companhia das letras

Resenha: O príncipe, Nicolau Maquiavel

domingo, 8 de agosto de 2021

/ by Vitor Zindacta



SINOPSEO príncipe é um livro que não sai de moda. Mais do que um best-seller, ele é um clássico. Surgem novas edições e grandes estadistas encontram nesta obra suas virtudes literárias e estratégicas. Silvio Berlusconi, presidente do Conselho de Ministros da República italiana, apresentava assim esta obra, ao dá-la como presente de Natal para amigos e colaboradores em 1992: "O Príncipe é o primeiro clássico do pensamento político moderno, referência durante gerações para estadistas e diplomatas. A obra foi concebida como um conjunto de reflexões do autor sobre a arte de conquistar e conservar o poder em um principado." 

ISBN-13: 9788577530335
ISBN-10: 8577530337
Ano: 1996 / Páginas: 136
Idioma: português
Editora: Paz e Terra       

O Príncipe é um “como fazer” para aspirantes a governantes. O livro desconsidera repúblicas e principados hereditários para se concentrar em principados mistos e novos. Um principado misto é aquele que existia anteriormente, mas foi conquistado, e um novo principado é aquele que requer uma nova forma de governo.

Ao governar um principado misto, Maquiavel destaca a importância de fazer amizade com os fracos e destruir qualquer um que se torne poderoso o suficiente para se revoltar. Para conseguir isso, um príncipe deve ter uma visão tremenda. Ele precisa reconhecer os problemas e males antes que se tornem muito visíveis e deve destruí-los rapidamente.

Senhores, homens poderosos e assessores, todos devem ser vigiados com cuidado. Como mencionado anteriormente, qualquer um que seja poderoso ou ambicioso o suficiente para liderar uma revolta deve ser esmagado.

Ao iniciar um novo principado, um príncipe terá sido instalado por virtude, fortuna ou maldade. Tomar o poder pela virtude é tomá-lo pela força. Um príncipe deve estabelecer-se rapidamente e estabelecer uma base sólida de liderança.

Quando um príncipe assume o poder por meio da fortuna ou da obra de outros, ele está em uma posição perigosa porque os outros podem questionar seu poder. Portanto, ele deve instilar rapidamente amor e medo nas pessoas.

Maquiavel não condena a maldade como meio de obter poder. Em vez disso, ele sugere que atos imorais sejam praticados rapidamente e de uma só vez. Um príncipe também precisa encontrar maneiras de tornar as pessoas sempre dependentes do estado.

A força de um principado, segundo Maquiavel, é medida por seus militares. Um principado deve sempre ter um exército forte e ser capaz de se defender. Os mercenários não são confiáveis, pois seu único incentivo é o dinheiro.

Maquiavel não promove os príncipes a serem pessoas morais e virtuosas. O mais importante, entretanto, é a aparência de grandeza. Simplificando, ele acredita que os caras legais ficam em último lugar e que os príncipes devem agir imoralmente quando necessário para promover sua agenda e manter o poder.

A fortuna e Deus não são confiáveis. Um príncipe deve criar seu próprio caminho e correr riscos. Um príncipe não deve se preocupar em ser visto como mesquinho, mas deve ser amado sempre que possível. A crueldade pode ser necessária para incutir a quantidade correta de medo nas pessoas. Maquiavel fecha seu livro com uma discussão sobre a política italiana e governantes fracassados.

“Sobre isso, deve-se observar que os homens devem ser bem tratados ou esmagados.”

Escrito no início dos anos 1500, O Príncipe é um dos livros mais discutidos e examinados sobre filosofia política. O livro foi altamente debatido e criticado, mas é preciso reconhecer o tremendo impacto que o livro teve no pensamento político. O livro deu origem ao termo Maquiavelismo, que tem sido usado de forma ubíqua para descrever políticos durante séculos.

