[RESENHA #346] A classe média no espelho, de Jessé Souza

Em sua
primeira obra inédita depois do sucesso de A elite do atraso, de 2017, Jessé
Souza se dedica a compreender a classe média brasileira. Com o mesmo estilo
claro e acessível, mas sem fazer concessões à superficialidade, ele agora
apresenta uma visão original e inovadora dessa classe fundamental da sociedade.
Em A classe média no espelho, ele desconstrói os maiores mitos que procuram
perpetuar o desconhecimento da classe média sobre si mesma. O primeiro é o de
que sua definição é determinada exclusivamente pela renda. Jessé vai além das
teorias sociais que se baseiam apenas na esfera do dinheiro e do poder em
direção a uma análise mais profunda das ideias e dos valores morais dessa
parcela da população.

O segundo mito é a concepção cultural do brasileiro “vira-lata”,
inferior, emotivo e corrupto por natureza – mentiras que a elite e seus
intelectuais inventaram para melhor doutrinar e manipular a classe média.
Jessé reconstrói a história dessa classe no mundo e no Brasil, e reflete sobre
a posição que ela assume na relação com a elite e as classes populares no país.
Assim, ele mostra como é possível compreender as fontes de seu comportamento
prático e as origens de seus princípios.

O livro conta com um imenso e rico material, resultado de centenas de entrevistas
realizadas com pessoas das mais variadas frações da classe média entre 2015 e
2018, em diversas cidades brasileiras.

O objetivo é criar um espelho no qual as visões de mundo mais características
dessa classe social possam ser vistas de um modo novo e desafiador. Não se pede
do leitor qualquer conhecimento prévio, apenas coragem para olhar para si mesmo
despido de preconceitos – o verdadeiro pressuposto de qualquer aprendizado real. 
A divisão existente das classes sociais é muito
subjetiva, há diversos métodos de chegarmos a um veredito com relação à um
pressuposto, desde que tenhamos em mente o foco a ser analisado e o objetivo a
ser alcançado, porém, é comum e bastante corriqueiro
que se atribua às classes seus status monetários, ou seja, a classe média, alta
e baixa são categorizadas por sua renda per capita, não levando em consideração
outros aspectos de relevância para uma abordagem mais concisa e explanada
acerca do assunto. Para Jessé Souza, existem muitos outros aspectos que definem
o que é a classe média brasileira, não se atendo apenas à sua renda monetária,
mas indo muito além da percepção do óbvio. No livro poderemos contar com
relatos, entrevistas e depoimentos repletos de análises sob a perspectiva
analítica do autor com relação à real classe media brasileira. Afinal, a classe
média também é “[…], reprodução de privilégios, sejam eles positivos ou
negativos. O problema é que muitos privilégios positivos, como a posse de
conhecimento valorizado – precisamente o tipo de capital monopolizado pela
classe média real – são literalmente invisíveis”.
De acordo com a sociologia, a classe social é o status quo relativo ao status social de
um conjunto de pessoas que seguem uma série de critérios avaliativos, ou seja,
não se atem apenas ao poder monetário. Se seguirmos a teoria marxista, a sociedade,
seja ela pré-capitalista, ou caracterizada pelo capitalismo desenvolvido,
sempre existe – e existirá – a desigualdade social através da classe social,
ainda que esta divisão seja relacionada diretamente ao poder aquisitivo,
existem outros fatores que tornam uma classe “superior” ou
“inferior”, a outras classes, como o padrão de vida, nível de
escolaridade, posição social, renda, acesso à serviços sociais, dentre outros.
A análise do autor é bem precisa naquilo o que se propõe: desmistificar toda
teia de análises falaciosas acerca do vil que se formou em torno da definição
da classe média no Brasil e suas subdivisões.
Partindo de pressupostos e análises políticas e
sociológicas, o autor desbrava com clareza a sociedade, a classe média e o status
avaliativo que se forma em torno da ideia de capital. As análises são sempre
ponderadas e partem de diversos pontos de análises para uma avaliação mais
concisa acerca daquilo o que se propõe na teoria de sair da “zona de conforto”
que o social tem com relação à divisão social de classes. Um livro realmente
encantador em todos os pontos possíveis. Senti-me perante ao espelho da realidade
das classes, onde pude analisar a clareza de ideias e a vastidão do assunto. O
autor realmente não deixou pontas soltas. Indicado para alunos de graduação ou
especialistas das áreas de sociologia, filosofia, história, dentre outras.
 
Embora
possa ser libertadora e emancipadora, a verdade também pode ser bastante
incômoda. Apesar de dizermos o contrário para nós mesmos, todos nós amamos as
mentiras que confirmam a vida que levamos na prática e que legitimam as nossas
ilusões. E detestamos a verdade que nos mostra que somos diferentes daquilo que
imaginamos.

 

O que
espero do leitor e da leitora não é a paciência para destrinchar algo
especialmente difícil, tampouco que tenha conhecimentos prévios. O que peço é
que tenha coragem.

 

O AUTOR
 
0 3 - [RESENHA #346] A classe média no espelho, de Jessé Souza
Jessé José Freire de Souza é sociólogo,
professor universitário e pesquisador brasileiro que atua nas áreas de Teoria
Social, Pensamento Social Brasileiro e estudos teórico / empíricos sobre
desigualdade e classes sociais no Brasil contemporâneo. É autor dos livros A
Ralé Brasileira, A Radiografia do Golpe, A Elite do Atraso e A Classe Média no
Espelho.
Graduado em Direito pela Universidade de
Brasília (1981), completou seu mestrado em Sociologia na mesma instituição em
1986. Em 1991, obteve seu doutorado em Sociologia na Karl Ruprecht Universität
Heidelberg (Alemanha), onde obteve ensino gratuito. e PhD na mesma disciplina
na Universität Flensburg em 2006. Ele também fez pós-doutorado em Sociologia na
New School for Social Research, Nova York, (1994/1995).
A partir de 2009, Souza realizou pesquisas
sociológicas em todo o país para confrontar a tese de que uma “nova classe
média” havia surgido no país. O resultado foi a configuração da nova
nomenclatura, ou seja, “ralé”, “batalhadores”, “classe
média” e “elite”, os dois últimos tendo privilégios que os dois
primeiros não possuem.
Ele escreveu e organizou 22 livros em português,
inglês e alemão sobre sociologia política, teoria da modernização periférica e
desigualdade no Brasil contemporâneo. Atualmente é professor titular de ciência
política na Universidade Federal Fluminense, em Niterói, no Rio de Janeiro.
Em 2 de abril de 2015, foi nomeado pela
Presidência da República para o cargo de presidente do Instituto de Pesquisa
Econômica Aplicada (Ipea), anteriormente ocupado por Sergei Suarez Dillon
Soares, mas renunciou em 2016 em breve. depois que o vice-presidente Michel
Temer assumiu temporariamente a presidência.
A importância da produção científica de Jessé de
Souza para diferentes áreas de estudo no Brasil, principalmente para a
sociologia, é importante na discussão de temas caros, tanto para a esfera
política, social, econômica e cultural, quanto para a academia que produz
conhecimento. que desejam divulgar conteúdo não dado a eles.
Atualmente está escrevendo artigos para a
revista Carta Capital.

Blogueiro, escritor, poeta, professor, ensaísta, cinéfilo, viajante e filantropo. Estudante de Ciências Sociais em busca de uma compreensão mais assertiva do nosso local em sociedade.

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com