[RESENHA #899] Comédias para se ler na escola, de Luis Fernando Veríssimo

A dobradinha não podia ser melhor. De um lado, as histórias de um mestre do humor. Do outro, o olhar perspicaz de uma das mais talentosas escritoras do país, especialista em literatura para jovens. Ana Maria Machado, leitora de carteirinha de Luis Fernando Verissimo, preparou uma seleção de crônicas capaz de despertar nos estudantes o prazer e a paixão pela leitura. O resultado pode ser conferido em Comédias para se ler na escola, uma rara e feliz combinação de talentos, indispensável para a sala de aula. A seleção de textos permite ao leitor mergulhar no universo das histórias e personagens de Verissimo e conhecer os múltiplos recursos deste artesão das letras. A habilidade para os exercícios de linguagem ou de estilo pode ser vista em crônicas como "Palavreado", "Jargão", "O ator" e "Siglas". A competência para desenvolver as comédias de erro está presente em "O Homem Trocado", "Suflê de Chuchu" e "Sozinhos". A mestria para criar pequenas fábulas, com moral não explícita, aparece em "A Novata", "Hábito Nacional" e "Pode Acontecer". A aptidão para resgatar memórias é a marca de "Adolescência", "A Bola" e "História Estranha". E, por fim, o dom para abordagens originais de temas recorrentes revela-se em "Da Timidez", "Fobias" e "ABC".

RESENHA

O livro Comédias para se ler na escola é uma coletânea de crônicas humorísticas escritas por Luis Fernando Veríssimo, um dos mais consagrados e populares autores brasileiros da atualidade. A seleção dos textos foi feita por Ana Maria Machado, outra renomada escritora e especialista em literatura infantojuvenil, que também assina o prefácio da obra. O livro foi publicado pela primeira vez em 2001, pela editora Objetiva, e já teve várias edições e reimpressões desde então.

As crônicas de Veríssimo abordam temas variados, desde as situações cotidianas e inusitadas que podem acontecer com qualquer pessoa, até as peculiaridades da língua portuguesa e da cultura brasileira. O autor utiliza um estilo leve, irônico e criativo, que provoca o riso e a reflexão do leitor. As histórias são curtas e dinâmicas, ideais para serem lidas na escola ou em qualquer outro lugar.

O livro está dividido em seis partes, cada uma com um tema específico: “Enganos”, “Linguagem”, “Família”, “Escola”, “Identidade” e “Comportamento”. Em cada parte, há cerca de dez crônicas, que podem ser lidas em qualquer ordem. Algumas das mais famosas e divertidas são: “O homem trocado”, “Palavreado”, “O ator”, “A novata”, “Da timidez” e “ABC”.

O contexto histórico, cultural, político e social em que o livro foi escrito é o do Brasil no início do século XXI, um período marcado por transformações econômicas, sociais e tecnológicas, mas também por problemas como a violência, a corrupção e a desigualdade. Veríssimo retrata esse cenário com humor e crítica, mas sem perder a esperança e a simpatia pelo seu país e pelo seu povo.

Um fato curioso sobre o livro é que ele foi inspirado em uma experiência pessoal de Ana Maria Machado, que, ao visitar uma escola pública no Rio de Janeiro, descobriu que os alunos não tinham acesso a livros de literatura, apenas a livros didáticos. Ela então resolveu doar alguns exemplares de crônicas de Veríssimo para a biblioteca da escola, e ficou surpresa com o sucesso que eles fizeram entre os estudantes. A partir daí, ela teve a ideia de organizar uma antologia com as melhores crônicas do autor, voltada para o público jovem.

A resenha crítica sobre o livro é que se trata de uma obra de grande valor literário e pedagógico, que estimula o gosto pela leitura e pelo humor, além de ampliar o repertório cultural e linguístico dos leitores. Veríssimo demonstra sua maestria como cronista, capaz de transformar o cotidiano em arte, e de fazer rir e pensar ao mesmo tempo. Ana Maria Machado, por sua vez, mostra sua sensibilidade e competência como selecionadora e prefaciadora, oferecendo uma ótima introdução ao universo de Veríssimo. Comédias para se ler na escola é, portanto, um livro imperdível para quem quer se divertir e aprender com a literatura.

Postar um comentário

Comentários