[RESENHA #810] Tabacaria, de Fernando Pessoa

Tabacaria é possivelmente o mais consagrado poema escrito em língua portuguesa — ou ao menos o mais citado e reconhecido pelo grande público. Escrito em 1928, embora publicado em 1933 (na revista Presença), “Tabacaria” é atemporal. Através desta edição ilustrada a Língua Geral pretende apresentar o clássico poema de Fernando Pessoa às crianças. Em versão bilíngue, simultaneamente em português e inglês, a edição também conta com a leitura guiada de Richard Zenith, um dos maiores especialistas na obra do poeta Fernando Pessoa.

RESENHA

Tabacaria é um livro que reúne o poema homônimo de Álvaro de Campos, um dos heterônimos mais famosos de Fernando Pessoa, e outros textos do autor que dialogam com a temática da obra. O poema Tabacaria foi escrito em 1928 e publicado em 1933 na revista Presença, uma das principais publicações do modernismo português. O livro foi organizado por Teresa Rita Lopes, uma das maiores especialistas na obra de Pessoa, e conta com um prefácio, notas explicativas e um glossário.

O estilo de Fernando Pessoa é marcado pela heteronímia, ou seja, pela criação de diferentes personalidades literárias que expressam diferentes visões de mundo, estilos e temas. Álvaro de Campos é considerado o heterônimo mais complexo e contraditório de Pessoa, pois passa por três fases distintas: a decadentista, a futurista e a intimista. O poema Tabacaria pertence à última fase, na qual o poeta se mostra desiludido, angustiado e solitário, em contraste com o entusiasmo e a euforia das fases anteriores.

O poema Tabacaria não possui personagens no sentido tradicional, mas sim uma voz poética que se dirige ao leitor e ao mundo, revelando seus pensamentos, sentimentos e impressões. A única referência a um outro ser é a tabacaria do outro lado da rua, que funciona como um símbolo da realidade exterior, da qual o poeta se sente alheio e distante. A tabacaria também representa a banalidade, a rotina e a mediocridade da vida cotidiana, que contrastam com os sonhos e as aspirações do poeta.

O poema Tabacaria é uma obra que ensina ao leitor sobre a condição humana, sobre o sentido da existência e sobre a arte poética. O poeta questiona sua identidade, sua capacidade de criar, sua relação com o mundo e com a morte, sua busca por uma verdade e por uma felicidade que nunca alcança. O poema é um retrato da crise existencial do homem moderno, que se sente perdido, fragmentado e alienado em uma sociedade que valoriza o progresso, a razão e a ciência. O poema também é uma reflexão sobre o papel do poeta, que se vê dividido entre a realidade e o sonho, entre o ser e o parecer, entre o fazer e o sentir.

O poema Tabacaria é repleto de citações marcantes, que demonstram a genialidade e a originalidade de Fernando Pessoa. Algumas delas são:

- "Não sou nada. Nunca serei nada. Não posso querer ser nada. À parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo."

- "Estou hoje vencido, como se soubesse a verdade. Estou hoje lúcido, como se estivesse para morrer."

- "Falhei em tudo. Como não fiz propósito nenhum, talvez tudo fosse nada."

- "Não, não creio em mim. Em todos os manicómios há doidos malucos com tantas certezas!"

- "O mundo é para quem nasce para o conquistar E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão."

- "Assim escrevo, querendo sentir a vida, Mesmo que a minha vida seja uma gota de orvalho numa teia de aranha."

O poema Tabacaria se insere no contexto histórico do modernismo, um movimento artístico e cultural que surgiu no início do século XX e que buscava romper com as tradições e as convenções do passado, propondo novas formas de expressão e de representação da realidade. O modernismo português teve como marco inicial a publicação da revista Orpheu, em 1915, da qual Fernando Pessoa foi um dos fundadores e colaboradores. O modernismo português se caracterizou pela diversidade de tendências e de estilos, pela experimentação formal e temática, pela valorização da subjetividade e da individualidade, pela influência de correntes filosóficas e artísticas europeias, como o simbolismo, o expressionismo, o surrealismo, o existencialismo, entre outras.

