Pelo direito de publicar: mineira Terezinha Malaquias, radicada na Alemanha, integra coletânea que será lançada na FLIP, dia 24

 

A multiartista mineira Terezinha Malaquias  (@terezinhamalaquias)  integra a coletânea “Pelo direito de publicar”, da editora Toma Aí Um Poema, que lança a obra durante a Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), em Paraty, no Rio de Janeiro. O evento acontece no dia 24 de novembro, às 17h, na Casa Ópera (Rua Marechal Santos Dias, 25). A autora estará presente.


Terezinha nasceu em Frutal, interior de Minas Gerais, há cerca de 610 km de Belo Horizonte, capital do estado. Dos cinco aos dez anos, viveu em uma fazenda, onde foi alfabetizada inicialmente pela sua irmã mais velha Maria Célia. Ainda aos 10, ao mudar-se com a família da área rural para a região urbana, passou a frequentar a escola, onde escreveu o primeiro poema.  


A verve artística apareceu cedo para Malaquias, que rememora uma ocasião onde pediu aos pais para mudar-se para São Paulo em vista do desejo de ser cantora, aos cinco anos. Criativa e ambiciosa, atuou inicialmente como modelo. Mais tarde, descobriu-se também como performer, poeta e escritora. Atualmente, ela se intitula uma artista de palco, transitando entre a performance, videoarte, desenho, pintura, bordado, instalação artística e escrita criativa — seu trabalho pode ser acessado via site oficial (www.terezinhamalaquias.com) e suas performances e videoartes estão disponibilizadas para visualização em seu canal do YouTube (www.youtube.com/@TereMalaquias/videos). 


Apesar das muitas linguagens, Malaquias reconhece eixos comuns às suas produções, como as questões relacionadas à mulher, à violência, ao racismo, à ancestralidade e ao cotidiano, amarradas principalmente pela noção de universalidade das experiências. “Demorou para entender que o que produzo, se é inspirado em minhas próprias experiências ou em vivências de pessoas próximas. Não são pessoais, mas tocam em temas universais, não importa em que lugar do planeta nos encontramos”. 


Em seu trabalho como escritora, isso é evidente pelas autoras que cita como referência, caso de Adélia Prado (1935), Conceição Evaristo (1946) e Ryane Leão (1989). Além de "Banzo e Afetos", Malaquias também é autora dos livros "Do Jeito da Gente" (2021), com edições bilíngues Portugues-Alemão e Português-Inglês e "Menina Coco" (2018), em Português-Alemão — ambos títulos voltados ao público infantil —; além de "Teodoro" (2021), "Modelo Vivo" (2005) e outras obras e coletâneas publicadas em que é co-autora. 


Desde 2008, Malaquias reside na Alemanha. Mora em Freiburg, a cerca de 800 km de Berlim, capital do país. É formada pela Edith Maryon Kunstschule, escola de arte de Freiburg, e atua há 12 anos em galerias do centro cultural E-werk Freiburg, além de seguir com seus trabalhos como artista. 

Exposição da artista segue até dia 12 de dezembro, em São Paulo

Até o dia 12 de dezembro, o Instituto Sarath, em São Paulo, recebe também sua exposição "Olhe Para Mim ... Schau Mich An ...", de fotoperformances. "Identidade é um conceito refletido em suas fotoperformances e autorretratos. Nelas, Terezinha, como uma mulher, afro-brasileira e imigrante nos provoca e nos leva a pensar sobre como o nosso olhar distraído, ensimesmado ou autorreferente pode relegar pessoas ou grupos sociais a uma espécie de anonimato ou invisibilidade social", explica Onésimo Alves Pereira, um dos curadores da exposição no texto de apresentação. 


Em suas obras, a artista evoca narrativas que remetem à história da arte ocidental, brasileira e africana. "Através de tecidos, objetos e wearable art, a performer se refere a ícones da arte moderna como Alexander Calder, quando faz uso do arame para criar objetos que se envolvem em seu corpo; Marcel Duchamp e seus ready-mades, quando se apropria de objetos, como rolos de papel higiênico, escovas, cabides, utensílios de cozinha como facas e espátulas, violão etc; e Arthur Bispo do Rosário com objetos (wearable art) que podem se referir ao seu particular modus operandi de escrever e desenhar através do bordado", observa Onésimo.


A exposição "Olhe Para Mim ... Schau Mich An ..." estará aberta à visitação de terça a sábado, das 10h às 19h, no Instituto Sarath (Rua Eça de Queiroz, 346 | Vila Mariana - SP). A entrada é gratuita.


Acesse o site oficial da artista: www.terezinhamalaquias.com 

Postar um comentário

Comentários