[RESENHA #897] O animal social, de Elliot Aronson

Publicado pela primeira vez em 1972, O animal social se destaca por reunir uma produção científica de qualidade, um texto instigante e um tema que chama a atenção de simplesmente todo mundo: o comportamento humano.

Referência nos estudos de psicologia social, este livro explica por que a pesquisa nessa área é tão relevante e como pode nos ajudar a compreender, e talvez começar a resolver, alguns dos problemas que afligem a sociedade contemporânea.

Ao discutir questões perturbadoras como preconceito, cultura da violência e efeitos da comunicação – e da persuasão – de massa, passando por temas tão diversos como atração pessoal, bullying, política, propaganda e ética, Elliot e Joshua Aronson revelam os padrões e motivações que levam os seres humanos a agir de determinada forma.

Acessível sem subestimar a inteligência do leitor, O animal social segue atingindo uma ampla gama de interessados. Sem nunca abandonar o rigor da pesquisa, abre-se a uma narrativa leve, espirituosa, pontuada com exemplos da vida real com os quais todos nos identificamos. Uma obra única que pensa a ciência do comportamento de forma exemplar.

Ao nos levar a pensar naquilo que motiva nossas ações, O animal social se mostra um caminho inesgotável para refletirmos sobre nossas ações pessoais e comportamentos sociais.

RESENHA

O animal social é um livro de psicologia social escrito por Elliot Aronson, um dos mais renomados e influentes psicólogos do século XX. O livro foi publicado pela primeira vez em 1972 nos Estados Unidos, e desde então tem sido atualizado e revisado pelo autor e seu filho Joshua Aronson, também psicólogo social. A edição mais recente em português é de 2023, pela editora Goya.

O livro aborda diversos temas relacionados ao comportamento humano em grupo, como atração, preconceito, agressividade, persuasão, conformidade, obediência, dissonância cognitiva, autoestima, entre outros. O autor utiliza exemplos da vida real, experimentos científicos e uma linguagem acessível e envolvente para explicar os conceitos e teorias da psicologia social, mostrando como eles podem nos ajudar a compreender e resolver alguns dos problemas que afligem a sociedade contemporânea.

O animal social é considerado um clássico das ciências humanas, e tem sido adotado como livro-texto em diversas universidades e cursos de psicologia, sociologia, comunicação, educação, administração, entre outros. O livro também tem sido elogiado por leitores leigos, que se interessam pelo tema e buscam ampliar seus conhecimentos sobre o comportamento humano. O livro já vendeu mais de três milhões de cópias em todo o mundo, e foi traduzido para mais de 20 idiomas.

O livro reflete o contexto histórico, cultural, político e social em que foi escrito e revisado, abordando questões relevantes para cada época, como a guerra do Vietnã, o movimento pelos direitos civis, o terrorismo, a globalização, as redes sociais, a pandemia de Covid-19, entre outras. O autor também compartilha suas experiências pessoais e profissionais, revelando sua trajetória acadêmica, suas influências teóricas, seus desafios e conquistas, e sua visão crítica e humanista da psicologia social.

O livro é dividido em 16 capítulos, que podem ser lidos de forma independente ou sequencial. Cada capítulo apresenta uma introdução, um desenvolvimento, uma conclusão e uma seção de perguntas e sugestões para reflexão e discussão. Alguns trechos do livro são:

- "A psicologia social é a ciência que estuda a influência que as pessoas exercem umas sobre as outras. Ela nos ajuda a compreender por que as pessoas se comportam da maneira como se comportam em determinadas situações sociais." (Capítulo 1, p. 17)

- "A atração interpessoal é um fenômeno complexo, que envolve vários fatores, como a proximidade física, a semelhança, a reciprocidade, a beleza, a personalidade, o humor, entre outros. A atração também é influenciada pelo contexto social e cultural, que define os padrões de desejabilidade e de compatibilidade entre as pessoas." (Capítulo 2, p. 43)

- "O preconceito é uma atitude negativa em relação a um grupo ou a seus membros, baseada em estereótipos e generalizações. O preconceito pode levar à discriminação, que é um comportamento que exclui, rejeita ou prejudica os membros de um grupo. O preconceito e a discriminação podem ter origens individuais, grupais ou institucionais, e podem ser motivados por fatores emocionais, cognitivos ou sociais." (Capítulo 7, p. 179)

- "A persuasão é o processo pelo qual uma pessoa ou um grupo tenta mudar a opinião, a atitude ou o comportamento de outra pessoa ou grupo, usando argumentos, evidências, apelos ou outros recursos. A persuasão pode ser usada para fins positivos ou negativos, dependendo das intenções e dos valores dos persuasores e dos persuadidos." (Capítulo 9, p. 237)

- "A dissonância cognitiva é um estado de tensão psicológica que ocorre quando uma pessoa tem duas cognições (pensamentos, crenças, atitudes, etc.) que são inconsistentes ou contraditórias entre si. A dissonância cognitiva pode levar a pessoa a mudar uma de suas cognições, a buscar informações que confirmem suas cognições, ou a justificar suas cognições de alguma forma." (Capítulo 11, p. 293)

O animal social é um livro que merece ser lido por todos aqueles que se interessam pelo comportamento humano e pela sociedade. O livro é uma obra de referência, que combina rigor científico, clareza didática e sensibilidade social. O autor consegue transmitir os conhecimentos da psicologia social de forma atraente e relevante, estimulando o leitor a pensar criticamente e a aplicar os conceitos e teorias à sua própria vida e ao seu contexto. O livro é um convite à reflexão, à compreensão e à transformação do animal social que somos.

Postar um comentário

Comentários