A obra mais famosa de Maquiavel aconselha os aspirantes a governantes sobre como manter e exercer o poder e, apesar da potencial precisão do conselho, Maquiavel direciona os governantes para o objetivo errado. A definição de sucesso que Maquiavel busca para seus leitores é apenas o poder, mas, em vez disso, o verdadeiro objetivo que Maquiavel deveria ter promovido é liderar e servir verdadeiramente as pessoas.

O Príncipe é estruturado como um guia de “como fazer” para governantes de principados. Maquiavel desconsidera a forma de governo da república e se concentra apenas nos principados.

Cada capítulo discute um aspecto diferente do governo, que vai desde a aquisição de um principado até sua manutenção, até se é melhor ser amado ou temido. Neste resumo, primeiro resumirei o livro e as mensagens de Maquiavel e, em seguida, fornecerei meus próprios comentários e análises.

 Principados Mistos

Maquiavel dispensa rapidamente os principados hereditários, pois eles exigem pouco esforço para mantê-los. Ele investiga o “principado misto”, que já existe há algum tempo, mas foi adquirido por um novo príncipe. Ele destaca a importância de fazer amizade com os fracos e “esmagar” qualquer pessoa que possa ferir o governante.

A boa vontade dos nativos é imprescindível, e Maquiavel recomenda evitar a tentativa de ultrapassar províncias com línguas e culturas diferentes. Essas províncias são mais difíceis de conquistar e o povo pode se revoltar. Em vez disso, deve-se colonizar essas áreas e defendê-las contra fortes invasores estrangeiros.

Ao defender as colônias mais fracas, o príncipe consegue conquistar o afeto dos locais e impede que países estrangeiros ganhem um reino muito grande.

O Príncipe também destaca a importância da previsão por parte de um governante.

Um príncipe deve ser capaz de reconhecer rapidamente qualquer levante ou facção dentro de seu reino com potencial de revolta. Se o “mal” não for reconhecido até que o problema se torne público, será tarde demais, porque mais pessoas podem aderir ao levante. Portanto, um problema deve ser destruído antes de ganhar qualquer tração entre as pessoas comuns.

Maquiavel afirma que aqueles que ajudam outros a alcançar o poder não são confiáveis, porque ou eles trouxeram o poder por meio da "astúcia ou então pela força".

Se um príncipe é ajudado por outros, ele deve procurar destruir esses assessores porque eles têm a capacidade de criar um poder que poderia desafiar o governo do príncipe. Um príncipe também nunca deve ajudar outros a alcançar o poder, pois aqueles que ele ajudou irão destruí-lo pelos mesmos motivos.

Um príncipe enfrentará dificuldade para manter o governo em um estado que possui muitos senhores ou outros homens poderosos. Esses estados podem ser fáceis de conquistar inicialmente porque basta identificar um ou dois líderes poderosos do descontentamento para ajudar na derrubada.

No entanto, pelas razões mencionadas anteriormente, isso pode ser arriscado, pois os líderes que ajudaram o novo governante podem facilmente iniciar movimentos próprios para assumir o controle do Estado. Maquiavel contrasta esses estados com aqueles que têm um governante supremo.

O governante supremo escolhe seus auxiliares e pode removê-los facilmente. Esses estados são mais difíceis de conquistar, pois os assessores do atual governante são mais leais. No entanto, esses estados são mais fáceis de manter porque, uma vez conquistados, o príncipe pode instalar seu próprio sistema de ajudantes e servos.

O último aspecto dos principados mistos que Maquiavel discute é governar principados que antes eram livres com suas próprias leis e estatutos antes de serem adquiridos.

Esses estados estão acostumados com a liberdade e a autonomia e podem não aceitar muito a perda dessa liberdade. Maquiavel descreve três opções: destruir a cidade / estado, morar na área conquistada para vigiá-la de perto ou deixar o principado continuar sob seu governo atual e instalar um governo oligárquico para permanecer amigo do novo governante.

No entanto, cidades ou principados antes livres são muito difíceis de manter. Aqueles que não estão acostumados a serem governados não aceitam facilmente um príncipe e são mais propensos a se revoltar. Consequentemente, Maquiavel sugere que a destruição ou o domínio fechado podem ser a melhor opção.

