As escolas literárias: influências, características e historicidade

As escolas literárias são correntes de pensamento e movimentos artísticos que surgiram ao longo da história da literatura, fundamentados em estilos, temáticas e técnicas específicas. Cada escola literária se vincula a um período histórico, influenciando a produção literária da época e deixando sua marca no desenvolvimento da cultura e do conhecimento. Uma das primeiras escolas literárias que podemos mencionar é a literatura clássica grega e romana. Caracterizada pelo uso da métrica, dos trágicos e dos heróis, esse movimento valorizava a busca pelo ideal estético, com grande ênfase na retórica e na mitologia.

Posteriormente, na Idade Média, surge a literatura medieval, fortemente influenciada pelos valores religiosos e pelas histórias de cavalaria. Nessa época, destacam-se as epopeias, os romances e os poemas épicos, que têm como principal objetivo transmitir lições morais e religiosas.

Com o Renascimento, no século XV, surge uma nova corrente literária: o Humanismo. Com um forte resgate das obras da Antiguidade Clássica, os humanistas passam a valorizar o ser humano, suas emoções e suas experiências. Daí em diante, a figura do homem passa a ser o centro das obras literárias, como vemos nas obras de William Shakespeare, por exemplo. No século XVII, temos o surgimento do Barroco, escola literária marcada pelo exagero nos sentimentos e nas formas de expressão. Caracterizado pelo uso dos jogos de palavras, da musicalidade, do uso de metáforas e expressões complexas, o Barroco faz um contraponto à racionalidade do Renascimento.

No século XVIII, surge o Iluminismo, uma corrente literária que tinha como objetivo difundir o conhecimento e a razão, valorizando a ciência, a filosofia e a crítica social. Nesse período, destacam-se os ensaios, os diários e os relatos de viagem, gêneros que procuravam transmitir conhecimentos e despertar a reflexão. No século XIX, temos o Romantismo, uma escola literária marcada pela exploração dos sentimentos, da subjetividade e da natureza. Os românticos valorizavam a emoção e a imaginação, rejeitando os padrões e a rigidez das correntes anteriores. Grandes nomes do romantismo são os poetas Byron, Keats e Shelley.

A partir do final do século XIX e início do século XX, surgem o Realismo e o Naturalismo. Essas escolas literárias tinham como principal objetivo retratar a realidade brasileira e europeia, valorizando a objetividade e a descrição detalhada do cotidiano. Autores como Émile Zola e Machado de Assis se destacam nesse período.

Já no século XX, surgem as vanguardas literárias, como o Modernismo, o Surrealismo e o Expressionismo. Esses movimentos tinham como objetivo romper com as formas tradicionais de se fazer literatura, utilizando-se de técnicas inovadoras, como a fragmentação, a experimentação linguística e a valorização do inconsciente. Grandes nomes como James Joyce, Pablo Neruda e Guillaume Apollinaire estiveram presentes nessas escolas.

Por fim, podemos mencionar a pós-modernidade, escola literária que surge no final do século XX e início do século XXI. Caracterizada pela fragmentação, pela intertextualidade e pela mistura de gêneros, a literatura pós-moderna busca romper com as tradições e questionar as estruturas estabelecidas.

Em suma, as escolas literárias são importantes para compreendermos a evolução da literatura ao longo dos séculos. Elas refletem as principais correntes de pensamento de cada época, influenciando e sendo influenciadas pelas transformações sociais, políticas e culturais. Através do estudo dessas escolas, podemos entender as diferentes formas de se fazer literatura e apreciar as obras que marcaram a história da humanidade.

Trovadorismo

Uma característica do trovadorismo é a valorização do amor cortês, uma forma idealizada e idealizada de amor, onde o trovador expressa de forma poética a sua devoção à sua amada. O trovadorismo também é marcado pela presença do cantar de amigo, onde o trovador expressa a sua tristeza pela separação do amigo. Além disso, a música e a dança também são elementos frequentemente presentes nas cantigas trovadorescas, tornando-as mais dinâmicas e animadas. Por fim, o trovadorismo também é caracterizado pela figura do trovador, que é um poeta-cantador itinerante, que percorria os castelos e cidades se apresentando e compondo suas canções.

As principais obras do trovadorismo incluem:

1. Cantigas de Amor e de Amigo - coleção de poemas líricos de amor cortês escritos em galego-português.

2. Teatro do Auto da Barca do Inferno - peça teatral escrita por Gil Vicente, que representa o julgamento das almas após a morte.

3. Poema de Fernão Gonçalves - poema lírico de amor e escárnio, atribuído ao trovador Fernão Gonçalves.

4. Livro de Linhagens do Cid - obra anônima que conta as histórias e linhagens dos heróis da Cantar de Mio Cid, uma das primeiras epopeias em língua espanhola.

5. Vida de Santa Maria Egipcíaca - texto hagiográfico escrito por Gonzalo de Berceo, que conta a história da vida de Santa Maria Egipcíaca.

6. Milagros de Nossa Senhora - coleção de vinte e cinco milagres marianos escritos por Gonzalo de Berceo.

7. O Livro de José de Arimatéia - texto religioso que conta a lenda do Graal e a história de José de Arimatéia e Brígida.

8. Doctrina Pueril - obra didática que ensina às crianças aspectos da fé cristã, escrita por Fernão Eanes de Carvalho.

9. Cancioneiro de Paris - coleção de poesias líricas escritas por trovadores portugueses e galegos que circulavam em Paris no século XIII.

10. Cancioneiros galego-portugueses - diversos cancioneiros compilados ao longo do período do trovadorismo, contendo diversas poesias líricas de amor cortês.


Humanismo

Algumas características do Humanismo são:

1. Valorização do ser humano: O Humanismo coloca o ser humano como centro das preocupações e valores, enfatizando sua dignidade, liberdade e autonomia.

2. Racionalismo: O Humanismo baseia-se na razão humana como uma fonte confiável de conhecimento e busca compreender a natureza e a sociedade por meio da observação e da análise crítica.

