Dharma: livro de fantasia baseado em tradições budistas acompanha jornada para reequilibrar a energia do mundo

Mineira Carolina Magaldi se inspira em obras consagrados para criar um épico que evidencia o poder do amadurecimento na vida dos jovens


“Essas ondas não vieram da dúvida, mas sim das certezas. Pessoas se convenceram do que deveriam acreditar e geraram consequências que lhe roubaram uma 

parcela impensável de sua empatia e, consequentemente, de sua humanidade. Por isso os catalistas de sua geração são tão assolados por dúvidas e incertezas, quase como uma defesa da Dharma tentando impedir que aconteça novamente”

Trecho do livro


O primeiro livro de uma trilogia, Dharma (Editora Paratexto, 130 pág.) da escritora, tradutora e professora acadêmica mineira Carolina Magaldi, oferece ao leitor um universo em que pessoas são selecionadas e treinadas para manter o fluxo de energia do mundo. A principal forma de evitar um cataclismo é direcionar e dar fluidez à energia emanada por todos a partir de emoções e sentimentos. A operação é silenciosa e realizada à sombra da maior parte da população. A obra, que se assemelha aos melhores livros de ficção e fantasia, pode parecer complexa à primeira vista, mas à medida que as primeiras páginas são passadas, mostra-se lógica, eloquente e cativante.


O livro é dividido em 12 capítulos intitulados com variações da palavra mudra de origem oriental. “São diferentes mudras, que são gestos comuns às tradições budistas e yogis. Cada um tem um tema, que está ligado aos acontecimentos do capítulo”, explica Carolina. A escolha evidencia a inspiração nas tradições budistas que marcam a obra. No início da história o leitor é apresentado a Jade, uma jovem mulher, protagonista do livro. O enredo tem como pano de fundo a Dharma, o lugar em que as personagens vivem e desenvolvem suas próprias habilidades. A jornada da protagonista tem três momentos-chave: o início da história em que é lhe concedida uma nova missão, em seguida, o estreitamento dos laços afetivos com os colegas da Dharma, e, por fim, a revelação de segredos ocultos e a preparação para o enfrentamento do que tornou o mundo disfuncional a partir de um desequilíbrio energético. 


As implicações emocionais desse percurso na protagonista, desde a hesitação, passando pelos medos e receios, e por fim a aceitação dos desafios impostos pelas circunstâncias, revela os assuntos que a autora quis destacar na obra. “Creio que os temas centrais sejam a evolução e o amadurecimento de cada um como algo positivo e natural, perpassando a vida mundana e a espiritual, como algo que se constrói aos poucos”, ressalta Magaldi. 


A construção da personalidade de Jade na obra, em contraposição ao estereótipo de gênero visto em muitos livros de fantasia, também é um ponto para o qual a autora chama a atenção. “Há uma distorção no que se entende como personagens femininas fortes, que são em geral masculinizadas, além de personagens de fantasia agindo de forma violenta com o argumento de estarem almejando um bem maior”, explica a autora. 


Se nesse quesito Dharma se afasta dos cânones desse gênero literário, em outros pontos a obra de Magaldi bebe na fonte dos mestres ao criar um universo com leis próprias e arranjos sociais singulares. A inventividade abrange ainda o vocabulário e a inclusão de palavras e termos que não existem no léxico português, como, por exemplo, catalista, que é função que Jade exerce no enredo. 


A aposta é sempre arriscada porque ao elaborar um novo mundo é preciso rememorar no decorrer da escrita as engrenagens que fazem aquela história se mover. Magaldi cumpre com destreza esse desafio e o espectador se sente caminhando ao lado da protagonista, mestres e amigos durante toda a jornada, encarando com naturalidade os desajustes entre o mundo real e o ficcional. 


Outro ponto que corrobora para essa sensação de pertencimento do leitor a história, é a composição das personagens. A caracterização do núcleo que acompanha a protagonista é desenhada de forma que o espectador conheça e crie intimidade com cada um deles, admirando os talentos e relevando as imperfeições. 