Novos Principados

Depois de concluir sua discussão sobre principados mistos, Maquiavel oferece seu conselho sobre como governar principados completamente novos. Um novo principado é aquele que requer um governo completamente novo e está unindo as pessoas sob um governo que antes não havia sido unido. Ele primeiro distingue aqueles que se tornaram governantes por meio da “virtude” ou da fortuna.

Para Maquiavel, virtude é definida como a habilidade e impulso para conquistar, de modo que aqueles que se tornaram governantes por meio da virtude geralmente o fizeram conquistando e derrotando outros.

Esses príncipes devem instalar novas formas de governo e defender vigorosamente as novas formas, porque alguns ficarão chateados com a mudança e outros apenas demonstrarão apoio “morno”. Para garantir que não haja desafio ao governo do príncipe, ele deve pegar em armas e governar pela força.

Maquiavel também discute aqueles que se tornaram governantes de principados por fortuna ou pela força de outros.

Esta é uma posição perigosa para um príncipe, pois ele não provou ser digno de seu papel poderoso e pode depender de outra pessoa para seu poder recém-descoberto. A chave é estabelecer rapidamente o poder e instilar medo e amor nos súditos. Eles deveriam amar o príncipe para permanecerem leais, mas temê-lo o suficiente para nunca buscarem seu próprio poder.

A próxima forma de regra discutida é o príncipe que assume o poder por meio de alguma forma de ato perverso ou imoral, como assassinar um adversário político. Controversamente, Maquiavel não condena atos imorais, mas encontra justificativa para eles.

Ele afirma que a maldade só precisa ser rápida e "necessária". Ele recomenda que um príncipe deve "examinar de perto todos os ferimentos que ele deve infligir e executá-los de uma só vez para não ter que repeti-los diariamente."

Um príncipe também pode governar de maneira civilizada, por exemplo, pela vontade do povo ou dos nobres do principado.

Como afirmado anteriormente, Maquiavel é particularmente cauteloso com nobres ou qualquer pessoa com poder. Ele avisa que um nobre ambicioso deve ser visto como um inimigo. Pelo contrário, aqueles nobres com pouca coragem ou aqueles que se ligam ao príncipe devem ser elogiados e usados. Se o príncipe chega ao poder pela vontade do povo, ele depende da boa vontade do povo.

Maquiavel aconselha veementemente contra nunca depender de outros para ter poder, pois aqueles que dão poder podem facilmente tirá-lo. Em vez disso, Maquiavel sugere que um príncipe precisa "adotar tal curso que seus cidadãos sempre, em todo tipo e tipo de circunstância, precisem do estado e dele". Se o povo depende dele e não o contrário, o povo permanecerá fiel.

Na Força de um Principado

Maquiavel afirma que a força é medida pela força. Um principado forte teria defesas tão boas que nunca seriam testadas e não precisaria de nenhum apoio de aliados. Os militares devem ser poderosos e de longo alcance, e o povo deve ter um espírito elevado para garantir que não haja motivo para revolta.

Em militares

Mercenários não são confiáveis, de acordo com Maquiavel. Porque seu incentivo é dinheiro em vez de servir ao principado, eles não serão soldados adequados. Maquiavel atribuiu muitos dos problemas da Itália ao excesso de confiança nos soldados estrangeiros contratados.

Um estado forte precisa de seus próprios soldados que o defendam com veemência.

Além de manter um exército forte e leal, "um príncipe não deve ter outro objetivo ou pensamento, nem selecionar qualquer outra coisa para seu estudo, a não ser a guerra e suas regras e disciplina." É através da batalha e da força que um príncipe mostra seu poder. O príncipe deve conhecer bem sua terra e estar bem preparado para lidar com qualquer ataque, e deve estudar e imitar grandes militares.