3. Igualdade e justiça: O Humanismo defende a igualdade de direitos e oportunidades para todos os indivíduos, independentemente de sua raça, gênero, religião ou origem social. Além disso, busca uma sociedade justa e inclusiva.

4. Tolerância e respeito: O Humanismo valoriza a diversidade e promove a tolerância e o respeito às diferenças individuais, sejam elas culturais, religiosas, políticas ou de qualquer outra natureza.

5. Desenvolvimento pessoal e intelectual: O Humanismo incentiva o desenvolvimento pleno das potencialidades humanas, tanto intelectuais quanto emocionais, para que os indivíduos possam alcançar a realização pessoal e contribuir para o bem-estar coletivo.

6. Ética e responsabilidade: O Humanismo enfatiza a importância da ética e da responsabilidade individual e coletiva na tomada de decisões e na busca do bem comum.

7. Cosmopolitismo: O Humanismo tem uma perspectiva global, buscando o entendimento e a cooperação entre pessoas e nações, além de defender a preservação do meio ambiente e das gerações futuras.

Essas são apenas algumas características do Humanismo, que é um conceito amplo e complexo. É importante ressaltar que existem diferentes abordagens e perspectivas dentro do Humanismo e que essas características podem variar de acordo com cada um desses enfoques.

O humanismo foi um movimento cultural que surgiu na Europa no século XV e se estendeu até o século XVI. Ele valorizava o indivíduo e buscava resgatar e estudar as obras e pensamentos da Antiguidade Clássica greco-romana. Além disso, o humanismo tinha como principal objetivo colocar o homem e seus valores no centro do pensamento e da produção artística.

As principais obras do humanismo

1. "Decameron" - Giovanni Boccaccio: uma coleção de cem contos narrados por um grupo de jovens que se refugiam no campo para escapar da Peste Negra.

2. "Elogio da Loucura" - Erasmo de Roterdã: uma sátira que critica os costumes e vícios da sociedade de sua época.

3. "Utopia" - Thomas More: uma obra que descreve uma sociedade imaginária ideal, onde o governo é democrático e todos os bens são compartilhados.

4. "A divina comédia" - Dante Alighieri: uma das obras mais importantes da literatura italiana, dividida em três partes (inferno, purgatório e paraíso) e descreve a jornada do protagonista através do inferno e paraíso.

5. "Canções" - Francesco Petrarca: uma coletânea de poemas líricos e sonetos, nos quais o autor expressa suas emoções e seus amores não correspondidos.

Essas são apenas algumas das principais obras do humanismo, que tiveram um grande impacto na cultura e no pensamento da época, influenciando gerações posteriores.

Classicismo

Algumas características do Classicismo são:

1) Valorização da racionalidade e do equilíbrio: os artistas buscavam harmonia e proporção em suas obras, inspirando-se nas proporções matemáticas da Antiguidade Clássica.

2) Idealização do ser humano: o Classicismo retratava o ser humano de forma idealizada, seguindo os padrões da beleza clássica e destacando suas virtudes e qualidades.

3) Influência da mitologia greco-romana: as referências à mitologia greco-romana eram frequentes nas obras classicistas, como forma de resgatar os valores da Antiguidade Clássica.

4) Valorização da natureza: o Classicismo também exaltava a beleza da natureza, retratando paisagens campestres e bucólicas.

5) Contenção emocional: ao contrário do Barroco, o Classicismo buscava a contenção das emoções, transmitindo serenidade e equilíbrio nas obras.

6) Preocupação com a estética e a forma: os artistas classicistas tinham um grande cuidado com a composição visual de suas obras, preocupando-se com a simetria, equilíbrio e proporção.

7) Rigor técnico: os artistas classicistas se preocupavam com a perfeição técnica em suas obras, utilizando técnicas precisas e refinadas.

8) Influência da Antiguidade Clássica: o Classicismo buscou resgatar os valores e referências estéticas da Antiguidade Clássica, especialmente da Grécia e de Roma.

As principais obras do classicismo 

1. "Os Lusíadas" - Luís de Camões

2. "Eneida" - Virgílio

3. "A Araucana" - Alonso de Ercilla

4. "Gerusalemme liberata" - Torquato Tasso

5. "Decameron" - Giovanni Boccaccio

6. "Hamlet" - William Shakespeare

7. "Don Quijote de la Mancha" - Miguel de Cervantes

8. "Os Astros" - Luís Vaz de Camões

9. "Eclesiastes" - Autor desconhecido (Bíblia)

10. "Cântico dos Cânticos" - Autor desconhecido (Bíblia)

Quinhentismo

O Quinhentismo foi um estilo literário desenvolvido no Brasil durante o período colonial, entre o século XVI e o início do século XVII. Caracterizado pelo contexto histórico de descobrimento e colonização do país, possui algumas características distintas, tais como:

1. Relato de Viagens: Uma das principais características do Quinhentismo é o relato de viagens feito pelos colonizadores, exploradores e viajantes. Eles descreviam suas experiências e impressões sobre a nova terra, a vegetação, os animais, os indígenas e a cultura local. Esses relatos serviam para promover a divulgação das riquezas e possibilidades do Brasil.

2. Descobrimento e Colonização: O Quinhentismo reflete a ideia de descobrimento e colonização, apresentando uma visão exaltada da nova terra e dos colonizadores. Essa valorização se dava através de descrições da natureza exuberante e exótica, além da exploração da abundância de recursos naturais.

3. Visão Utopista do Brasil: Em muitas obras quinhentistas, há uma representação utópica do Brasil, retratando-o como um paraíso tropical cheio de riquezas naturais e oportunidades. Essa visão idealizada tinha o objetivo de atrair mais colonizadores e incentivar o desenvolvimento econômico.

4. Relação com o Barroco: Embora o Quinhentismo seja anterior ao Barroco, surgem algumas influências desse estilo literário nas obras da época. Algumas características barrocas, como o uso de figuras de linguagem, contradições e dualidades, podem ser percebidas nos textos quinhentistas.

5. Linguagem Simples e Descritiva: A linguagem utilizada no Quinhentismo é geralmente simples e direta, focada na descrição dos elementos naturais e sociais do Brasil. Os autores buscavam retratar de forma realista a nova terra aos leitores europeus e descrever os aspectos desconhecidos e exóticos da colônia.