O aumento da tensão a cada capítulo reserva um final emocionante que responde a questões levantadas durante a trajetória do grupo protagonista, ao mesmo tempo em que ascende novos mistérios, empurrando o espectador inevitavelmente para ansiar pelo segundo livro da série, Samsara, que deve ser lançado em 2024.  


Ano que vem a autora também estará à frente da versão em português da Kalevala finlandesa, uma coleção de antigas canções populares do país nórdico. E para o final deste ano, há a previsão de lançamento de mais dois trabalhos realizados como tradutora, o destaque é para o Livro de Casos de Sherlock Holmes, de Sir Arthur Conan Doyle (1859-1930), um dos mais celebrados autores de livros de suspense e mistério do mundo. 


Tradutora de mundos: a inspiração que vai do folclore filândes a literatura japonesa 


Natural de Juiz de Fora (MG), Carolina Magaldi tem uma longa trajetória acadêmica que soma mais de 15 anos dedicados aos estudos. A escritora possui graduação em Letras - Língua Portuguesa (1998 -2001), Língua Inglesa (1999-2002) e Língua Italiana (2003-2007), é pós graduada em Globalização, Mídia e Cidadania (2003-2004), além de Mestre (2005-2006) e Doutora (2009-2013)  em Letras, na área Estudos Literários. Toda a formação se deu como aluna na Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) de Minas Gerais. 


Em 2015, Magaldi retorna a universidade, agora como professora de tradução literária (inglês/português).  Remontar a jornada acadêmica da autora é relevante porque Dharma nasce tanto dos estudos que ela fez enquanto universitária quanto da experiência como docente e tradutora.  “Pesquiso épicos folclóricos, que são narrativas de fantasia originadas de tradição oral e registradas na forma escrita durante o Romantismo. Eles são uma fonte de inspiração e imaginação inegável, principalmente a Kalevala finlandesa”, revela a escritora. 


No rol dos autores que a inspiraram no gênero fantasia, a autora revela sua preferência pelos consagrados J.R.R Tolkien e Ursula Le Guin. Magaldi cita ainda como referências escritores que denomina de impacto espiritual, como o alemão Herman Hesse e o libanês Khalil Gibran. Esse último, inclusive, a autora indica como influência direta na composição de Dharma, assim como o clássico japonês “O Livro dos Cinco Anéis”,  de Miyamoto Musashi. 


Dharma é o primeiro romance de Magaldi — antes  havia se dedicado à ficção curta, como flash fiction, publicadas em revistas especializadas no Brasil e no exterior, e posteriormente em coletâneas. O processo de escrita do livro começou há cerca de cinco anos, de forma ainda incipiente. “Vinha delineando a escaleta do livro há algum tempo, mas comecei a escrever de fato em 2020,  durante a  pandemia da Covid-19. Segui o conselho que sempre que sempre dou aos meus alunos: não deixar os sonhos na gaveta ”.  

Confira um trecho do livro:

 Eram arroubos de energia, mas era ele, em essência e em amor. Naquele espaço, filho da Esperança e da Memória, tempo e espaço não tinham significado, ou mesmo existência. Tudo cabia dentro do presente, único momento verdadeiro e sagrado, que Jade vivenciava pela primeira vez. Era uma experiência de plenitude, que preenchia todos os seus sentidos, menos o olfato. O cheiro que ela sentia não era vindo das memórias (que nem eram dela), nem da 

mina, nem do assalto aos sentidos que percebia a cada chegada a Ouro Preto. Era um odor agradável, como grama recém-cortada, em um lugar em que nada florescia há séculos. Não vinha da natureza, mas vinha de alguém. Um alguém que tinha sido pego de surpresa por tudo: pelo abraço, pela estratégia, pela conversa no carro, pela batida em sua porta, pelo nevoeiro e pela saudade. 


Adquira “Dharma” pelo site da editora Paratexto: https://www.editoraparatexto.com.br/product/dharma/ 


Postar um comentário

Comentários