Sobre Virtudes e Reputação

Maquiavel fala de algumas das qualidades ideais de um príncipe, incluindo sinceridade, bravura e generosidade, mas no final das contas conclui que não são completamente necessárias para o príncipe, "para um homem que deseja agir inteiramente de acordo com suas profissões de virtude, logo encontra o que o destrói entre tantas coisas más. ”

Essencialmente, há muito mal no mundo para que o príncipe sempre seja tão virtuoso quanto afirma ser. “Conseqüentemente, é necessário que um príncipe que deseja se controlar saiba como fazer o mal e fazer uso dele ou não de acordo com a necessidade.” Idealmente, um príncipe seria virtuoso e moral, mas ao decidir entre a moralidade e os desejos egoístas, Maquiavel recomenda desejos egoístas.

Quanto à reputação, Maquiavel aconselha o príncipe a não temer ser visto como mau. Ser liberal demais pode levar a problemas econômicos e antipatia das pessoas, pois ele tira dos poderosos e dá aos impotentes. A liberalidade pode levar ao ódio, enquanto a mesquinhez só leva ao medo.

Ao decidir entre ser clemente (misericordioso) ou cruel, Maquiavel afirma que a misericórdia é preferida, mas muito dela pode levar à desordem.

Um príncipe, portanto, não deve temer a crueldade como a execução de um criminoso. Um príncipe também enfrenta o dilema de se deve ser temido ou amado. É mais fácil unir os homens quando eles estão com medo, mas é menos provável que se revoltem contra um príncipe amado.

Um príncipe então precisa encontrar o equilíbrio entre os dois. Ele deve tentar ser amado e, no mínimo, evitar o ódio, pois o ódio pode levar à revolta. Um príncipe pode ser obrigado a cometer atos cruéis a fim de inspirar medo, mas isso é necessário para manter a ordem. Acima de tudo, o príncipe precisa de controle.

Com relação à fé e à imagem, Maquiavel não se esquiva de sua posição de que a verdadeira moralidade não é necessária. Ele argumenta que manter a verdadeira fé e agir é verdadeiramente misericordioso e maneiras generosas causarão dano ao príncipe. No entanto, o que é realmente importante é a aparência de fé e moralidade.

Esta aparência pode ser bastante benéfica e fácil de conseguir, pois “quem busca enganar sempre encontrará alguém que se permite ser enganado”. Uma vez que muitos se deixaram enganar, o príncipe está seguro porque “todos veem o que você parece ser, poucos sabem realmente o que você é, e esses poucos não ousam se opor à opinião de muitos”. Em outras palavras, uma vez estabelecida uma reputação, ninguém ousará contestá-la, mesmo que saiba a verdade.

Sobre como um príncipe deve agir

Como mencionado anteriormente, um príncipe deve buscar a imagem de um grande homem e evitar o ódio. Nas relações exteriores, um príncipe deve ser um "amigo verdadeiro ou um inimigo absoluto". É melhor deixar claro onde se encontra uma questão do que ser desconfiado como um amigo duvidoso de todos.

O príncipe também deve encorajar seu povo a se envolver na agricultura e no comércio pacíficos e evitar o medo de altos impostos. Além disso, “ele deve entreter as pessoas com festivais e espetáculos”.

Um príncipe precisa de conselho e conselheiros.

No entanto, o príncipe deve ter controle total sobre quem são seus conselheiros e que tipo de conselho eles oferecem. Os conselheiros devem ser servos leais e vigiados de perto para qualquer tipo de comportamento que indique motivos egoístas ou ambição.

O príncipe também precisa ter cuidado com a bajulação. Ele deve convidar seus conselheiros de confiança para falar a verdade, porque a bajulação pode enfraquecer a capacidade do príncipe de prever inimigos em potencial.

Maquiavel também aconselha os príncipes a controlar seus próprios destinos e não deixar nada por conta da fortuna ou de Deus. Um príncipe deve ser aventureiro e arriscado porque “a fortuna é mulher ... e vê-se que ela se deixa dominar pelos aventureiros ... É, portanto, sempre mulher, e amante dos jovens, porque eles são menos cautelosos. ” De acordo com Maquiavel, um príncipe pode criar seu próprio caminho de sucesso em vez de esperar pela boa sorte ou que Deus crie um caminho.

