[RESENHA #926] As Cinco Linguagens do Amor, de Gary Chapman


As diferenças gritantes no jeito de ser e de agir de homens e mulheres já não são novidade há tempos. O que continua sendo um dilema é como fazer dar certo uma relação entre duas pessoas que às vezes parecem ter vindo de planetas distintos. Compreender essas diferenças é parte da solução e é nisso que Gary Chapman vai ajudar você. Com mais de 30 anos de experiência no aconselhamento de casais, ele percebeu que cada um de nós adota uma linguagem pela qual damos e recebemos amor. Quando o casal não entende corretamente a linguagem predominante de cada um, a comunicação é afetada, impedindo que se sintam amados, aceitos e valorizados. Nesta terceira edição de sua clássica obra sobre relacionamentos, que já vendeu mais de 8 milhões de exemplares, Gary Chapman não só explica as cinco linguagens como apresenta um questionário para os maridos e outro para as esposas descobrirem a sua linguagem de amor. Além disso, uma seção especial de perguntas e respostas vai esclarecer todas as suas dúvidas e lhe dar o direcionamento sobre como expressar melhor seu amor a seu cônjuge e ajudará você a compreender a forma dele manifestar o amor. Gary Chapman identificou cinco formas através das quais as pessoas expressam e recebem as manifestações de amor: palavras de afirmação; tempo de qualidade; presentes; atos de serviço; toque físico. Aprendam, você e seu cônjuge, a se comunicar através dessas linguagens e experimentem como é ser realmente amado e compreendido.

RESENHA 

O livro As Cinco Linguagens do Amor, de Gary Chapman, é uma obra que aborda o tema dos relacionamentos amorosos, especialmente entre casais, e propõe uma forma de melhorar a comunicação e a compreensão entre as partes envolvidas. O autor, que é pastor batista, conselheiro matrimonial e escritor, baseia-se em sua experiência de mais de 30 anos no aconselhamento de casais e em sua própria vivência conjugal para apresentar as cinco formas pelas quais as pessoas expressam e recebem amor: palavras de afirmação, tempo de qualidade, presentes, atos de serviço e toque físico.

O enredo do livro é simples e direto: Chapman explica cada uma das cinco linguagens do amor, dando exemplos práticos e ilustrativos de como elas funcionam na vida real. Ele também oferece um questionário para que os leitores possam identificar a sua própria linguagem de amor e a do seu cônjuge, e dá dicas de como usar essa informação para melhorar o relacionamento. Além disso, ele aborda algumas questões comuns que podem afetar a harmonia conjugal, como as diferenças individuais, as mudanças de fase da vida, os conflitos e as crises.

Os personagens principais do livro são os próprios leitores, que são convidados a se envolver na leitura e a aplicar os conceitos apresentados em suas próprias relações. O autor também usa casos reais de casais que ele atendeu ou conheceu para ilustrar os pontos que ele quer transmitir. Alguns desses casos são bem-sucedidos, mostrando como as cinco linguagens do amor podem transformar um relacionamento frio ou problemático em um relacionamento caloroso e satisfatório. Outros casos são fracassados, mostrando como a falta de comunicação e de compreensão pode levar a um relacionamento infeliz ou à separação.

A simbologia do livro está relacionada à ideia de que o amor é uma linguagem que precisa ser aprendida e falada corretamente para que seja efetiva. O autor usa a metáfora de que cada pessoa tem um tanque emocional que precisa ser abastecido com a linguagem de amor adequada para que se sinta amada, valorizada e segura. Se o tanque emocional está vazio, a pessoa se sente frustrada, magoada e insatisfeita. Se o tanque emocional está cheio, a pessoa se sente feliz, realizada e motivada. O autor também usa a metáfora de que cada pessoa tem um dialeto específico dentro da sua linguagem de amor, que precisa ser identificado e respeitado para que a comunicação seja eficaz.

A mensagem principal do livro é que o amor é uma escolha que precisa ser renovada diariamente através de atitudes e gestos que demonstrem o interesse e o cuidado pelo outro. O autor defende que o amor não é um sentimento que surge e desaparece por acaso, mas uma habilidade que pode ser desenvolvida e aprimorada com o tempo. Ele também afirma que o amor é a base para um relacionamento saudável e duradouro, e que conhecer e falar a linguagem de amor

Postar um comentário

Comentários