[RESENHA #868] A hora da estrela, de Clarice Lispector


Pouco antes de morrer, em 1977, Clarice Lispector decide se afastar da inflexão intimista que caracteriza sua escrita para desafiar a realidade. O resultado desse salto na extroversão é A hora da estrela, o livro mais surpreendente que escreveu. Se desde Perto do coração selvagem, seu romance de estreia, Clarice estava de corpo inteiro, todo o tempo, no centro de seus relatos, agora a cena é ocupada por personagens que em nada se parecem com ela.

A nordestina Macabéa, a protagonista de A hora da estrela, é uma mulher miserável, que mal tem consciência de existir. Depois de perder seu único elo com o mundo, uma velha tia, ela viaja para o Rio, onde aluga um quarto, se emprega como datilógrafa e gasta suas horas ouvindo a Rádio Relógio. Apaixona-se, então, por Olímpico de Jesus, um metalúrgico nordestino, que logo a trai com uma colega de trabalho. Desesperada, Macabéa consulta uma cartomante, que lhe prevê um futuro luminoso, bem diferente do que a espera.

Clarice cria até um falso autor para seu livro, o narrador Rodrigo S.M., mas nem assim consegue se esconder. O desejo de desaparecimento, que a morte real logo depois consolidaria, se frustra.

Entre a realidade e o delírio, buscando social enquanto sua alma a engolfava, Clarice escreveu um livro singular. A hora da estrela é um romance sobre o desamparo a que, apesar do consolo da linguagem, todos estamos entregues.

― JOSÉ CASTELLO, Jornalista, escritor e Mestre em Comunicação pela UFRJ

RESENHA

A hora da estrela é um dos últimos livros da escritora brasileira Clarice Lispector, publicado em 1977, pouco antes de sua morte. A obra narra a vida de Macabéa, uma jovem nordestina que migra para o Rio de Janeiro em busca de melhores condições. Macabéa é uma personagem que representa a pobreza, a alienação e a falta de sentido da existência humana. Ela trabalha como datilógrafa, vive em uma pensão miserável, namora um rapaz ambicioso que a trai com uma colega de trabalho e tem como único prazer ouvir um rádio relógio. A história é contada por um narrador chamado Rodrigo S.M., que se mostra angustiado, irônico e metalinguístico ao criar e comentar a personagem. O livro termina com a morte de Macabéa, atropelada por um carro, no momento em que ela se sente feliz após consultar uma cartomante.

A hora da estrela é uma obra que reflete o contexto histórico e social do Brasil na década de 1970, marcado pela ditadura militar, pela desigualdade social e pela repressão cultural. Clarice Lispector, que nasceu na Ucrânia e veio para o Brasil ainda criança, foi uma das principais escritoras do modernismo brasileiro, pertencente à terceira geração do movimento. Suas obras se caracterizam pelo estilo intimista, psicológico e existencialista, explorando as questões mais profundas da alma humana. Clarice Lispector escreveu romances, contos, crônicas, ensaios e livros infantis, sendo reconhecida nacional e internacionalmente como uma das maiores autoras da literatura brasileira.

A hora da estrela é uma obra que provoca o leitor a refletir sobre o sentido da vida, a condição humana, a opressão social e a arte literária. Algumas citações marcantes do livro são:

  • “Quem já não se perguntou: sou um monstro ou isto é ser uma pessoa?”
  • “Ela acreditava em anjo e, porque acreditava, eles existiam.”
  • “Tudo no mundo começou com um sim. Uma molécula disse sim a outra molécula e nasceu a vida.”
  • “E agora — agora só me resta acender um cigarro e ir para casa. Meu Deus, só agora me lembrei que a gente morre. Mas — mas eu também?! Não esquecer que por enquanto é tempo de morangos."

A hora da estrela se diferencia das outras obras de Clarice Lispector por apresentar uma personagem que não tem consciência de si mesma, que não questiona sua existência, que não busca o autoconhecimento. Macabéa é o oposto das outras protagonistas de Clarice, que são mulheres sofisticadas, cultas, introspectivas e angustiadas. No entanto, a obra também se assemelha às outras de Clarice por mostrar a solidão, a morte, a linguagem e a transcendência como temas centrais. A hora da estrela é considerada uma obra-prima de Clarice Lispector, que sintetiza sua trajetória literária e sua visão de mundo.

A hora da estrela é uma obra que ensina e aprende com o leitor. Ela ensina sobre a realidade brasileira, sobre a marginalização dos pobres, sobre a violência das grandes cidades, sobre a exploração do trabalho, sobre a falta de oportunidades e de educação. Ela também ensina sobre a arte de escrever, sobre a relação entre o autor e a personagem, sobre a função da literatura, sobre a criatividade e a originalidade. Ela aprende com o leitor sobre a sensibilidade, a compaixão, a empatia, a identificação, a interpretação e a crítica. Ela aprende com o leitor sobre a diversidade, a complexidade, a beleza e a dor da vida humana.

Lista de personagens da obra:

  • Macabéa: a protagonista, uma nordestina pobre e ignorante que vive no Rio de Janeiro como datilógrafa.
  • Rodrigo S.M.: o narrador, um escritor que cria e comenta a personagem Macabéa.
  • Olímpico de Jesus: o namorado de Macabéa, um nordestino ambicioso e metalúrgico que a abandona por Glória.
  • Glória: a colega de trabalho de Macabéa, uma carioca bonita e esperta que rouba o namorado dela.
  • Madama Carlota: a cartomante que prevê o futuro de Macabéa e lhe dá esperanças.
  • Seu Raimundo: o patrão de Macabéa, um representante de roldanas que quase a demite por causa dos seus erros.
  • As quatro Marias: as companheiras de quarto de Macabéa na pensão, todas balconistas das Lojas Americanas.

O período histórico da obra é a década de 1970, no Brasil, durante a ditadura militar. A obra retrata o contraste entre o desenvolvimento econômico e a desigualdade social, entre a modernização urbana e a precariedade das condições de vida, entre a censura política e a resistência cultural.

A importância e a relevância cultural da obra são enormes, pois a obra é um marco da literatura brasileira e mundial, uma obra que transcende o tempo e o espaço, que dialoga com outras obras e autores, que inspira novas leituras e criações, que desafia e encanta o leitor.

Clarice Lispector nasceu em 10 de dezembro de 1920, em Tchetchelnik, na Ucrânia. Seu nome de nascimento era Haia Pinkhasovna Lispector. Ela veio para o Brasil com sua família em 1922, fugindo da perseguição aos judeus na Europa. Ela viveu em Maceió, Recife, Rio de Janeiro, Belém e Brasília. Ela se formou em Direito, trabalhou como jornalista e diplomata, casou-se com Maury Gurgel Valente, com quem teve dois filhos, Pedro e Paulo. Ela se separou do marido em 1959 e voltou a morar no Rio de Janeiro. Ela publicou seu primeiro livro, Perto do coração selvagem, em 1943, aos 23 anos. Ela escreveu mais de 20 livros, entre romances, contos, crônicas, ensaios e livros infantis. Ela morreu em 9 de dezembro de 1977, no Rio de Janeiro, vítima de um câncer de ovário. Ela é considerada uma das maiores escritoras da literatura brasileira e mundial.

Postar um comentário

Comentários