O poema Tabacaria possui uma forte carga simbólica, que se manifesta através de imagens, metáforas, contrastes e paradoxos. Alguns dos principais símbolos presentes no poema são:

- A janela: representa a abertura para o mundo exterior, mas também a separação entre o poeta e a realidade, entre o sonho e a vida.

- A rua: representa o movimento, a diversidade, a mudança, mas também a indiferença, a superficialidade, a incomunicabilidade.

- A tabacaria: representa a materialidade, a objetividade, a normalidade, mas também a insignificância, a monotonia, a mediocridade.

- O comboio: representa o progresso, a velocidade, a modernidade, mas também a alienação, a mecanização, a desumanização.

- A mansarda: representa o isolamento, a solidão, a marginalidade, mas também a liberdade, a criatividade, a originalidade.

A importância e a relevância cultural do poema Tabacaria são inquestionáveis, pois se trata de uma das obras-primas da literatura portuguesa e mundial, que revela a genialidade e a complexidade de Fernando Pessoa, um dos maiores poetas de todos os tempos. O poema Tabacaria é um testemunho da sensibilidade, da inteligência e da criatividade de Pessoa, que soube captar e expressar as angústias, as dúvidas e as contradições do homem moderno, que se confronta com a sua própria existência e com o seu papel no mundo. O poema Tabacaria é também uma fonte de inspiração e de reflexão para os leitores de todas as épocas, que se identificam com os sentimentos e os questionamentos do poeta, que busca um sentido para a sua vida e para a sua arte.

Fernando Pessoa nasceu em Lisboa, em 13 de junho de 1888, e morreu na mesma cidade, em 30 de novembro de 1935. Foi um poeta, escritor, tradutor, filósofo, astrólogo e publicitário, que se destacou pela criação de vários heterônimos, cada um com uma personalidade, um estilo e uma biografia próprios. Além de Álvaro de Campos, os seus heterônimos mais conhecidos são Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Bernardo Soares. Pessoa também escreveu sob o seu próprio nome, mas com diferentes assinaturas, como Fernando Pessoa ortónimo, Fernando Pessoa ele mesmo, Fernando Pessoa ele-próprio, entre outras. Pessoa foi um dos principais representantes do modernismo português e um dos maiores poetas da língua portuguesa e da literatura universal. A sua obra é vasta e diversificada, abrangendo diversos gêneros, como poesia, prosa, ensaio, crítica, teatro, ficção, cartas, diários, etc. A maior parte da sua obra foi publicada postumamente, graças ao trabalho de recuperação e organização dos seus textos, que foram encontrados em uma arca, conhecida como o baú de Pessoa.

Tabacaria é um livro que nos oferece a oportunidade de entrar em contato com uma das obras mais fascinantes e profundas da literatura portuguesa e mundial, o poema Tabacaria, de Álvaro de Campos, heterônimo de Fernando Pessoa. O poema é um mergulho na alma do poeta, que nos revela os seus sonhos, as suas angústias, as suas dúvidas e as suas contradições, em uma linguagem rica, expressiva e original, que nos surpreende e nos emociona. O livro também nos apresenta outros textos de Pessoa que dialogam com o poema Tabacaria, ampliando a nossa compreensão e o nosso apreço pela obra. O livro conta ainda com o prefácio, as notas e o glossário de Teresa Rita Lopes, uma das maiores especialistas na obra de Pessoa, que nos ajuda a situar o poema no contexto histórico, cultural e biográfico do autor, e a esclarecer as referências, os símbolos e as nuances do texto. Tabacaria é um livro indispensável para quem gosta de poesia, de literatura e de arte, e para quem quer conhecer melhor a obra de Fernando Pessoa, um dos maiores gênios da humanidade.

Postar um comentário

Comentários