6. Nacionalismo e Patriotismo: O Quinhentismo também possui um caráter nacionalista e patriótico, com autores buscando enaltecer as belezas e riquezas do Brasil. Essa valorização tinha a intenção de criar uma identidade nacional própria e destacar as potencialidades do país.

7. Crítica à Colonização: Apesar das visões positivas e utópicas, algumas obras quinhentistas também apresentam críticas à colonização, especialmente em relação ao modo como os indígenas eram tratados pelos colonizadores. Essas críticas, no entanto, eram sutis e veladas, buscando não prejudicar a imagem da conquista.

Essas são algumas das principais características do Quinhentismo, um estilo literário que foi fundamental para a construção da identidade e da literatura brasileira.

O Quinhentismo foi um movimento literário que marcou o período colonial brasileiro, durante o século XVI. Nesse contexto, as obras literárias tinham como objetivo principal descrever a nova realidade encontrada pelos colonizadores europeus na América.

Principais obras do Quinhentismo

1. "Carta de Pero Vaz de Caminha" (Pero Vaz de Caminha): Esse é o documento mais importante dessa época, pois retrata o primeiro contato entre os portugueses e os índios brasileiros. A carta é considerada como um relato jornalístico sobre a chegada de Pedro Álvares Cabral ao Brasil em 1500.

2. "Diálogos das Grandezas do Brasil" (Ambrósio Fernandes Brandão): Essa obra, escrita em forma de diálogos, tem como objetivo principal enaltecer as riquezas naturais do Brasil e convencer o rei de Portugal a investir nas atividades de colonização.

3. "Tratado Descritivo do Brasil em 1587" (Gabriel Soares de Sousa): Nesse livro, Gabriel Soares de Sousa descreve detalhadamente a fauna, a flora, a geografia, a história e a cultura do Brasil. O autor também compara o país com a colônia espanhola do Peru.

4. "Diálogos das Grandezas do Rio de Janeiro" (José de Anchieta): Nessa obra, o padre jesuíta José de Anchieta descreve e enaltece as belezas naturais do Rio de Janeiro, destacando seus morros, montanhas, rios e flora.

Essas são apenas algumas das principais obras do Quinhentismo, que representam o início da literatura brasileira e retratam a visão dos colonizadores sobre o novo mundo.

Barroco

O barroco foi um movimento artístico e cultural que surgiu no final do século XVI e teve seu apogeu no século XVII. Caracterizou-se por uma estética grandiosa, exuberante e detalhista, sendo marcado pelo conflito entre o sagrado e o profano, a luz e a sombra, o real e o ilusório. Algumas das principais características do barroco são:

1. Ornamentação: O barroco é conhecido por sua ornamentação abundante, com o uso de detalhes extravagantes e exagerados. Tanto na arquitetura, na pintura, na escultura como na música, a busca pelo excesso de ornamentação era uma característica marcante.

2. Contraste: O barroco valorizava o contraste entre luz e sombra, entre o belo e o feio, entre o céu e o inferno. Essa técnica, conhecida como chiaroscuro, era utilizada para criar efeitos dramáticos e expressivos.

3. Movimento: O barroco tendia a representar movimento em suas obras, seja através de poses dramáticas e gestos exagerados nas pinturas e esculturas, ou através da dinâmica musical que se desenvolvia em peças barrocas.

4. Emoção e expressão: O barroco era marcado por uma ênfase na emoção e na expressão, buscando impactar e envolver o espectador. As obras barrocas eram frequentemente dramáticas, intensas e cheias de energia.

5. Simbolismo: O barroco utilizava símbolos e alegorias para representar conceitos e ideias complexas. Muitas vezes, esses símbolos eram religiosos, refletindo a forte influência da Igreja Católica no período.

6. Ilusão e perspectiva: O barroco desenvolveu técnicas avançadas de perspectiva, criando uma sensação de profundidade e ilusão de ótica nas obras. Essa busca pela ilusão era uma forma de envolver o espectador e criar um impacto visual.

Essas são apenas algumas das características do barroco, que foi um movimento artístico e cultural importante na história da humanidade. Sua influência pode ser percebida até os dias de hoje, em diversas áreas, como a música, a arquitetura, a pintura e a literatura.

Principais obras do período barroco na pintura, escultura e arquitetura

Pintura:

- "A Ronda Noturna" de Rembrandt

- "O Despojamento" de Caravaggio

- "A Última Ceia" de Diego Velázquez

- "A Anunciação" de Peter Paul Rubens

- "O Nascimento de Vênus" de Nicholas Poussin


Escultura:

- "Êxtase de Santa Teresa" de Gian Lorenzo Bernini

- "Davi" de Gian Lorenzo Bernini

- "O Rapto das Sabinas" de Giovanni Bologna

- "Moisés" de Michelangelo

- "Dafne e Apolo" de Gian Lorenzo Bernini


Arquitetura:

- Basílica de São Pedro de Roma (projeto de Gian Lorenzo Bernini)

- Igreja de São Carlos das Quatro Fontes de Roma (projeto de Francesco Borromini)

- Palácio de Versalhes, França (projeto de Louis Le Vau e Jules Hardouin-Mansart)

- Catedral de Salamanca, Espanha (projeto de João de Castillo, Juan Ribero Rada e Alberto Churriguera)

- Igreja dos Jesuítas de Salvador, Brasil (projeto de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho)

Essas são apenas algumas das inúmeras obras do período barroco, que ocorreu entre o século XVII e início do século XVIII na Europa e na América Latina. O estilo barroco é caracterizado pela ornamentação detalhada, uso intenso de luz e sombra, dinamismo e teatralidade.

Arcadismo

O Arcadismo foi um movimento literário que ocorreu no século XVIII, conhecido também como Neoclassicismo, e tinha como principal característica o retorno à estética clássica, inspirada na Antiguidade grega e romana. 

Algumas características do Arcadismo são:

1. Idealização da vida no campo: os poetas arcadistas buscavam retratar a vida no campo de forma idealizada, considerando-o como um lugar mais puro e próximo da natureza, onde o homem poderia encontrar felicidade e paz.