Maquiavel fecha O Príncipe com uma descrição das falhas dos governantes italianos anteriores. Ele culpa o fracasso deles em cumprir as regras que ele estabeleceu e implora ao então atual Papa que domine a Itália usando métodos maquiavélicos.

Paralelos com a sociedade moderna

O Príncipe recomenda e, de muitas maneiras, celebra o comportamento imoral. Isso por si só é perturbador e controverso, mas o que é realmente decepcionante são os paralelos óbvios entre o comportamento que Maquiavel recomenda e o comportamento que vemos em algumas das pessoas que governam nosso país.

Maquiavel pode ser responsável pelo termo maquiavelismo, mas o comportamento subjacente existiria sem ele. Como o próprio Maquiavel observa, o desejo de conquistar e governar é inato no homem há centenas de anos. Maquiavel apenas reconhece e celebra esse desejo.

O lado negro da política se revela quando os governantes eleitos adotam atitudes maquiavélicas sobre a moralidade e fazem o que é “necessário” para permanecer no cargo.

Bill Clinton mentiu ao povo sobre seus atos imorais para tentar preservar sua posição de poder. Richard Nixon tentou encobrir as atividades ilegais do Partido Republicano durante a eleição presidencial de 1972. Essas são apenas duas das atividades imorais mais públicas dos políticos americanos; muitos outros atos imorais possivelmente foram cometidos dos quais pessoas comuns como eu nada sabem.

Não acredito que os presidentes Clinton ou Nixon fossem pessoas realmente más ou imorais e que pudessem ter entrado na política pelo motivo certo; mas em algum ponto, ambos comprometeram sua moral para manter o poder. Eles decidiram que os fins justificam os meios.

Maquiavel acreditava fortemente na importância de manter a imagem de um grande homem.

Os políticos de hoje também parecem dar grande importância à imagem. Na eleição presidencial de 2012, mais de um bilhão de dólares foi gasto em publicidade (The Washington Post). Muito comumente, veríamos anúncios focados em retratar adversários políticos como fora de alcance ou geralmente apenas pessoas más.

Os políticos não gastariam tanto em atacar a reputação dos outros se não acreditassem que essa imagem é vital. Eles estão tentando criar uma imagem positiva de si mesmos ou, pelo menos, uma imagem que seja melhor do que seus oponentes. Devido aos numerosos escândalos políticos públicos que vimos, tenho dúvidas de que todos os políticos são tão virtuosos quanto querem que acreditemos.

Maquiavel enfatiza a importância de manter os anciãos e senhores felizes. Embora não tenhamos anciãos ou senhores neste país, temos contribuintes de campanha muito ricos. As contribuições individuais para campanhas podem chegar a US $ 2.500, mas empresas, sindicatos e indivíduos ricos podem doar milhões para Super PACs.

Os políticos dependem de contribuições de campanha para vencer as eleições, então o incentivo existe para manter os interesses especiais felizes em manter as doações chegando.

Maquiavel também aconselha os príncipes a manter o povo dependente do estado.

Esse argumento tem vários lados, mas pode-se argumentar que os líderes americanos tentaram tornar o povo mais dependente do Estado. Vimos um enorme aumento no alcance do governo por meio de programas como a Previdência Social e o Obamacare, e os cínicos podem argumentar que esses programas de direitos são projetados para conquistar a boa vontade e os votos do povo. Se essa expansão do governo é uma coisa boa ou não, pode-se argumentar, mas a expansão existe mesmo assim.

Posição moral de Maquiavel

Maquiavel promove uma visão egoísta e consequente da moralidade. Os fins sempre podem ser usados para justificar os meios. Ele argumenta que os caras legais terminam em último e que manter a verdadeira virtude e honra não levará ao poder. Eu discordo veementemente da postura de Maquiavel.

Não acredito que sejamos bons juízes de quais meios são justificados por quais fins. Ao adotar uma visão consequencial, é muito fácil começar a justificar todos os meios e perder todo contato com os princípios e virtudes.

