Uma aventura pela Índia ancestral em busca por autoconhecimento: conheça o romance de estreia de Patricia Ruhman Seggiaro

Em “Destino Varanasi”, obra lançada pela editora Claraboia, a autora aborda temas como destino, redenção, a busca pela felicidade e por um sentido de vida

Tudo o que acontece tem um sentido? Até que ponto podemos influenciar no nosso destino? Devemos aceitá-lo para atingir certa paz e, talvez, também a felicidade? Essa busca por um sentido de vida, pela superação de traumas, por explicar o inexplicável, é o que une os caminhos dos personagens principais de “Destino Varanasi” (258 pág.), romance de estreia da escritora e advogada Patricia Ruhman Seggiaro (@destino_varanasi), autora paulistana radicada na Argentina há quase três décadas. Publicada agora no Brasil pela Paraquedas, selo da editora Claraboia, a obra foi lançada anteriormente na Argentina em espanhol e está disponível nas livrarias locais como "Camino a Varanasi".

Logo no início da narrativa, o leitor já se depara com uma rica descrição da Índia feita pela autora. É nesse país repleto de cores, aromas e sabores, que os caminhos da brasileira Nina, do fotógrafo argentino Pedro e do escritor e jornalista israelense Noah se cruzam. Cada um deles viaja com um objetivo distinto: Nina deseja esquecer um passado perturbador e retomar o controle de sua vida; Pedro, que luta contra seus fantasmas pessoais, ambiciona concretizar um projeto profissional junto a Noah, enquanto este anseia curar traumas de guerra.

Mas a Índia recebe os peregrinos com seus próprios planos. Ao trio de viajantes se somará Vishnu, um indiano da casta dos intocáveis, que Nina conhece assim que chega a Mumbai e que lhe transmite tradições do Oriente ancestral, misteriosamente próximas à sua alma. Cidade após cidade, os viajantes descobrirão um povo de costumes fascinantes. A caótica Déli, a Mumbai de Salman Rushdie, as miragens do Chand Baori, as cavernas de Ajanta e de Ellora, o exotismo do Rajastão destilam aromas, sabores e cores que não deixarão de surpreendê-los. Quando os quatro caminhos confluírem em Varanasi e no Ganges imortal, cada um deles levará uma oferenda para encontrar o sentido de sua própria busca.

Neste percurso às vezes intrincado -como a própria vida- emerge um aprendizado comum entre os personagens, acompanhado da história índia e dos 15 lugares onde transcorre o romance, adicionado à cultura e religiosidade local, que os leva a refletir na tentativa de curar suas feridas. Segundo a autora, a personagem principal do romance é a Índia, quem  recebe os viajantes com seus próprios planos. “É uma história de espiritualidade e tradições, de diferenças e aproximações”, completa Patricia.


Um relato, um diário, uma viagem e a necessidade de escrever

Patricia Ruhman Seggiaro nasceu em 1965 em São Paulo, Brasil, onde passou a sua infância e juventude. Viveu alguns anos em Londres e Nova York, com seu marido, antes de se estabelecer na Argentina, onde reside nos arredores de Buenos Aires. Advogada, é apaixonada pela literatura, pela história, pela arte, o contato diário com a natureza.

Desde pequena, a autora identificou uma necessidade inerente de expor suas ideias e defender posições, através das palavras, tanto no discurso oral, quanto escrito. A inclinação para a carreira do Direito foi a consequência de um processo interno, natural e orgânico.

Ler sempre foi um prazer e ao mesmo tempo um vício constantemente presente; entre suas principais referências literárias estão os autores Salman Rushdie, Margaret Atwood, Jorge Luis Borges, Leon Tolstoi, Truman Capote, Marcos Aguinis, Mario Vargas Llosa, Marguerite Yourcenar, Junichiro Tanizaki e Philippe Claudel. Porém, ela nunca se considerou criativa, até que um evento movimentou sua vida. Há alguns anos, seu principal cliente de longa data não precisou mais de seus serviços, a deixando com tempo livre para empregar em um novo projeto pessoal. “O que em um primeiro momento foi desilusão, logo se transformou em uma grande oportunidade. Decidi que necessitava de um novo projeto”, conta. 

Em adição, a mãe da advogada, uma historiadora, faleceu pouco antes, deixando de herança uma rica biblioteca, onde a autora encontrou vários tesouros, entre eles o diário da viagem à Índia escrito na década de oitenta. “Ela viajou à Índia quando eu tinha uns 20 anos, nunca esqueci seus relatos orais e aqueles transcritos em suas cartas. Escreveu um diário de viagem; mais de 30 anos depois foi usado como inspiração para planejar a nossa viagem familiar à Índia. Por tudo isto, é a ela a quem dedico este livro.”

Nesta viagem, Patricia foi tocada intimamente pela multiplicidade cultural e pela religiosidade da Índia. “Acho que todas as viagens impactam em cada um de distintas formas. Poderia dizer que esta viagem em particular foi uma imensa sacudida, tocou fundo em cada um de nós. No meu caso, provocou a erupção de uma criatividade interna até então desconhecida para mim”, evidencia a escritora que atualmente continua escrevendo. “Comecei um segundo romance há alguns meses, provisoriamente na gaveta até que ‘Destino Varanasi’ encontre seu caminho no mercado brasileiro.”

Confira um trecho da obra:


"Caminhou pausadamente os quilômetros que separavam

o mercado da Cidade Velha da casa onde Mahatma Gandhi, ‘o grande espírito’ ou ‘alma grande’ — conforme batizado pelo

poeta indiano R. Tagore —, tinha passado seus últimos cento

e quarenta e quatro dias de vida, até ser assassinado por um

radical hindu, aparentemente vinculado a grupos indianos de

extrema direita, no final de janeiro de 1948."

Adquira o livro:

 https://www.lojadaclara.com.br/destino-varanasi-patricia-ruhman-seggiaro

Acompanhe o do Instagram do livro em português: @destino_varanasi 

Acompanhe o Instagram do livro em espanhol: @camino_a_varanasi

Postar um comentário

Comentários