2. Valorização da simplicidade: os poetas arcadistas pregavam a simplicidade e o bom senso como virtudes fundamentais para a vida no campo e também como guias para a escrita de poesia. Ao contrário do Barroco, que valorizava o excesso e a complexidade, os arcadistas buscavam uma linguagem mais simples e clara.

3. Temas bucólicos: os temas mais comuns explorados pelos poetas arcadistas são relacionados à natureza e à vida pastoral, com descrições de paisagens campestres, pastorais, amores rurais, entre outros.

4. Uso de pseudônimos: os poetas arcadistas adotavam pseudônimos inspirados na mitologia greco-romana, como forma de representar a idealização da vida no campo e de escapar da realidade cotidiana.

5. Objetividade e racionalidade: o Arcadismo valorizava a razão e a objetividade, buscando uma linguagem mais clara e direta, evitando o uso de figuras de linguagem complexas e aprofundamento nos sentimentos.

6. Crítica social e política: apesar da idealização do campo, alguns poetas arcadistas também utilizavam a poesia para fazer críticas sociais e políticas, especialmente à sociedade da época, marcada pela nobreza, pelo absolutismo e pelo luxo.

7. Idealização do amor: o amor era frequentemente retratado nas poesias arcadistas como idealizado e puro, muitas vezes relacionado ao amor platônico e à felicidade eterna.

Essas são algumas das principais características do Arcadismo, que buscava uma retomada dos valores clássicos e uma resposta racional ao Barroco, movimento literário anterior marcado pela complexidade e pela expressão dos sentimentos intensos.

O Arcadismo foi um movimento literário que ocorreu durante o século XVIII e teve grande influência na Europa, especialmente em Portugal e no Brasil. O Arcadismo buscava resgatar elementos da cultura greco-latina e valorizava a natureza, a simplicidade e a idealização do campo.

Principais obras do Arcadismo

1. "O Uraguai" (1769), de Basílio da Gama: Epopeia que retrata a disputa entre espanhóis e portugueses na região do Rio da Prata, destacando as lutas indígenas e o contato com a natureza.

2. "Cartas Chilenas" (1788), de Tomás Antônio Gonzaga: Sátira política que faz críticas à governança da capitania de Minas Gerais, denunciando a corrupção e o abuso de poder.

3. "Marília de Dirceu" (1792), de Tomás Antônio Gonzaga: Considerada uma das principais obras do Arcadismo brasileiro, é um conjunto de liras que retrata o amor idealizado entre Dirceu, pseudônimo do autor, e Marília.

4. "Caramuru" (1781), de Santa Rita Durão: Poema épico que conta a história de Diogo Álvares Correia, o Caramuru, um português náufrago que vivia com os indígenas no Brasil.

5. "O Desertor" (1774), de Cláudio Manuel da Costa: Trata-se de um poema lírico que aborda a temática da traição e do sentimento patriótico, sendo considerado um dos precursores do movimento árcade.

Essas são apenas algumas das obras que marcaram o movimento do Arcadismo. Cada uma delas apresenta as características típicas da época, como o uso de figuras de linguagem, a valorização da natureza e a idealização do mundo rural.

Romantismo

O romantismo é um movimento cultural e artístico que se desenvolveu principalmente no século XIX. Suas principais características são:

1. Valorização do individualismo: O romantismo exalta o indivíduo e suas emoções, rejeitando os padrões e convenções impostos pela sociedade. A liberdade de expressão e a busca pela felicidade pessoal são muito importantes nesse movimento.

2. Subjetivismo e sentimentalismo: Os artistas românticos valorizam as emoções e o sentimento como uma forma de se expressar. A subjetividade é privilegiada, dando mais ênfase ao "eu" do que à realidade objetiva. A natureza é frequentemente usada como uma forma de representar as emoções humanas.

3. Idealização do amor e da mulher: O amor é um tema muito recorrente no romantismo, que é descrito de maneira idealizada e romântica. A mulher é muitas vezes retratada como um ser angelical, puro e inspirador.

4. Fuga da realidade: O romantismo busca escapar da realidade muitas vezes sombria e opressiva do mundo industrial e capitalista do século XIX. Através da arte, os artistas românticos exploram o mundo imaginário, os sonhos e a fantasia.

5. Valorização da natureza e do passado: A natureza é frequentemente retratada como um refúgio da sociedade, um lugar de beleza e pureza. Além disso, o romantismo também se volta para o passado, idealizando épocas anteriores como a Idade Média, por exemplo.

6. Nacionalismo e patriotismo: O romantismo valoriza a pátria, a cultura e a identidade nacional. Muitos artistas utilizam temas e símbolos do folclore e da história de seus países para enfatizar a importância da identidade nacional.

7. Fascínio pelo exótico: O romantismo também se interessa pelo exótico e pelo mundo não ocidental. Muitos artistas exploram em suas obras temas e cenários exóticos, muitas vezes ligados a lugares distantes ou tribos indígenas.

Essas são algumas das principais características do romantismo, mas vale ressaltar que o movimento pode apresentar variações de acordo com o país e o contexto histórico em que se desenvolveu.

Obras do período Romântico 

- "Os Sofrimentos do Jovem Werther", de Johann Wolfgang von Goethe

- "Frankenstein", de Mary Shelley

- "Os Três Mosqueteiros", de Alexandre Dumas

- "Jane Eyre", de Charlotte Brontë

- "Crime e Castigo", de Fyodor Dostoyevsky

- "Moby Dick", de Herman Melville

- "O Morro dos Ventos Uivantes", de Emily Brontë

- "A Montanha Mágica", de Thomas Mann

- "Dom Casmurro", de Machado de Assis

- "Senhora", de José de Alencar

Realismo

O realismo é um movimento artístico e literário que surgiu no século XIX e se caracteriza pela tentativa de retratar a realidade de forma objetiva, sem romantismo ou idealização. Dentre as principais características do realismo, podemos destacar:

1. Observação minuciosa da realidade: os artistas realistas tinham o objetivo de retratar a sociedade e os indivíduos de forma precisa e detalhada, buscando uma representação fiel da realidade.