Maquiavel pode estar correto ao dizer que manter virtudes e princípios nem sempre leva ao poder ou à recompensa material, mas sua visão é muito míope. Eu perguntaria para que serve o poder, se você teve que vender sua alma para obtê-lo.

Acredito que seremos muito mais felizes e realizados no longo prazo se mantivermos nossa moralidade. Uma consciência sem culpa vale muito mais do que poder.

Normas maquiavélicas aceitas

Apesar de minhas objeções gerais e repulsa com as táticas sugeridas pelo livro, devo reconhecer que algumas das ideias de Maquiavel são fundamentais para a forma como nosso país funciona. Maquiavel é creditado como criador da filosofia política do realismo.

Ele observou que "como alguém vive está tão distante de como deve viver, que aquele que negligencia o que é feito para o que deve ser feito, mais cedo efetua sua ruína além de sua preservação." Embora em um nível pessoal, eu discorde desse ponto de vista moral e acredito que devemos nos concentrar no que deve ser feito, o realismo é uma parte aceita de como os governos funcionam.

Esperamos que nosso governo tome decisões morais difíceis que às vezes envolvem pensamento consequente.

O lançamento de uma bomba atômica que pode matar milhares e causar grande destruição seria quase impossível de se justificar usando qualquer outro ponto de vista moral que não o realismo. O pensamento filosófico e cristão tradicional nunca apoiaria a decisão de matar milhares em guerras.

Matar nunca é o que deveria ser feito pelas estruturas morais tradicionais. Mas o fato é que justificamos a guerra e a matança com os fins que ela cria: segurança e ordem mundial. Idealmente, esse não seria o caso, mas Maquiavel reconheceu que não vivemos em um mundo ideal.

Maquiavel também escreveu sobre a importância de um exército forte. Os EUA seguem em grande medida essa ideia. Gastamos mais com nossas forças armadas do que qualquer país do mundo, e nossa posição como superpotência pode ser atribuída em grande parte aos nossos sucessos militares. Como T. Boone Pickens observou em uma palestra TED no ano passado, contamos com nossos militares para proteger o petróleo e as rotas comerciais em todo o mundo. Maquiavel elogiaria nossa política militar.

O que podemos aprender com Maquiavel

Existem algumas lições positivas a serem aprendidas com o Príncipe. Maquiavel insistiu que os líderes deveriam assumir posições firmes sobre as questões. Essa pode nem sempre ser a melhor opção, mas acredito que vale a pena não ser muito inconstante em suas opiniões. É impossível agradar a todos e Maquiavel reconheceu isso.

Todos nós podemos nos beneficiar de nem sempre tentar agradar as pessoas e tomar decisões difíceis. Muitas vezes vemos políticos tentarem desesperadamente atender a todos os movimentos da opinião pública, e eles acabam perdendo credibilidade porque as pessoas não acreditam que as promessas de campanha do candidato serão realmente cumpridas.

Esta foi uma das maiores críticas a John Kerry nas eleições de 2004; na verdade, “Os dez melhores flip-flops de Kerry” é o quarto resultado no Google para a pesquisa “flip-flopper”. Maquiavel sabia que um líder forte precisava se sentir confortável em ser o bandido se isso significasse que um objetivo maior seria alcançado. Ele apenas tinha os objetivos errados em mente.

O empresário pode aprender algumas lições com Maquiavel.

Uma fusão pode ser paralela a um novo principado e uma aquisição a um principado misto. Durante uma fusão, o líder precisa estabelecer rapidamente uma base e uma cultura, como recomenda Maquiavel. Adquirir uma nova empresa pode causar alguns dos mesmos problemas para um líder de que Maquiavel fala ao adquirir um principado existente.

Os funcionários da empresa adquirida estarão acostumados com seus próprios padrões e procedimentos operacionais, e podem estar mornos quanto à nova administração. Neste caso, pode ser inteligente para o adquirente seguir o conselho de Maquiavel de passar muito tempo cara a cara com os novos funcionários. Dessa forma, ele / ela pode comunicar efetivamente novas políticas e objetivos, e o líder também pode obter uma melhor compreensão do moral e dos valores dos novos funcionários.

