senta ao seu lado e ele fica confuso. Viktor rejeita convites para sair da aula e beber, mas uma de suas personalidades assume o controle e decide ir. Ele percebe que suas diferentes personalidades são mais fortes do que ele próprio. No final, ele reflete sobre sua existência como a "máscara das coisas que ninguém mais quis" e lamenta ser o caçula indesejado.

Bia e Viktor conversam sobre a necessidade de lidar com a personalidade de Quarta, criada especificamente para amar e agradar Bia. Bia decide trair Quarta para ajudar na cura das personalidades fragmentadas de Viktor. Terça é elogiado por ser o único que se importa em curar todos e lidar com situações difíceis. No final, Terça se anima para encontrar soluções e seguir em frente rumo à cura. Viktor reflete sobre os e-mails que recebeu de Sexta, David e Sábado, e entra em meditação para decidir se deve se juntar a Sábado para manter a separação das personalidades ou manter sua bondade como Terça. 

Terça passa o dia lidando com a presença crescente de Fim de Semana em sua vida e se preparando para resolver a situação e enviar sua epifania para Sábado. Enquanto isso, Viktor descobre que David traiu sua confiança ao não entregar o livro para Sábado, e Quarta, após algumas tentativas falhas, deide se sacrificar para ajudar Viktor a recuperar o livro e entregá-lo a Bia, antes de ser dominado por Fim de Semana. Viktor tem um leve fio de esperança, mas ainda está incerto sobre o que o futuro reserva.

As várias versões de Viktor estão cada vez mais desesperadas e em crise, vivendo em um mundo apocalíptico onde a planície está encolhendo e a estrela que os guia está se apagando. Enquanto tentam lidar com a situação, Quinta, uma das versões de Viktor, busca vingança contra Terça, que é a versão principal do protagonista. Mesmo diante da violência e da iminente morte, Terça mantém uma serenidade e aceitação, reconhecendo a futilidade da situação. Finalmente, ele e sua contraparte Segunda são empurrados para o abismo, encerrando suas existências de forma trágica. O capítulo traz reflexões sobre identidade, culpa e desespero, mostrando o estado de desintegração e desesperança das várias versões de Viktor.

Após um tempo em queda, ele chega a uma casinha onde encontra uma versão jovem de si mesmo, que vive em uma espécie de refúgio. O jovem Viktor não possui mais controle sobre a vida do narrador, que decide junto com Segunda retornar ao mundo lá fora. Eles enfrentam desafios juntos, até que encontram uma figura misteriosa que parece ser uma outra versão de Segunda. O capítulo termina com o narrador questionando sua sanidade diante da semelhança entre as duas figuras.

O livro se finaliza com uma revelação de Segunda sobre sua vida e a descoberta de sua intenção de morrer. Viktor acessa as memórias de Segunda e descobre seu desejo profundo de morrer e sua tentativa de criar uma nova melhorada de si própria. Viktor e segunda conseguem reunir todos os sete dias na planície para tentar retornar à estrela. Com sucesso, todos sobem em direção à luz, vivenciando uma profunda sensação de plenitude e realização.

"Eu só existo às terças-feiras" é uma obra interessante ao seu gênero, que explora de forma brilhante a complexidade da mente humana. O autor, Rodrigo Goldacker, constrói uma narrativa original, teletransportando o leitor em um universo de múltiplas personalidades e identidades fragmentadas. A forma como os dias da semana são representados como personagens distintos, cada um com suas características e desafios, é genial e nos leva a refletir sobre a nossa própria natureza.

Rodrigo Goldacker é um redator e escritor que atua na área de UX Writing. Além disso, é formado em Publicidade & Propaganda e Comunicação. Tem livros publicados em 2022 e mantém um blog no Medium onde escreve sobre diversos temas. Atualmente, vive em Indaiatuba, mas está prestes a retornar a São Paulo, sua cidade natal.
© all rights reserved
made with by templateszoo