2. Temas do cotidiano: os artistas realistas abordavam temas relacionados à vida urbana e cotidiana, como o trabalho, a família, a pobreza, a burguesia, entre outros.

3. Retrato psicológico: o realismo também se preocupava em retratar os aspectos psicológicos e emocionais dos personagens, buscando uma compreensão profunda das motivações e comportamentos humanos.

4. Linguagem objetiva: a linguagem utilizada pelos escritores realistas era objetiva e direta, sem excessos ou floreios literários.

5. Crítica social: muitos artistas realistas utilizaram suas obras como forma de crítica social, denunciando as desigualdades e injustiças da época, como a exploração do trabalho, a miséria e a corrupção.

6. Verossimilhança: o realismo buscava ser verossímil, ou seja, retratar a realidade de forma plausível e crível, aproximando-se ao máximo da verdade.

7. Rejeição ao idealismo e ao romantismo: o realismo surgiu como uma reação ao idealismo e ao romantismo, considerados idealizadores e distantes da realidade concreta.

8. Valorização do objeto estético: o realismo valorizava a criação artística em si, destacando a importância do objeto estético e da representação precisa da realidade.

Essas são algumas das principais características do realismo, que buscava retratar a realidade de forma objetiva e precisa, explorando temas do cotidiano e fazendo críticas sociais.

Algumas obras notáveis do realismo 

- "Madame Bovary" (1856) de Gustave Flaubert

- "O Crime do Padre Amaro" (1875) de Eça de Queirós

- "Germinal" (1885) de Émile Zola

- "O Cortiço" (1890) de Aluísio Azevedo

- "Dom Casmurro" (1899) de Machado de Assis

- "A Regra do Jogo" (1883) de Sidónio Pais

- "O Feijão e o Sonho" (1961) de Orígenes Lessa

- "Mulherzinhas" (1868) de Louisa May Alcott

- "Vida e Destino" (1959) de Vasily Grossman

- "Cem Anos de Solidão" (1967) de Gabriel García Márquez

Estas são apenas algumas das inúmeras obras realistas que existem, mas elas são exemplos representativos do movimento literário. O realismo é caracterizado por retratar a realidade de forma objetiva, mostrando os aspectos sociais, políticos e emocionais da vida cotidiana.

Naturalismo

O naturalismo é uma corrente literária que busca retratar a realidade de forma objetiva, valorizando os aspectos científicos e deterministas. Algumas características do naturalismo incluem:

1. Determinismo: o naturalismo acredita que os seres humanos são determinados por fatores biológicos e ambientais, e que seu destino está fora de seu controle.

2. Influência das ciências naturais: o naturalismo valoriza a observação científica e acredita que os princípios das ciências naturais podem ser aplicados à literatura.

3. Retrato fiel da realidade: o naturalismo busca retratar a realidade de forma objetiva, sem filtros ou romantização.

4. Foco nos aspectos mais sombrios da vida: o naturalismo geralmente aborda temas como pobreza, doença, violência e comportamento humano extremo.

5. Representação detalhada do ambiente: o naturalismo descreve minuciosamente o ambiente e o contexto social em que a história se desenrola, o que muitas vezes pode ter um impacto importante nos personagens e na trama.

6. Personagens como produtos do meio ambiente: os personagens no naturalismo são frequentemente mostrados como produtos de seu ambiente, moldados por forças além de seu controle.

7. Ênfase na cientificidade: o naturalismo busca basear-se em princípios científicos para explicar e entender o comportamento humano, como a hereditariedade e o determinismo.

8. Denúncia das injustiças sociais: muitos escritores naturalistas focam nas desigualdades sociais e nas injustiças da sociedade industrializada.

9. Estudo de tipos humanos: o naturalismo procura investigar e estudar diferentes tipos de personalidade humana, frequentemente retratando personagens extremos ou excepcionais para explorar seus comportamentos e reações.

10. Visão pessimista da vida: devido à ênfase na influência do meio ambiente e na falta de controle dos indivíduos sobre a própria vida, o naturalismo geralmente adota uma visão pessimista da condição humana e da sociedade.

O Naturalismo foi uma corrente literária que se desenvolveu principalmente no final do século XIX. Caracterizada por retratar a realidade de forma objetiva e científica, buscava mostrar o ser humano como um produto do meio em que vivia, destacando os aspectos sociais, políticos e econômicos que influenciavam o indivíduo.

Obras importantes do Naturalismo 

1. "O Mulato" (1881) - Aluísio Azevedo: retrata a vida na cidade de São Luís, no Maranhão, durante o período da escravidão.

2. "O Cortiço" (1890) - Aluísio Azevedo: mostra o cotidiano dos moradores de um cortiço no Rio de Janeiro, evidenciando a luta pela sobrevivência em meio à miséria e exploração.

3. "Memórias Póstumas de Brás Cubas" (1881) - Machado de Assis: embora seja considerada uma obra pré-naturalista, apresenta características do movimento. O livro conta a história de um defunto autor que narra sua vida e reflexões após a morte.

4. "O Ateneu" (1888) - Raul Pompeia: retrata a vida em um colégio interno no Rio de Janeiro, evidenciando a brutalidade e hipocrisia presentes no ambiente educacional.

5. "Os Sertões" (1902) - Euclides da Cunha: um clássico da literatura brasileira, relata a Guerra de Canudos, que ocorreu no interior da Bahia, e apresenta uma análise social, política e geográfica do sertão nordestino.

Essas são apenas algumas obras representativas do Naturalismo no Brasil, que trouxe uma nova visão da realidade e influenciou profundamente a literatura e o pensamento da época.

Parnasianismo

O Parnasianismo foi uma corrente literária que teve seu auge entre o final do século XIX e início do século XX. Esta corrente tinha como principal característica a busca pela perfeição formal, com uma linguagem cuidadosa e precisa, valorizando a estética e a métrica.

Algumas das principais características do Parnasianismo são:

1. Culto à forma: os parnasianos tinham uma preocupação estética extremamente rigorosa, valorizando a perfeição formal dos poemas, com métrica precisa, rimas ricas e versos bem estruturados.