A definição errada de sucesso

O Príncipe descreve o sucesso simplesmente como poder, mas o poder não tem outro objetivo além de si mesmo. Como George Orwell observou em 1984, “o poder não é um meio; é um fim. ” Maquiavel não promove o uso do poder para o bem. Ele faz do poder o fim último. Eu acredito que este é o lado errado.

Em vez de buscar o poder pelo poder, os políticos e líderes devem procurar servir bem ao povo. A única preocupação de Maquiavel com o povo é manter sua felicidade para manter o poder. Eu argumento que as sociedades ficarão muito melhor se tivermos líderes que entram na política a fim de promover mudanças positivas e não para servir aos seus próprios fins.

Para contrastar com Maquiavel, olhe para George Washington. George Washington não procurou a presidência. Na verdade, alguns dizem que ele o evitou ativamente. Ele não via a presidência como um caminho para o poder, mas sim como uma tremenda responsabilidade. Mas o povo o queria (ele recebeu 100% dos votos eleitorais) e ele acreditava que o governo deveria representar o povo.

Washington foi um grande líder como presidente. No entanto, o ato mais significativo de sua presidência pode ter sido sua decisão de renunciar, uma decisão que deixaria Maquiavel perplexo. Não havia limite de mandato na época, mas Washington voluntariamente renunciou após dois mandatos. Ele não queria formar outra monarquia.

A presidência não existe para aumentar o poder de um indivíduo; existe para representar e servir o povo, e Washington sabia que um homem não poderia ser continuamente esse representante e servo (Instituto CATO “O Homem que Não Seria Rei”). George Washington não seguiu os princípios maquiavélicos, mas mesmo assim, de muitas maneiras, moldou o que se tornou o país mais poderoso do mundo.

No mundo dos negócios, seria melhor evitar o pensamento maquiavélico.

Eu sinto fortemente que aqueles que buscam estritamente poder e progresso são rápida e facilmente eliminados das organizações. Em vez disso, seria melhor buscarmos produzir um trabalho de qualidade e as promoções virão no devido tempo. Como afirmado anteriormente, a visão de Maquiavel é de muito curto prazo.

Um trabalhador que adota táticas maquiavélicas pode conseguir alguns sucessos de curto prazo, mas o trabalhador que mantém a moralidade e a virtude será muito mais feliz e bem-sucedido no longo prazo. Se há uma empresa que recompensa o comportamento maquiavélico, provavelmente não é uma empresa em que uma pessoa decente gostaria de trabalhar. Mesmo que não haja recompensa material pela virtude, a pessoa moral ainda manterá sua consciência, e isso é inestimável.

O príncipe e os titãs

Os ideais e lições escritos por Maquiavel contradizem quase tudo sobre moralidade e ética que aprendemos como Aggies e como Titãs. Não aprendemos que os Aggies não mentem, trapaceiam ou roubam, a menos que tenham um bom motivo. Espera-se que mantenhamos nossos princípios, mesmo nos momentos mais difíceis.

Em Titãs, Britt Harris não nos ensinou a buscar poder e recompensa material. Em vez disso, ele promove “visão, coragem, honestidade e preocupação com os outros” (Manual dos Titãs). Esses ideais diferem muito daqueles defendidos por Maquiavel. Controlar os outros nunca levará à felicidade ou realização que a moralidade e a bondade trarão.

Britt sempre nos ensinou, Titãs, que a sabedoria é barata, e o diretor pode encontrar tesouros de coisas boas nos livros. Esperamos apenas expressar seus agradecimentos aos Titãs se a crítica do livro trouxer sabedoria para suas vidas.

Postagem mais recente
Next Story Postagem mais antiga Página inicial
siga-nos no Instagram: @postliteral
Leia[+]
© all rights reserved
made with by templateszoo