[RESENHA #258] A barraca do beijo, de Beth Reekles

IMG 20180709 WA0017 1024x768 - [RESENHA #258] A barraca do beijo, de Beth Reekles
Foto: Divulgação
Elle Evans é o que toda garota quer ser:
bonita e popular. Mas ela nunca foi beijada. Noah Flynn é lindo e um tanto
quando bad boy – tá, o maior bad boy da escola – e o rei dos joguinhos de
sedução. A verdade é que Elle sempre teve uma queda pelo jeito descolado de
Noah, que, por coincidência, é o irmão mais velho de seu melhor amigo, Lee.
Essa paixão cresce ainda mais quando Elle e Lee decidem organizar uma barraca
do beijo no festival da Primavera da escola e Noah acaba aparecendo por lá. Mas
o romance desses dois está bem longe de ser um conto de fadas. Será que Elle
vai acabar com o coração partido ou conseguirá conquistar de vez o bad boy
Noah?

IMG 20180709 WA0020 768x1024 - [RESENHA #258] A barraca do beijo, de Beth Reekles
Foto: Divulgação 
Antes de iniciar quaisquer
considerações que eu tenha com relação a esta obra, vamos falar sobre como esta
obra chegou até mim. Diferente de todos os livros que me são ofertados, este
veio por intermédio de sua publicação no da Editora Astral Cultural. Após o
anúncio da publicação do livro no Brasil e do filme baseado no romance homônimo
de Beth Reekles no serviço de streaming NetFlix, fui correndo de imediato
procura-lo, e o encontrei no iBooks, onde tive a oportunidade de lê-lo em
inglês e precedentemente em língua portuguesa através desta belíssima edição.
Um ponto interessante com
relação à leitura é a imaturidade de seus protagonistas, mas a própria autora
revela que o nível de maturidade de seus protagonistas se deve à época em que
escreveu a obra. Quando o livro foi escrito (e lançado) a autora tinha apenas
dezessete anos, e como ela mesma diz: não tem como um autor de dezessete anos
construir personagens maduros baseados em uma maturidade que o autor não
possui.  Mas eu acho extremamente interessante
o fato de Rochelle (ou só Elle) ter nascido no mesmo dia e no
mesmo hospital que seu melhor amigo Lee. O acaso foi bondoso com Elle, ela conheceu
um amigo extremamente amoroso – quase irmão – e construiu uma paixão
avassaladora por seu irmão mais velho – Noah –. Beth possui uma escrita
peculiar que acaba tornando a leitura bastante fluida.
Óbvio que como todo livro que
tem uma obra cinematográfica baseada em seu enredo, este também possui
detalhes, revelações e descrições que não são relatadas no filme. Aqui, a
autora trabalha os sentimentos adolescentes em um jogo de amor para adultos
(adorei esta definição haha). E é interessante como o amor amadurece primeiro
Elle, depois Lee. O amor chega para ambos, mas age diferente em cada um, ela
reconhece coisas que Lee não aceita, entende ou quer entender, e esta
construção talvez seja o ápice mais maduro de toda escrita: o reconhecimento de
que o crescimento pessoal de uma pessoa é diferente do crescimento e
amadurecimento da outra. Reconhecer  que
as pessoas possuem tempos distintos para amadurecer, talvez seja o ponto “x” do
amadurecimento.
Crescer e amadurecer com esta
leitura é algo tão certeiro. Entender as nuances de Noah e o que formula o seu
caráter incompreendido, entender Elle, suas preocupações com o amigo e com o
sentimento no peito com relação à Noah, e claro, entender como funciona os
sentimentos de alguém que não quer perder uma amiga para o amor e não sabe
lidar com esta situação. São três personagens com três dilemas diferentes, e
cada um age de uma maneira e acrescenta em nós aquilo o que nos falta.