2. Objetividade: os poetas parnasianos buscavam uma linguagem clara e objetiva, evitando a subjetividade e sentimentos demasiados.

3. Busca pela perfeição: a ideia central do movimento é a busca pela arte perfeita, com uma construção racional e exata.

4. Temática clássica: os temas abordados pelos parnasianos eram muitas vezes inspirados na antiguidade clássica, utilizando mitologia e referências históricas.

5. Valorização do belo: os parnasianos tinham uma fascinação pelo belo, valorizando a estética e a harmonia.

6. Uso de figuras de linguagem: os parnasianos utilizavam frequentemente recursos como a metáfora, a sinestesia e a antítese, buscando enriquecer a linguagem poética.

7. Racionalismo: os poetas parnasianos prezavam pela racionalidade e objetividade na arte, buscando fugir dos excessos românticos e sentimentais.

8. Rejeição ao subjetivismo romântico: o Parnasianismo foi uma reação à subjetividade e emoção exacerbada do Romantismo, valorizando uma escrita mais imparcial e controlada.

Essas são algumas características do Parnasianismo, que exaltava a busca pela perfeição formal e estética na poesia.

Como movimento literário, o Parnasianismo valorizava a busca pela perfeição formal, a objetividade e a frieza emocional nas obras. 

Algumas obras importantes desse período 

1. "Fanfarras", de Teófilo Dias - Considerado o primeiro livro de poesia parnasiana no Brasil.

2. "Broquéis", de Cruz e Sousa - Nesse livro, o autor mescla elementos do Simbolismo com o Parnasianismo.

3. "A Harpa do Crente", de Olavo Bilac - Coletânea de poemas que consagrou Bilac como um dos grandes poetas parnasianos.

4. "Paisagens da China e do Japão", de Alberto de Oliveira - Nesse livro, o autor mostra a influência do orientalismo nas suas obras parnasianas.

5. "Fanfarras", de Luís Delfino - Obra em que o autor exalta a vida urbana e suas contradições.

6. "Rimas", de Vicente de Carvalho - Nessa obra, o autor exalta a beleza da natureza com uma linguagem refinada e precisa.

7. "Missal", de Raimundo Correia - Esse livro traz uma forte influência de temas religiosos e mitológicos.

8. "Poemas e Canções", de Alphonsus de Guimaraens - Nesse livro, o autor explora temas como amor, religião e morte.

9. "Sonetos e Rimas", de Augusto dos Anjos - Nessa obra, o autor explora temas como a efemeridade da vida, a angústia e a morte.

10. "Tarde", de Olavo Bilac - Esse poema é um dos mais famosos do Parnasianismo brasileiro, retratando a nostalgia e o desejo de alcançar a perfeição estética.

Simbolismo

O Simbolismo é uma corrente literária que surgiu no final do século XIX e início do século XX, e é caracterizada por seu aspecto simbólico e subjetivo. Algumas das características do Simbolismo são:

1. Valorização do subjetivo: Os simbolistas valorizavam a subjetividade e a emoção em suas obras, explorando o mundo interior dos personagens e buscando representar os sentimentos e pensamentos de forma simbólica.

2. Linguagem figurada: Os simbolistas faziam uso de uma linguagem figurada e simbólica, utilizando metáforas, metonímias e outras figuras de linguagem para expressar suas ideias de forma mais poética e artística.

3. Evocação de sensações: Os simbolistas buscavam evocar sensações e sentimentos no leitor, muitas vezes através de descrições sensoriais e imagens vívidas. Suas obras eram cheias de cores, sons, cheiros e texturas, despertando uma experiência sensorial no leitor.

4. Fuga do realismo: O Simbolismo foi uma reação ao realismo e ao naturalismo predominantes na literatura da época. Os simbolistas buscavam escapar do mundo material e racional, explorando o mundo imaginário e espiritual, com frequência retratando sonhos, devaneios e estados de transe.

5. Mistério e ambiguidade: Os simbolistas valorizavam o mistério e a ambiguidade em suas obras, deixando interpretações abertas e permitindo múltiplas leituras. Suas palavras e símbolos tinham significados ocultos e muitas vezes eram enigmáticos, desafiando o leitor a decifrá-los.

6. Influência das artes visuais: Os simbolistas se inspiraram nas artes visuais, como a pintura e a escultura, e buscaram traduzir elementos dessas formas de expressão em sua poesia. Eles exploraram a estética e a imagética, enfatizando a importância das cores, formas e composições em suas obras.

Essas são algumas das características do Simbolismo, que foi uma corrente literária marcante e influente no final do século XIX e início do século XX.

Simbolismo

O simbolismo foi um movimento literário que surgiu na França, no final do século XIX. Caracterizado pela valorização dos símbolos e da subjetividade, o simbolismo buscava expressar as emoções, os sentimentos e as sensações humanas por meio de imagens e metáforas.

Algumas obras importantes do simbolismo

1. "As Flores do Mal", de Charles Baudelaire: É uma das principais obras do movimento simbolista. O livro reúne poemas que exploram temas como a decadência, a morte, o prazer e o tédio, utilizando uma linguagem rica em figuras de linguagem e símbolos.

2. "Lúcifer", de Anatole France: Nessa obra, o autor retrata a trajetória de Lúcifer desde a sua queda até a sua redenção. O livro mistura elementos simbolistas com elementos do misticismo e da mitologia.

3. "A Pátria do franco-cantador", de José de Alencar: Essa obra do escritor brasileiro faz referência ao simbolismo por meio da criação de um mundo fantasioso e idealizado, onde os personagens se comunicam através de poesias e cantares.

4. "A Metamorfose", de Franz Kafka: Embora seja mais conhecido como um livro do movimento literário expressionista, "A Metamorfose" também possui elementos simbolistas. A história narra a transformação de Gregor Samsa em um inseto, representando a alienação e a desumanização do homem na sociedade moderna.

