ENTREVISTA | Crescendo em paz com os ciclos: Joana Viana aborda a menstruação e o autocuidado em livro focado para pais e educadores



Joana Viana (@joana_viana), bióloga, pedagoga, professora de ciências e de yoga, lança Em paz com os ciclos - uma jornada de autocuidado da menina à mulher” (Editora Paraquedas, selo de publicação assistida da Claraboia, 222 pág). O livro aborda temas essenciais como menstruação e saúde adolescente de maneira prática e acessível, combinando conhecimentos científicos, yoga e ayurveda. A obra não se limita a fornecer orientações, mas também se integra ao projeto Educar para Paz, evidenciando o comprometimento de Joana com uma educação abrangente nas escolas públicas.

No âmbito pessoal, Joana Viana possui mestrado em Botânica e doutorado em Memória Social, atuando como técnica em assuntos educacionais na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Sua experiência em projetos relacionados à sustentabilidade ambiental e à saúde, aliada à prática de yoga, ayurveda e ginecologia natural, proporciona uma base sólida para a abordagem clara e sensível encontrada em "Em paz com os ciclos". A autora não apenas compartilha conhecimento, mas oferece ferramentas práticas para explorar o "bem viver" em diferentes níveis. Sua escrita, desenvolvida a partir da experiência em sala de aula e do autocuidado, torna o livro informativo e impactante para leitores de todas as idades.




Se você pudesse resumir os temas centrais do livro, quais seriam?


Educação para a paz e para o autocuidado, Menstruação, Educação, Saúde da adolescente, crescimento. Escolhi estes temas porque eu acho que são necessários para a sociedade, acho que precisamos amparar melhor as adolescentes no seu processo de crescimento.


O que motivou a escrita do livro? Como foi o processo de escrita?

Ser útil à sociedade, produzir impacto social. No início, seria um livro paradidático dirigido às adolescentes. Depois se tornou um livro para educadoras e cuidadoras de adolescentes. O que me motivou no processo foi a minha experiência em sala de aula tratando do tema menstruação e reprodução e o curso Gine-ecologia natural que eu fiz durante a pandemia, quando eu me dediquei ao estudo da saúde da mulher.


Como você definiria seu estilo de escrita?

Na escrita deste livro, o estilo é puramente claro e didático, com uma inclinação motivacional e positiva. Meu processo de escrita é bem caótico. Reescrevo quase tudo e descarto trechos inteiros. Não tenho nenhum ritual ou tipo de preparação.


Que livros influenciaram diretamente a obra?

Útero, de Leah Hazard, O que nunca te contaram sobre o seu ciclo menstrual, de Lara Briden e O futuro é ancestral, de Ailton Krenak. As duas escritoras estrangeiras abordam o útero e a menstruação a partir de uma perspectiva, ao mesmo tempo, científica e crítica. Leah Hazard traz as desigualdades históricas e a sobrecarga emocional de ser mulher. Eu acho fundamental e atual que sejamos reflexivas e honestas com relação a isto. Ailton Krenak é uma referência fundamental para que pensemos o bem viver a partir da conexão com a natureza, assumindo uma postura crítica ao modo capitalista e predatório vigente. Ainda assim, mesmo que as obras sejam uma referência importante, a influência dos ensinamentos de yoga no meu texto diferencia a abordagem das autoras e do autor. Fundamentalmente, eu acredito na importância de uma educação emocional e de uma educação da mente associada às informações científicas sobre o corpo.


Qual é a importância de reconhecer a menstruação e as sensações relacionadas como uma percepção crucial para as mulheres?

No contexto histórico atual, acredito que será cada vez mais discutido o corpo da mulher e as suas necessidades. Reconhecer a menstruação e as sensações relacionadas é fundamental para percebermos que somos cíclicas e que o ciclo menstrual é uma parte significativa das experiências femininas.

O livro fornece dicas baseadas em técnicas de Yoga para adolescentes durante a menstruação. Quais são algumas dessas dicas?


Acordar cedo para ter tempo de despertar com calma, incorporar movimento do corpo e imobilidade, respiração consciente, evitar alimentos ultraprocessados, hidratar-se adequadamente, aquecer os pés com meias ou escalda-pés, e descansar sempre que possível, com ênfase em evitar o uso de mídias sociais durante o tempo de descanso. Essas sugestões visam proporcionar alívio durante a menstruação, promovendo o bem-estar e o autocuidado. Mas, o autocuidado deve ser uma prática regular e frequente, sem que esteja restrito, unicamente, ao período menstrual. O tempo é contínuo e como nos sentimos durante a menstruação é um desdobramento de como vivemos o ciclo todo.


E como os pais e educadores podem auxiliar as adolescentes no dia a dia, durante essa fase da vida?

Incentivar a menina a observar as suas emoções sem que seja preciso reprimi-las de imediato. Sentimentos de tristeza e solidão são comuns durante a adolescência, por ser uma fase de intensa transformação. A perspectiva que os pais podem acrescentar à experiência da adolescente é que eles estão disponíveis, para uma conversa e para o cuidado. Mesmo que a adolescente negue que precise dos cuidados dos pais, é importante que ela saiba que eles estão disponíveis. Os pais devem aceitar as expressões da sua filha e evitar julgamentos. Quanto mais a adolescente se sentir tolhida, mais rebelde ela se torna. O yoga e a meditação são ferramentas de relaxamento. Os pais podem praticar técnicas de relaxamento, o que ajuda na relação com a filha e a inspira a se cuidar.
Postar um comentário

Comentários