[RESENHA #781] Punição para inocência, de Agatha Christie

Se Jacko Argyle não matou a própria mãe, quem é o culpado? Participe de um intrigante jogo de detetive e tente desvendar verdades ocultas, segredos familiares um drama criminal com raízes no passado em um dos livros favoritos de Agatha Christie.

Jacko Argyle é detido sob alegação de que teria assassinado sua mãe em um surto de loucura, sendo condenado à prisão perpétua. Dois anos depois, surge uma prova, encontrada pelo doutor Arthur Calgary, de que o preso é inocente, mas a descoberta chega tarde demais: Jacko morre atrás das grades. Os achados do doutor reabrem as feridas dos membros da família, que passam a encarar uns aos outros com desconfiança e suspeita, assombrados com a possibilidade de que o verdadeiro assassino ainda esteja entre eles. 

RESENHA

Punição para a inocência é um romance policial da renomada escritora inglesa Agatha Christie, publicado em 1958. A obra é considerada uma das favoritas da autora, que a dedicou ao seu marido, o arqueólogo Max Mallowan. A trama gira em torno de um crime ocorrido dois anos antes, quando Rachel Argyle, uma rica e generosa senhora, foi assassinada em sua mansão. Seu filho adotivo, Jacko, foi condenado pelo homicídio, mas morreu na prisão antes de provar sua inocência. A família tenta seguir em frente, até que um estranho visitante, o doutor Arthur Calgary, aparece com uma prova irrefutável de que Jacko era inocente. Essa revelação abala a todos e reabre o caso, colocando todos os membros da família sob suspeita. Quem teria matado Rachel e por quê?

O estilo de Agatha Christie é marcado pela sua habilidade em criar enredos complexos e surpreendentes, com pistas falsas, reviravoltas e soluções inesperadas. A autora também se destaca pela sua ironia e humor, que permeiam as descrições dos personagens e dos cenários. Em Punição para a inocência, Christie explora os temas da culpa, da justiça, da família e da memória, mostrando como um crime pode afetar a vida de todos os envolvidos. A obra também reflete o contexto histórico da Inglaterra pós-guerra, com suas mudanças sociais e culturais.

Os principais personagens do livro são os membros da família Argyle, que vivem na mansão Sunny Point, em Devon. Eles são:

- Leo Argyle: o viúvo de Rachel, um historiador bondoso e distraído, que tenta manter a família unida.

- Gwenda Vaughan: a segunda esposa de Leo, uma jovem e bela enfermeira, que se casa com ele após a morte de Rachel.

- Mary Durrant: a filha adotiva mais velha de Rachel, uma mulher séria e controladora, que se sente responsável pelos irmãos.

- Philip Durrant: o marido de Mary, um ex-piloto de guerra, que ficou paralítico após um acidente e se tornou amargo e sarcástico.

- Hester Argyle: a filha adotiva mais nova de Rachel, uma moça impulsiva e rebelde, que se apaixona pelo doutor Calgary.

- Micky Argyle: o filho adotivo mais velho de Rachel, um homem charmoso e irresponsável, que vive de pequenos golpes e aventuras amorosas.

- Tina Argyle: a filha adotiva mais tímida de Rachel, uma artista talentosa e sensível, que sofre de baixa autoestima.

- Jacko Argyle: o filho adotivo mais problemático de Rachel, um rapaz inteligente e ambicioso, que foi acusado de matar a mãe e morreu na prisão.

- Arthur Calgary: o visitante que traz a prova da inocência de Jacko, um geólogo que esteve na Antártida e desconhecia o desfecho do caso. Ele se sente culpado por não ter aparecido antes e decide ajudar a família a encontrar o verdadeiro assassino.

Além dos personagens principais, há também outros que têm papel importante na história, como o inspetor Huish, que reabre o caso; o advogado da família, Robert Blair; a governanta da mansão, Kirsten Lindstrom; e o vigário local, Stephen Restarick.

A obra é repleta de ensinamentos e citações marcantes, que revelam a visão de mundo e a personalidade dos personagens. Algumas delas são:

- \"A justiça está, afinal, nas mãos dos homens, e os homens são falíveis.\" (Rachel Argyle)

- \"Há aqueles que dão errado porque nasceram num lar infeliz e sentem, em essência, carência de afeto. E há aqueles que dão errado porque diante do mínimo desvio vão para o lado ruim.\" (Rachel Argyle)

- \"O culpado não foi condenado e, ao mesmo tempo, o inocente não está livre da sombra da acusação.\" (Arthur Calgary)

- \"A verdade é sempre simples. É a mentira que é complicada.\" (Hercule Poirot)

- \"O passado é o passado. Não se pode mudá-lo. Só se pode aceitá-lo.\" (Leo Argyle)

A obra também apresenta alguns elementos simbólicos, como o retrato de Rachel, que domina a sala de estar da mansão e parece observar e julgar os seus familiares; o relógio de sol, que marca o tempo e a morte; e o poema \"A Balada de Reading Gaol\", de Oscar Wilde, que é recitado por Jacko e fala sobre o sofrimento dos prisioneiros.

Punição para a inocência é uma obra de grande importância e relevância cultural, pois mostra a maestria de Agatha Christie em criar uma história policial envolvente e original, que desafia e surpreende o leitor até o final. A obra também é um retrato da sociedade inglesa da época, com seus costumes, valores e conflitos. Além disso, a obra é um exemplo de como a literatura pode abordar temas universais, como o bem e o mal, a culpa e a redenção, a verdade e a mentira, de forma criativa e instigante.

Agatha Christie foi uma das maiores escritoras do século XX, tendo publicado mais de 80 livros, que venderam mais de quatro bilhões de cópias em todo o mundo. Ela foi a criadora de personagens icônicos, como Hercule Poirot, Miss Marple, Tommy e Tuppence, entre outros. Ela também foi uma mulher à frente de seu tempo, que viajou pelo mundo, participou de expedições arqueológicas e se envolveu em causas sociais. Ela recebeu diversos prêmios e honrarias, como o título de Dama do Império Britânico, e foi considerada a Rainha do Crime.

Em conclusão, Punição para a inocência é um livro que merece ser lido por todos os fãs de literatura policial, pois é uma obra-prima do gênero, que combina suspense, mistério, humor e emoção. É também uma obra que nos faz refletir sobre a natureza humana e as consequências de nossas ações. É um livro que nos prende do início ao fim e que nos deixa com a sensação de ter vivido uma grande aventura.

Postar um comentário

Comentários