5. "Os Sertões", de Euclides da Cunha: Embora seja uma obra do Realismo/Naturalismo, "Os Sertões" também possui traços simbolistas. O livro descreve a Guerra de Canudos, na qual os sertanejos são representados como símbolos de uma resistência mítica e messiânica.

Essas são apenas algumas das obras simbolistas mais conhecidas, mas vale ressaltar que o movimento teve uma influência significativa em várias áreas artísticas, como a pintura, a música e o teatro, além da literatura.

Pré-Modernismo

O Pré-Modernismo foi um movimento literário que ocorreu no Brasil entre o final do século XIX e o início do século XX, antes da consolidação do Modernismo. Suas características são:

1. Rompimento com o academicismo: Os escritores pré-modernistas buscaram se afastar das formas convencionais e rígidas da literatura acadêmica, explorando novas formas de escrita e de expressão.

2. Abordagem regionalista: Os escritores pré-modernistas valorizaram as características e peculiaridades culturais de cada região do país, retratando a realidade social e econômica do Brasil, especialmente do interior.

3. Crítica à sociedade: O Pré-Modernismo foi uma resposta às transformações sociais e políticas que ocorriam no Brasil na época, como a transição do regime escravocrata para o regime republicano e a industrialização. Muitos escritores abordaram temas como a desigualdade social, a exploração do trabalhador e a decadência da elite rural.

4. Experimentação estilística: Durante o Pré-Modernismo, houve uma busca por novas formas de escrita, com experimentações estilísticas como o uso de linguagem coloquial, narrativas fragmentadas e a utilização de diferentes registros de linguagem, como o popular e o culto.

5. Caráter mediador: O Pré-Modernismo pode ser visto como um período de transição, que mediou entre os estilos literários do século XIX e a ruptura radical proposta pelo Modernismo. Muitos escritores pré-modernistas lançaram as bases para as transformações que ocorreriam na literatura brasileira nas décadas seguintes.

É importante ressaltar que o Pré-Modernismo não constituiu um movimento homogêneo, e suas características podem variar de autor para autor. Além disso, é válido mencionar que o Pré-Modernismo não se restringiu apenas à literatura, mas também se manifestou em outras áreas artísticas, como a pintura e a música.

O Pré-Modernismo foi um movimento literário que ocorreu no Brasil entre o final do século XIX e início do século XX. Caracterizada por uma transição entre o Simbolismo e o Modernismo, essa fase literária apresentou uma série de obras que abordaram temas sociais, políticos e existenciais. 

Obras importantes do Pré-Modernismo

1. "Os Sertões" (1902), de Euclides da Cunha: O livro narra a Guerra de Canudos, conflito ocorrido no sertão da Bahia entre o governo brasileiro e os seguidores do beato Antônio Conselheiro.

2. "Canaã" (1902), de Graça Aranha: A obra retrata a imigração de europeus para a região amazônica, abordando questões como a exploração da borracha e a relação entre colonos e indígenas.

3. "O Ateneu" (1888), de Raul Pompeia: O romance é uma crítica ao sistema educacional brasileiro da época, retratando a rotina de um internato masculino e denunciando a violência e o autoritarismo presentes no ambiente escolar.

4. "Triste Fim de Policarpo Quaresma" (1915), de Lima Barreto: A obra satiriza a burocracia e os valores da elite brasileira, contando a história de um nacionalista ingênuo que idealiza a cultura e a língua brasileiras.

5. "A Normalista" (1893), de Adolfo Caminha: O romance aborda temas como o amor, a repressão sexual e a hipocrisia na sociedade brasileira do final do século XIX, através do relato de uma jovem órfã que se torna professora.

Essas são apenas algumas das obras mais representativas do Pré-Modernismo brasileiro. Cada obra busca retratar diferentes aspectos da realidade brasileira, contribuindo para a transição entre as escolas literárias do país.

Modernismo

O modernismo é um movimento artístico e cultural que teve grande impacto no século XX. Suas características incluem:

1. Rompimento com as tradições: O modernismo se caracteriza por romper com as convenções e tradições estabelecidas, buscando inovar e experimentar formas e estilos diferentes.

2. Valorização da individualidade e subjetividade: Os artistas modernistas valorizam o indivíduo e sua experiência pessoal, dando ênfase à subjetividade e emoção na composição de suas obras.

3. Experimentação e originalidade: Os modernistas buscam novas formas de expressão artística, explorando técnicas, materiais e estilos que não haviam sido utilizados anteriormente.

4. Rejeição do passado: O modernismo rejeita a tradição e a estética artística do passado, propondo uma ruptura com os estilos anteriores.

5. Busca pelo novo e o futurista: Os modernistas estão à procura do novo, do inovador e do futurista, buscando formas de representar uma realidade em constante transformação.

6. Valorização da tecnologia e da industrialização: O modernismo abraça a tecnologia e a industrialização como símbolos do progresso e do avanço da sociedade, incorporando elementos dessas áreas em suas obras.

7. Crítica à sociedade e à cultura: O modernismo reflete uma visão crítica da sociedade, questionando valores, normas e estruturas estabelecidas, muitas vezes retratando temas como alienação, desigualdade e desumanização.

8. Intertextualidade: O modernismo incorpora elementos de outras formas de arte e cultura, como cinema, música e literatura, buscando uma interação entre diferentes expressões artísticas.

9. Experimentação linguística: Os modernistas buscam novas formas de expressão verbal, experimentando com a linguagem, a gramática e a sintaxe.

10. Valorização do presente: O modernismo valoriza o presente e o momento atual, contrastando com a nostalgia e a idealização do passado.

Obras mais conhecidas do modernismo

1. "Macunaíma" - Mário de Andrade

2. "Grande Sertão: Veredas" - João Guimarães Rosa

3. "Ulisses" - James Joyce

4. "Finnegans Wake" - James Joyce

5. "O Processo" - Franz Kafka

6. "A Metamorfose" - Franz Kafka

7. "Ulysses" - T.S. Eliot

8. "Moby Dick" - Herman Melville

9. "Laranja Mecânica" - Anthony Burgess

10. "1984" - George Orwell

Estas são apenas algumas das obras mais famosas do modernismo, que foi um movimento literário e cultural que ocorreu principalmente no século XX e que rompeu com as convenções e tradições literárias anteriores.