Eu estaria mentindo
se dissesse que foi amor à primeira vista, não foi. Romance sempre me pareceu
um gênero meio clichê, até o surgimento de Beth Reekles surgir e mudar minha
concepção acerca do romance e do amor juvenil na literatura. Este livro tem
dois pontos que me chamam muito à atenção quando o leio, o primeiro, talvez,
seja a forma com a qual a autora trabalha o desenvolvimento da história
utilizando o humor e outros artifícios para prender nossa atenção, sem falar de
toda tensão que vem no pacotinho deste romance. O segundo ponto (e o mais
interessante) é que este livro possui um enredo muito parecido com o do livro “Naomi
& Ely e a lista do não beijos
”, da escritora americana Rachel
Cohn
 — que por coincidência (ou não) também tornou-se uma adaptação
cinematográfica de grande sucesso —. Ainda que o enredo de um se pareça com o
outro, ambos possuem suas particularidades que o tornam únicos sem que exista a
presença da repetição. Em ambas as obras é perceptível que toda a trama gira em
torno de dois grandes amigos que por um motivo ou outro se refreiam a
possuir um relacionamento com uma classe “x” de pessoas estipulada por uma
lista que rege a amizade. O sentido que faz com que o enredo trabalhe de forma
magnífica e única está na forma como cada autora conduz sua escrita. Ambas as
autoras trabalham na valorização da amizade e no amor que um nutre pelo outro
independente dos problemas que surgem no caminho, só que uma toca em um ponto
que a outra não consegue tocar: A realidade. Por trás das relações e do
amadurecimento (ou ausência dele) por parte da realidade. Enquanto Rachel Cohn
possui 49 anos e trabalha com sua experiência de vida para desenvolver um
enredo voltado para sua visão amadurecida de mundo, temos nossa queridíssima
Beth Reekles, de apenas dezessete anos, uma autora que se mostrou promissora e
trouxe sua visão de mundo para sua primeira obra literária. A escrita de Beth
possui algo que outras escritas de igual finalidade não possuem: uma visão
adolescente de um relacionamento, de um convívio e de uma vida que somente um
adolescente poderia ter, e isto, torna o livro deliciosamente delicioso de se
ler.

25858492 - [RESENHA #258] A barraca do beijo, de Beth Reekles
Elle &Lee | NetFlix

Como mencionado anteriormente, esta
obra é um romance juvenil, daqueles de despertar o nosso primeiro amor. A
narrativa (muito bem humorada) narra à vida de Elle, uma jovem extremamente
bonita e popular, porém, nunca beijada. Elle é melhor amiga de Lee, do qual
nunca de separa. Lee é irmão de Noah, capitão do time de futebol do colégio e
galã de toda escola. A amizade de Lee e Elle é regida por um conjunto
preestabelecidos de regras, regras estas que causarão uma série de conflitos e
atritos, uma vez que foram criadas na infância e agora estão tendo que lidar
com emoções um pouco mais evoluídas já que estão prestes a ingressar na
faculdade.  A narrativa criada por Beth gira em torno da evolução da
amizade de Elle e Lee, da descoberta do amor e das belíssimas experiências que
a vida nos proporciona quando nos entregamos verdadeiramente aos momentos de
êxtase e paixão.
25858490 - [RESENHA #258] A barraca do beijo, de Beth Reekles
Elle & Noah
“Eu automaticamente me inclinei para trás,
minha cabeça encaixando naquele ponto entre o pescoço e o ombro dele. Mais
uma vez, o clichê romântico em mim se perguntou como parecíamos encaixar tão
perfeitamente, duas peças de um quebra-cabeça, e ter personalidades tão diferentes
e conflitantes… Eu não me importava com o quão ruim nós éramos um para o
outro ou que ele seria fora para a faculdade em breve; Acabei de me
lembrar de que estava apaixonada por ele.”

22523SK1526574577G - [RESENHA #258] A barraca do beijo, de Beth Reekles

SOBRE A AUTORA


Beth mora na região sul do País de Gales. É uma leitora voraz e bebedora inveterada de chá. Apesar dos livros, Beth é uma garota de exatas, formada em Física pela Exeter University. A Barraca do Beijo é sucesso no Wattpad e já acumulou mais de 19 milhões de acessos e 40 mil comentários, além de vencer o PRÊMIO WATTY DE FICÇÃO ADOLESCENTE MAIS POPULAR.

Blogueiro, escritor, poeta, professor, ensaísta, cinéfilo, viajante e filantropo. Estudante de Ciências Sociais em busca de uma compreensão mais assertiva do nosso local em sociedade.

Site Protection is enabled by using WP Site Protector from Exattosoft.com