Pós-Modernismo

O pós-modernismo é um movimento cultural e intelectual que surgiu no final do século XX como uma reação ao modernismo. Ele se caracteriza por uma rejeição dos conceitos e ideias do modernismo, que enfatizava a unidade, o progresso, a razão e a objetividade. Em contraste, o pós-modernismo abraça a pluralidade, a fragmentação, a subjetividade e a ambiguidade.

Uma das características fundamentais do pós-modernismo é a rejeição das metanarrativas, ou seja, grandes histórias ou teorias que tentam explicar a totalidade da experiência humana. Os pós-modernistas argumentam que essas metanarrativas são problemáticas e inadequadas, pois tendem a marginalizar outras perspectivas e experiências.

Outra característica é a valorização da cultura popular e da mídia de massa. Os pós-modernistas veem a cultura popular como um reflexo da sociedade contemporânea e uma forma válida de expressão artística. Eles acreditam que não há uma hierarquia fixa entre a alta cultura e a cultura popular, e que ambas podem ser apreciadas e analisadas de maneira igualmente significativa.

A fragmentação e a colagem são também características marcantes do pós-modernismo. A fragmentação reflete a natureza fragmentada da realidade, enquanto a colagem envolve a combinação de diferentes estilos, referências e elementos, muitas vezes retirados da cultura popular. Essas técnicas são frequentemente usadas para questionar a noção de uma identidade unificada e estável.

Além disso, o pós-modernismo é conhecido por sua ironia, humor e pastiche. Ele tende a se apropriar e parodiar estilos e discursos dominantes, desafiando assim as noções tradicionais de autenticidade e originalidade. O jogo com os gêneros e a desconstrução das convenções literárias e artísticas também são comuns no pós-modernismo.

Por fim, o pós-modernismo abraça a ideia de que a verdade é subjetiva e construída socialmente. Ele questiona a capacidade das estruturas e instituições tradicionais de estabelecer verdades universais e objetivas, destacando a importância das perspectivas individuais e contextuais na interpretação da realidade.

Em resumo, o pós-modernismo é caracterizado pela rejeição das metanarrativas, valorização da cultura popular, fragmentação, colagem, ironia, humor, pastiche e relativização da verdade. Essas características refletem a perspectiva pós-moderna de que a realidade é complexa, multifacetada e sujeita a interpretações diversas.

O pré-modernismo foi um movimento literário brasileiro que ocorreu entre o final do século XIX e início do século XX, caracterizado por uma transição entre o Realismo/Naturalismo e o Modernismo.

Algumas das principais obras do pré-modernismo

1. "Os Sertões" (1902), de Euclides da Cunha - Neste livro, o autor retrata a Guerra de Canudos, conflito no interior da Bahia, com detalhes históricos, geográficos e sociais.

2. "O Ateneu" (1888), de Raul Pompeia - Esta obra é um romance autobiográfico que retrata a vida de um jovem em um internato, abordando a formação moral e intelectual do personagem principal.

3. "A Carne" (1888), de Júlio Ribeiro - Este livro, considerado polêmico para a época, aborda o adultério e a sexualidade, além de discutir a posição da mulher na sociedade.

4. "Canções da Decadência" (1895), de Cruz e Sousa - Este é um livro de poemas do poeta simbolista Cruz e Sousa, que aborda temas como a decadência, o pessimismo e a morte.

5. "Clara dos Anjos" (1922), de Lima Barreto - Nesta obra, o autor retrata a vida de uma jovem mulata, abordando questões como racismo, preconceito, amor e marginalização social.

Essas são apenas algumas das principais obras do pré-modernismo no Brasil. É importante ressaltar que esse movimento foi marcado por uma diversidade de estilos e temáticas, refletindo a transição entre as características do Realismo/Naturalismo e do Modernismo.

Considerações

Ao longo dos anos, as escolas literárias têm passado por diversas modificações, refletindo as mudanças sociais, culturais e políticas de diferentes períodos históricos. Essas modificações podem ser observadas em aspectos como temas abordados, estilos literários, técnicas narrativas e visão de mundo transmitida nas obras.

Em períodos antigos, como a Idade Média, por exemplo, as escolas literárias estavam mais ligadas à religião e à moralidade, com as obras buscando ensinar valores e princípios cristãos. A forma predominante era a poesia lírica, com ênfase na devoção e na expressão dos sentimentos.

Já no Renascimento, houve uma forte influência da cultura da antiguidade clássica, com uma maior valorização das obras literárias inspiradas pelos escritores gregos e romanos. Nesse período, surgiram escolas literárias como o Classicismo, que valorizava a harmonia, a proporção e a imitação da natureza.

Com o Iluminismo, no século XVIII, houve uma mudança de paradigma em relação ao pensamento e à literatura. A razão e a ciência passaram a ser valorizadas, e obras literárias passaram a ter caráter mais crítico, abordando temas como a liberdade, a igualdade e os direitos humanos. Escolas como o Realismo e o Naturalismo surgiram nesse período, com uma abordagem mais objetiva e observadora da realidade.

No século XX, especialmente, houve uma diversificação e fragmentação maior das escolas literárias. O surgimento do Modernismo, por exemplo, questionou e subverteu as tradições literárias estabelecidas, buscando novas formas de expressão e experimentação. Diversas vanguardas artísticas também influenciaram a literatura, como o Surrealismo, o Expressionismo e o Futurismo.

Hoje em dia, com o avanço da tecnologia e a globalização, novas formas de literatura têm se desenvolvido, como a literatura digital e a literatura hipertextual. As fronteiras entre as escolas literárias estão cada vez mais fluidas, e a intertextualidade e a pluralidade de linguagens são cada vez mais evidentes.

Em suma, as modificações sofridas pelas escolas literárias ao longo dos anos são reflexo das mudanças sociais, culturais e políticas de cada época. A literatura evolui, se reinventa e se adapta às demandas e interesses dos leitores, promovendo a diversidade e o diálogo entre diferentes formas de expressão literária.

© all rights reserved
made with by templateszoo